A pintura de mandalas como meio de intervenção no tratamento terapêutico ocupacional para idosos com sintomas depressivos/The painting of mandalas as a means of intervention in occupational therapeutic treatment for elderly persons with depressive symptoms

Danielle dos Santos Cutrim Garros, Lariane de Souza Machado

Resumo


Resumo

A depressão se caracteriza pela ocorrência de vários sintomas, entre os sintomas psíquicos, a sensação de tristeza, menos valia, sentimento de culpa, a perda de prazer para realizar as atividades de rotina, a fadiga, e a dificuldade de concentração. O objetivo deste estudo foi avaliar o uso da técnica de pintura de mandalas para reduzir sintomas de depressão em idosos de um programa de atendimento de Terapia Ocupacional Em relação à metodologia, a coleta de dados foi realizada no período de julho de 2015 a outubro de 2016, em uma unidade básica de saúde, localizada no interior de São Paulo, com 4 idosos do gênero feminino com idade superior a 60 (sessenta) anos. Os critérios de inclusão foram, idade superior a 60 anos, com diagnóstico médico de depressão, apresentando sintomas de depressão que foram confirmados através da escala de depressão geriátrica e a participação obrigatória no programa de Terapia Ocupacional baseado no uso do recurso da pintura de mandalas. Os critérios de exclusão foram presença de comorbidades psiquiátricas, comprometimento visual que não se resolvesse com uso de tecnologia assistiva, óculos, falta de interesse nas atividades de pintura, e estar envolvido em qualquer outro tipo de tratamento e/ou atividade que proporcionem a diminuição dos sintomas referidos. Os resultados obtidos evidenciaram que a atividade artística é um recurso terapêutico eficaz, mesmo com o número reduzido da amostra. O protocolo com a pintura de mandalas diminuiu os sintomas depressivos em idosos, favorecendo o desempenho na execução das atividades de vida diária, a autonomia e a independência dos idosos desta pesquisa.

 

Abstract

Depression is characterized by the occurrence of various symptoms, including psychic symptoms, feelings of sadness, loss of feeling, guilt, loss of pleasure to perform routine activities, fatigue, and difficulty concentrating. The objective of this study was to evaluate the use of the mandalas painting technique to reduce depression symptoms in the elderly of an Occupational Therapy care program. In relation to the methodology, data collection was performed from July 2015 to October 2016 , in a basic health unit, located in the interior of São Paulo, with 4 elderly women of the female gender older than 60 (sixty) years. Inclusion criteria were age over 60 years, with medical diagnosis of depression, presenting symptoms of depression that were confirmed through the geriatric depression scale and compulsory participation in the Occupational Therapy program based on the use of mandalas painting. Exclusion criteria were presence of psychiatric comorbidities, visual impairment that could not be resolved with the use of assistive technology, glasses, lack of interest in painting activities, and being involved in any other type of treatment and / or activity that symptoms. The results showed that artistic activity is an effective therapeutic resource, even with a small sample. The protocol with the painting of mandalas decreased the depressive symptoms in the elderly, favoring the performance in the activities of daily living, autonomy and independence of the elderly of this research.

Keywords: Depression; Elderly; Painting; Occupational therapy.


Palavras-chave


Terapia ocupacional. Idosos. Depressão. Arte

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Sinopse do Senso Demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2011.

Fleck MPA.; Chachamovich E; Trentini CM. Projeto WHOQOL-OLD: método e resultados de grupos focais no Brasil. Revista Saúde Pública. 2003; 37 (6): 793-99.

Del Porto José Alberto. Conceito e diagnóstico. Rev. Bras. Psiquiatr. 1999; 21( Suppl 1 ): 06-11.

Crippa A; Gomes I; Terra NL. Avaliação da capacidade de decisão de idosos diagnosticados com depressão maior. Sci Med. 2017; 27(3): ID26558.

Drago, SMMS; Martins, RML. A Depressão no Idoso. Millenium. 2012; 43(17): 79-94.

Beck AT; Alford BA. Depressão:causas e tratamento. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Gregorutti CC; Araújo RCT. Idosos institucionalizados e depressão: atividades expressivas e seu potencial terapêutico. RBCEH. 2012; 9(2), p. 274-281.

Fioravanti C. Mandalas: como usar a energia dos desenhos sagrados. São Paulo: Pensamento; 2010.

Cavalli TF. Psicologia alquímica: receitas antigas para viver num mundo novo. São Paulo: Cultrix; 2011.

Neistadt ME.; Crepeau EB. Introdução à Terapia Ocupacional. In: Neistadt ME.; Crepeau EB. Terapia Ocupacional: Willard & Spackman. 9ª ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan; 2002, p. 3-9.

Caniglia M. Terapia Ocupacional, saúde prática e pós-modernidade. Belo Horizonte. Cutiara; 2005.

Almeida OP; Almeida SA. Confiabilidade da versão brasileira da Escala de Depressão em Geriatria (GDS) versão reduzida. Arquivos de Neuro-Psiquiatria. 1999; 57 (2B): 421-426.

Pacheco JL. Educação, trabalho e envelhecimento: Estudo das histórias de vida dos trabalhadores assalariados e suas relações coma escola, com o trabalho e com os sintomas depressivos, após a aposentadoria. [Tese]. Campinas: Universidade de Campinas; 2004.

Irigaray TQ; Trentini CM. Qualidade de vida em idosas: a importância da dimensão subjetiva. Estudos de psicologia. 2009; 26(3): 297-304.

Lima MFEA. A análise de atividade e a construção do olhar do terapeuta ocupacional. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2004; 15(2): 42-8.

Carvalho VFC; Fernadez MED. Depressão no idoso. In: Papaléo Netto M. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu; 1996. p.160-173.

Olivares AEL; Camargo GGA; Pimentel ASG. Arte e Saúde: Performance como Intervenção Terapêutica. Rev. Nufen: Phenom. Interd. 2017; 9(3): 78-92.

Castro ED. et al. Habitando os campos da arte e da Terapia Ocupacional. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2002; 13 (1): 1-8.

Galli JM; Fonseca SC. Sobre queixas de dificuldade de memória na velhice. Estud. Interdiscipl. envelhec. 2016; 21(2): 227-42.

Santos MFS. Identidade e Aposentadoria. São Paulo: E.P.U.; 1990.

Pitta, JCN. Depressão: sintomas físicos e déficits cognitivos em idosos. São Paulo, 2006. Disponível em: http://www.torrent.com.br/cientifica/casos_clinicos/cc_depressao_03 . Acesso em: 21 out. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB