O Brincar e o cuidar: o olhar do terapeuta ocupacional sobre o comportamento lúdico de crianças em internação prolongada/ The playing and caring: the look of occupational therapy on the playful behavior of children in prolonged hospitalization

Abida Amoglia Rodrigues, Valéria Barroso Albuquerque

Resumo


Trata-se de um estudo de campo com abordagem qualitativa que teve como objetivos conhecer o comportamento lúdico de crianças em situação de internação prolongada, assim como verificar a percepção dos cuidadores em relação ao envolvimento dessas crianças em atividades lúdicas. A pesquisa foi desenvolvida em um hospital infantil de Fortaleza/CE com a participação de duas crianças e seus responsáveis. A coleta ocorreu mediante a avaliação inicial com os instrumentos Entrevista Inicial com os Pais ou responsáveis e Avaliação do Comportamento Lúdico, cinco intervenções baseadas no modelo lúdico junto às crianças; e reavaliação do Comportamento Lúdico. Os resultados apontaram que houve modificações do comportamento lúdico das crianças mediante internação prolongada quando comparado ao que foi relatado pelos responsáveis sobre a prática do brincar em casa. Foi observada diminuição do interesse, motivação, interação e expressividade. Após as intervenções houve melhorias, sobretudo no interesse lúdico pelo espaço, pelo ambiente sensorial e pela interação com outras crianças. Conclui-se, portanto, que a internação prolongada oferece estímulos negativos para a criança hospitalizada. Contudo, o brincar apresenta potencial terapêutico para a recuperação da criança e adaptação ao novo ambiente em que se encontra.

 

Abstract:  This is a field study with a qualitative approach that aimed to know the playful behavior of children in prolonged hospitalization as well as to verify the perception of caregivers regarding the involvement of these children in playful activities. The research was conducted in a Children's Hospital of Fortaleza / CE with the participation of two children and their parents. The collection took place through the initial assessment with the instruments Initial Interview with Parents or Guardians and Evaluation of Playful Behavior, five interventions based on the playful model with children; and reevaluation with the Evaluation of Playful Behavior. The results showed that there were changes in the playful behavior of children through prolonged hospitalization when compared to what was reported by those responsible for playing at home. Decreased interest, motivation, interaction and expressiveness were observed. After the interventions there were improvements, especially in the playful interest in the space, the sensory environment and the interaction with other children. Therefore, it is concluded that prolonged hospitalization offers negative stimuli for hospitalized children. However, playing has therapeutic potential for the child's recovery and adaptation to the new environment in which he finds himself.

Key words: Child Hospitalized, Caregivers, Play Therapy, Occupational Therapy.

 

Resumen: Este es un estudio de campo con un enfoque cualitativo que tuvo como objetivo conocer el comportamiento lúdico de los niños en hospitalizaciones prolongadas, así como verificar la percepción de los cuidadores sobre la participación de estos niños en actividades lúdicas. La investigación se realizó en un Hospital de Niños de Fortaleza / CE con la participación de dos niños y sus guardianes. La recolección se realizó a través de la evaluación inicial con los instrumentos Entrevista inicial con padres o tutores y Evaluación de comportamiento lúdico cinco intervenciones basadas en el modelo lúdico con niños; y reevaluación con la Evaluación de comportamiento lúdico. Los resultados mostraron que hubo cambios en el comportamiento de juego de los niños a través de la hospitalización prolongada en comparación con lo que informaron los responsables de jugar en casa. Disminución de interés, motivación, interacción y expresividad se observaron. Después de las intervenciones hubo mejoras, especialmente en el interés lúdico en el espacio, el entorno sensorial y la interacción con otros niños. Por lo tanto, se concluye que la hospitalización prolongada ofrece estímulos negativos para los niños hospitalizados. Sin embargo, jugar tiene potencial terapéutico para la recuperación y adaptación del niño al nuevo entorno en el que se encuentra.

Palabras clave: Niño Hospitalizado, Cuidadores, Ludoterapia, Terapia Ocupacional.


Palavras-chave


Criança Hospitalizada, Cuidadores, Ludoterapia, Terapia Ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Oliver GC. A Importância do brincar na Educação Infantil [monografia]. Rio de Janeiro: Faculdade de Pedagogia da Universidade Veiga de Almeida – UVA; 2012.

Winnicott DW. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Vygotsky LS. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Correia IS. Espaço Lúdico: A música como forma de intervenção na hospitalização infantil [monografia]. Brasília: Faculdade de Ceilândia da Universidade de Brasília – UNB; 2014.

American Occupational Therapy Association A. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo- 3ª ed.traduzida. Rev. Ter. Ocup. USP. 2015; 26 (ed. especial):

-49.

Gurgel LA, Lage AMV. Atuação psicológica na assistência à criança com câncer: da prevenção aos cuidados paliativos. Rev. Psi. 2013 jan./jun; 4 (1):83-96.

Giardinetto ARSB, Alves PV, Silva MNF, Zanco AH. Contação de histórias em enfermaria pediátrica: leitura, aprendizagem e entretenimento. Rev. Ciênc. Ext. Marília 2011;7 (2): 166-167.

Gomes R. Documento síntese para validação de recomendações da pesquisa - Diagnóstico das condições crônicas em pediatria no INSMCA Fernandes Figueira: retrato da morbidade hospitalar e linhas de cuidado. Rio de Janeiro: IFF-FIOCRUZ, 2015.

Souza DS, Figueiredo BA, Silva ACD. O brincar de crianças com deficiência física sob a perspectiva dos pais. Cad. Bras. Ter. Ocup. São Carlos 2017; 25 (2): 267-274.

Sant’anna MMM, Blascovi-Assis SM, Magalhães LC. Adaptação transcultural dos protocolos de avaliação do Modelo Lúdico. Rev. Ter. Ocup. USP 2008; 19 (1): 34-47.

Sant’Anna MMM. Instrumentos de avaliação do modelo lúdico para crianças com deficiência física (EIP – ACL): manual da versão brasileira adaptada [recurso eletrônico]. São Carlos: ABPEE: M&M Editora, 2015.

Ferland F. O modelo lúdico: o brincar, a criança com deficiência física e a terapia ocupacional. 3.ed. São Paulo: Roca, 2006.

Sant’anna MMM. Tradução e adaptação transcultural dos protocolos de avaliação do Modelo Lúdico para crianças com paralisia cerebral [dissertação]. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie; 2007.

Piaget J. A Construção do real na criança. Rio de Janeiro, Zahar, 1970.

Rabelo HD. O significado da hospitalização para as crianças internadas no Hospital Regional de Ceilândia [monografia]. Brasília: Universidade de Brasília – UnB; 2012.

Kudo AM, Parreira FV, Barros PBM, Zamper SSS. Construção do instrumento de avaliação de Terapia Ocupacional em contexto hospitalar pediátrico: Sistematizando Informações. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos 2012; 20(2): 173-181.

Kumamoto LHMCC, Gadelha ECM, Monteiro FR, Silva LRMS, Leite MC, Santos RGC. Apoio à criança hospitalizada: proposta de intervenção lúdica. Rev. Elet. Ext. Cid. 2006; 1 (1): 1-13.

Mussa C, Malerbi, FEK. O impacto da atividade lúdica sobre o bem-estar de crianças hospitalizadas. Psicol. teor.prat., São Paulo 2008; 10 ( 2): 83-93.

Zaguini CGS, Bianchin MA, Junior RVL, Chueire RHMF. Avaliação do comportamento lúdico da criança com paralisia cerebral e da percepção de seus cuidadores. Acta Fisiatr. 2011; 18(4):187-91.

Miranda RL, Begnis JG, Carvalho AM. Brincar e humanização: avaliando um programa de suporte na internação pediátrica. Gerais: Rev. Interinst. Psicol. Juiz de fora 2010 dez; 3 (2): 160-174.

Souza LPS, Silva CC, Brito JCA, Santos APO, Fonseca ADG, Lopes JR, et al. O brinquedo terapêutico e o lúdico na visão da equipe de enfermagem. Jour. of Heal. Sci.Inst. 2012; 30 (4): 354-358.

Sousa LC, Vitta A, Lima JM, Vitta FCF. O brincar no contexto hospitalar na visão dos acompanhantes de crianças internadas. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. São Paulo 2015; 25 (1): 41-49.

Santos DG. Aplicabilidade do Modelo Lúdico no Processo Terapêutico Ocupacional de Cuidado da Criança em Transplante de Células-tronco Hematopoéticas [monografia]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2013.

Marinelo GS, Jardim DP. Estratégias lúdicas na assistência ao paciente pediátrico: aplicabilidade ao ambiente cirúrgico. Ver. SOBECC. 2013; 18 (2): 57- 66.

Garcia-Schinzari N. R,Pfeifer LI, Sposito AMP, Santos JLF, Nascimento LC, PanúncioPinto MP. Caixas de histórias como estratégia auxiliar do enfrentamento da hospitalização de crianças e adolescentes com câncer. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. São Carlos 2014; 22 (3):569-577.

Ferreira NAS, Esmeraldo JD, Blake MT, Antão JYFL, Raimundo RD, Abreu LC. Representação social do lúdico no hospital: o olhar da criança. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. São Paulo 2014; 24(2): 188-194.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto26293

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB