Atuação do terapeuta ocupacional no NASF: reflexões sobre a prática/Occupational therapist at the NASF: reflections on practice

Míriam de França Chagas, Magda Fernanda Lopes de Oliveira Andrade

Resumo


Em 2008, foi criado, pelo Ministério da Saúde, o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), com o intuito de apoiar as equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF) nas redes de saúde e ampliar a ação da Atenção Básica da Saúde. O NASF é composto por uma equipe multidisciplinar e o terapeuta ocupacional é um dos integrantes desta equipe. O objetivo deste trabalho é o de conhecer a atuação dos terapeutas ocupacionais nos NASFs do município de Maceió, Alagoas, e suas reflexões sobre o trabalho desempenhado. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, sendo a coleta de dados realizada por meio de entrevista semiestruturada. Como resultados, foram elencadas três categorias temáticas: A atuação do terapeuta ocupacional no NASF: ações e atividades efetuadas; Os principais obstáculos encontrados pelo terapeuta ocupacional no NASF e As ferramentas tecnológicas utilizadas para a realização do trabalho no NASF. A Terapia Ocupacional ainda é uma profissão que busca seu reconhecimento no NASF. Visitas domiciliares, salas de espera e atividades em grupo foram identificadas como ações desempenhadas pelos profissionais, apesar das dificuldades como falta de recursos materiais e de uma estrutura física melhor. Este estudo serviu para enfatizar a importância do trabalho do terapeuta ocupacional no serviço, bem como as dificuldades encontradas por eles, citando assim a falta de reconhecimento/conhecimento da profissão, recursos e espaço. Apesar das dificuldades mencionadas, os mesmos sempre buscam realizar um atendimento humanizado, preocupando-se com os usuários, minimizando os riscos e promovendo a saúde.

 

Abstract

In 2008, the Family Health Support Center (NASF) was created by the Ministry of Health to support the Family Health Strategy (ESF) teams in health networks and expand the action of Primary Care of health. The NASF is composed of a multidisciplinary team and the occupational therapist is one of the members of this team. The objective of this work is to know the performance of occupational therapists in the NASFs of the city of Maceió-AL, and their reflections on the work performed. This is qualitative research, and the data collection is done through a semi-structured interview with occupational therapists of the NASFs in the municipality of Maceió-AL. As a result, three thematic categories were listed: The work of the occupational therapist in the NASF: actions and activities carried out; the main obstacles encountered by the occupational therapist in NASF; at technological tools used to perform work in the NASF. Occupational Therapy is still a profession that seeks recognition in the NASF. Home visits, waiting rooms and group activities were identified as actions performed by professionals, despite difficulties such as lack of material resources and a better physical structure. This study contributed to emphasize the practice of the work of the occupational therapist in the service, as well as the difficulties encountered to know: citing the lack of recognition/knowledge of the profession, resources and space. Despite the mentioned difficulties, they seek to perform a humanized care, reaffirming principles and guidelines of the Unified Health System - SUS, to minimize risks and promote health care.

 Keywords: Occupational Therapy, Primary Health Care, Family Health.

 

Resumen

 En 2008, fue creado por el Ministerio de Salud, el Núcleo de Apoyo a la Salud de la Familia (NASF), con el propósito de apoyar a los equipos de la Estrategia de Salud de la Familia (ESF) en las redes de salud y ampliar la acción de la Atención Básica de la Salud. El NASF está compuesto por un equipo multidisciplinario y el terapeuta ocupacional es uno de los integrantes de este equipo. El objetivo de este trabajo es el de conocer la actuación de los terapeutas ocupacionales en los NASF del municipio de Maceió-AL, y sus reflexiones sobre el trabajo desempeñado. Se trata de una investigación cualitativa, siendo la recolección de datos realizada por medio de una entrevista semiestructurada con terapeutas ocupacionales de NASF en el municipio de Maceió-AL. Como resultados, se enumeraron tres categorías temáticas: La actuación del terapeuta ocupacional en el NASF: acciones y actividades efectuadas; los principales obstáculos encontrados por el terapeuta ocupacional en el NASF; las herramientas tecnológicas utilizadas para la realización del trabajo en el NASF. La Terapia Ocupacional sigue siendo una profesión que busca su reconocimiento en el NASF. Las visitas domiciliarias, salas de espera y actividades en grupo fueron identificadas como acciones realizadas por los profesionales, a pesar de las dificultades como falta de recursos materiales y de una estructura física mejor. Este estudio contribuido para enfatizar la práctica del terapeuta ocupacional en el servicio, así como las dificultades a saber:la falta de reconocimiento / conocimiento de la profesión, recursos y espacio. A pesar de las dificultades mencionadas, buscan realizar una atención humanizada, reafirmando los principios y lineamientos del Sistema Único de Salud - SUS, para minimizar los riesgos y promover la atención médica.

Palabras clave: Terapia Ocupacional, Atención Primaria de Salud, Salud Familiar.

 


Palavras-chave


Terapia Ocupacional, Atenção Primária a Saúde, Saúde da família

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica. Série E. Legislação em Saúde. Brasília, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Cadernos de atenção básica. Brasília, 2010.

Reis F; Vieira ACVC. Perspectivas dos terapeutas ocupacionais sobre sua inserção nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de Fortaleza, CE. Cad. Terapia Ocupacional, UFSCar, São Carlos. 2013; 21(2): 351-360.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2436, de 21 de Setembro de 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 de setembro de 2018.

Portal da Saúde SUS. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Disponível em: . Acesso em: 20 de agosto de 2017.

Nascimento DDG; Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O Mundo da Saúde. 2010; 34(1): 92-96.

Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Cadernos de atenção básica. Brasília, 2009.

Campos GWS; Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2007; 23(2): 399-407.

Campos GWS. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 1998; 14(4): 863-870.

Ministério da Saúde. Portaria Nº 154, de Janeiro de 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 de agosto de 2017.

Renan. A Terapia Ocupacional e suas atribuições e responsabilidades. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 de outubro de 2018.

MS/SAS/Departamento de Atenção Básica – DAB. Teto, credenciamento e implantação das estratégias de Agentes Comunitários de Saúde, Saúde da Família e Saúde Bucal. Unidade Geográfica: Estado ALAGOAS. Competência: Janeiro de 1998 a Junho de 2017.

Minayo MCS; Deslandes SF; Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, Rj: Editora Vozes. 2009; 28: 108. Disponível em: . Acesso em: 12 setembro de 2017.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF – Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Coordenação da Atenção Básica, Secretaria de Saúde, Prefeitura de São Paulo. Diretrizes e parâmetros norteadores das ações dos Núcleos de Apoio a Saúde da Família. Prefeitura de São Paulo. 2009.

Silva ATC. et al. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: desafios e potencialidades na visão dos profissionais da Atenção Primária do município de São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2012.

Savassi; Dias, 2006 apud Drulla et al 2009. A visita domiciliar como ferramenta ao cuidado familiar. Cogitare Enferm. 2009; 14(4): 667-674.

Almeida MC; Oliver FC. Abordagens comunitárias e territoriais em reabilitação de pessoas com deficiências: fundamentos para a Terapia Ocupacional. In: CARLO, M. M. R. P.; BARTALOTTI, C. C. (Org.). Terapia Ocupacional no Brasil: fundamentos e perspectivas. Plexus, São Paulo. 2001; 81-98.

Hori AA; Nascimento AF. O Projeto Terapêutico Singular e as práticas de saúde mental nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Guarulhos (SP), Brasil. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 de junho de 2018

Rocha EF; Kretzer MR. Ações de reabilitação de pessoas com deficiência na estratégia da saúde da família da Fundação Zerbini e Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo – Região Sudeste – Sapopemba/Vila Prudente – período 2000/2006. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2009; 20(1): 59-67.

Souza CCBX.; Ayres SP; Marcondes EMM. Metodologia de apoio matricial: interfaces entre a Terapia Ocupacional e a ferramenta de organização dos serviços de saúde. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos. 2012; 20(3): 363-368.

Bezerra WC; Tavares MMF; Cavalcante GMM. O mercado de trabalho da Terapia Ocupacional em Maceió – AL no contexto contemporâneo. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2009; 20(2): 75-84.

Rocha EF; Souza CCBX. Terapia Ocupacional em reabilitação na Atenção Primária à Saúde: possibilidades e desafios. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2011; 22(1): 36-44.

Jardim TA; Afonso VC; Pires IC. A Terapia Ocupacional na Estratégia de Saúde da Família – evidências de um estudo de caso no município de São Paulo. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2008; 19(3): 167-175.

Campos, G. W.S.; Amaral, M. A. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciênc. saúde coletiva. 2007; 12(4): 849-859.

Rodrigues AD; Dallanora CR; Rosa J; Germani ARM. Sala de espera: um ambiente para efetivar a educação em saúde. 2009; 101-106. Disponível em: . Acesso em: 27 de junho de 2018.

Grando MK; Dall’agnol CM. Desafios do processo grupal em reuniões de equipe da estratégia saúde da família. Esc. Anna Nery. 2010; 14(3): 504-510.

Carvalho CRA. A identidade profissional dos terapeutas ocupacionais: considerações a partir do conceito de estigma de Erving Goffman. Saúde Soc. São Paulo. 2012; 21(2): 364-371.

Carvalho CRA. A atuação dos terapeutas ocupacionais em unidades públicas de saúde da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2010. Dissertação (mestrado em saúde pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/ Fundação Oswaldo Cruz, 2010.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto26887

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB