A prática clínica de Terapia Ocupacional em tempos de pandemia: a intervenção precoce através da telessaúde

Julia Bulegon Hermes, Ellen Caroline Timm, Juliana Pietro Minato, Vitória Hoerbe Beltrame, Dani Laura Peruzzolo

Resumo


Contextualização: Frente aos desafios impostos pela pandemia da COVID-19, a Telessaúde se destaca por possibilitar a continuidade do cuidado a distância. Processo de Intervenção: Trata-se de uma Análise da Prática, com o objetivo de relatar intervenções clínicas da Terapia Ocupacional em Intervenção Precoce, através da teleconsulta e do telemonitoramento, com crianças e seus pais/cuidadores (as). Análise crítica da prática: O estudo aponta a Telessaúde como uma importante ferramenta para terapeutas ocupacionais que trabalham com Intervenção Precoce, destacando as potencialidades para o apoio do desenvolvimento infantil, bem como as dificuldades dessa modalidade. Síntese das considerações: A prática considera a continuidade da utilização da Telessaúde após o período da pandemia, tendo em vista os resultados positivos no processo de cuidado. Além disso, destaca o papel das crianças como sujeitos ativos no processo de tratamento. Ademais, aponta a relevância da Telessaúde no processo de formação profissional através de intervenções inovadoras.

Palavras-chave: Desenvolvimento Infantil. Terapia Ocupacional. Telessaúde. Telemonitoramento. Pandemia

 

Abstract
Contextualization: Faced with the challenges posed by the COVID-19 pandemic, Telehealth stands out for allowing the continuity of care at a distance. Intervention Process: This work is a Practice Analysis, with the objective of reporting clinical interventions of Occupational Therapy in Early Intervention through teleconsultation and telemonitoring with children and their parents/caregivers. Critical analysis of the practice: The study points to Telehealth as an important tool for occupational therapists who work with Early Intervention, highlighting the potential for supporting child development, as well as the difficulties of this modality. Summary of considerations: The practice considers the continuity of Telehealth usage after the pandemic period, given the positive results in the care process. Moreover, it highlights the role of children as active subjects in the treatment process. Furthermore, it points out the relevance of Telehealth in the professional training process through innovative interventions.

Keywords: Child Development. Occupational Therapy. Telehealth. Telemonitoring. Pandemic

 

Resumen

Contextualización: Delante de los desafíos impuestos por la pandemia del COVID-19, la Telesalud se destaca por posibilitar la continuidad del cuidado a distancia. Proceso de intervención: Se trata de un Análisis de la Práctica, con el objetivo de relatar intervenciones clínicas de la Terapia Ocupacional en Atención Temprana a través de la Teleconsulta y del Telemonitoreo con niños y sus padres/niñeras. Análisis crítico de la práctica: El estudio apunta la Telesalud como una importante herramienta para terapeutas ocupacionales que trabajan con Atención Temprana, destacando las potencialidades para el apoyo del desarrollo infantil, así como las dificultades de esa modalidad. Resumen de consideraciones: La práctica considera la continuidad de la utilización de la Telesalud tras el periodo de pandemia, teniendo en cuenta los resultados positivos en el proceso de cuidado. Añadido a eso, destaca el papel de los niños como sujetos activos en el proceso de tratamiento. Además, apunta la relevancia de la Telesalud en el proceso de formación profesional a través de intervenciones innovadoras.

Palabras clave: Desarrollo Infantil. Terapia Ocupacional. Telesalud. Telemonitorización. Pandemia 


Palavras-chave


Desenvolvimento Infantil. Terapia Ocupacional. Telessaúde. Telemonitoramento. Pandemia.

Texto completo:

PDF

Referências


Beltrame, V. H., Moraes, A. B de., & Souza, A. P. R. (2018). Perfil sensorial e sua relação com risco psíquico, prematuridade e desenvolvimento motor e de linguagem por bebês de 12 meses. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 29(1), 8-18. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v29i1p8-18

Caetano, R., Silva, A. B., Guedes, A. C. C. M., Paiva, C. C. N., Ribeiro, G. R da, Santos, D. L., & Silva, R. M da. (2020). Desafios e oportunidades para telessaúde em tempos da pandemia pela COVID-19: uma reflexão sobre os espaços e iniciativas no contexto brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, 36(5), 01-16. http://doi.or/10.1590/0102-311X00088920

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional- COFFITO. (2020). Resolução nº 516, de 20 de março de 2020. Dispõe sobre a suspensão temporária do Artigo 15, inciso II e Artigo 39 da Resolução COFFITO nº 424/2013 e Artigo 15, inciso II e Artigo 39 da Resolução COFFITO nº 425/2013 e estabelece outras providências durante o enfrentamento da crise provocada pela Pandemia do COVID-19. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília.

De-Carlo, M. M. R. do P., Gomes-Ferraz, C. A., Rezende, G., Buin, L., Moreira, D. J. A., Souza, K. L. de, Sacramento, A. M., Santos, W. de A., Mendes, P. V. B., & Vendrusculo-Fangel, L. M. (2020). Diretrizes para a assistência da terapia ocupacional na pandemia da COVID-19 e perspectivas pós-pandemia. Medicina (Ribeirão Preto), 53(3), 332-369. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v53i3p332-369

Della Barba, P. C. S. (2020). Intervenção de terapia ocupacional centrada na família. In L. Z. Pfeifer & M. M. Sant’Anna (Eds.), Terapia Ocupacional na infância: procedimentos na prática clínica (pp. 172-189). São Paulo: Memnon.

Folha, D. R. S. C., & Della Barba, P. C. S. (2020). Produção de conhecimento sobre terapia ocupacional e ocupações infantis: uma revisão de literatura. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 28(1), 227-245.DOI:http://dx.doi.org/10.4322/2526-8910.ctoar1758

Joaquim, R. H. V. T., Silva, F. R da, & Lourenço, G. F. (2018). O faz de conta e as brincadeiras como estratégia de intervenção para uma criança com atraso no desenvolvimento infantil. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 26(1), 63-71. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO1169

Laznik, M. C. (2013). A voz da sereia: o autismo e os impasses na constituição do sujeito. Salvador: Ágalma.

Molina, S. A. (1996). A organização das construções cognitivas a partir da constituição subjetiva. Porto Alegre: Centro Liydia Coriat.

Narzisi, A. (2020). Handle the Autism Spectrum Condition during Coronavirus (COVID-19) Stay at Home Period: Ten Tips for Helping Parents and Caregivers of Young Children. Brain Sciences. 10 (4), 01-04. https://doi.org/10.3390/brainsci10040207

Peruzzolo, D. L. (2016). Uma hipótese de funcionamento psicomotor para a clínica de Intervenção Precoce (Tese de doutorado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Peruzzolo, D. L., Oliveira, L. D., & Filheiro, M. (2015). Contribuições à clínica da Terapia Ocupacional na área da intervenção precoce em equipe interdisciplinar. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 23(2), 295-303. http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0515

Peruzzolo, D. L., & Souza, A. P. R de. (2017). Uma hipótese de funcionamento psicomotor como estratégia clínica para o tratamento de bebês em intervenção precoce. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional,25(2),427-434.https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoEN0864

Pereira B. P., Soares, C. R., Galvani, D., Silva, M. J., Almeida, M. C.,

Bianchi, P. C., & Barreiro, R. G. (2020). Terapia Ocupacional Social: reflexões e possibilidades de atuação durante a pandemia da Covid-19. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. 4(3), 554-566. http:doi.org1047222/2526-3544.rbto34432

Pichini, F. S., Rodrigues, N. G. S., Ambrós, T. M. B., & Souza, A. P. R de. (2016). Percepção da família e do terapeuta sobre a evolução de crianças em uma abordagem interdisciplinar de intervenção precoce. Revista CEFAC, 18(1), 55-66. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/1982-021620161810915

Pierce, D. (2011). Co‐occupation: The challenges of defining concepts original to occupational science. Journal of Occupational Science, 16(3), 203-207. httP://doi.org/10.1080/14427591.2009.9686663

Roley, S. S., & Jacobs, E. S. E. (2011). Integração Sensorial. In E. B. Crepeau, E. S. Cohn & B. A. B. Schell (Eds.), Willard & Spackman Terapia Ocupacional (pp.1124-1149). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Silva, J. J. B., & Nascimento, A. C. B. (2020). Terapia Ocupacional e Telessaúde em tempos de Covid-19. Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional, 4(6), 1013-1022. http://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto36001

Wallisch, A., Little, L., Pope, E., & Dunn, W. (2019). Parent Perspectives of an Occupational Therapy Telehealth Intervention. International Journal of Telerehabilitation, 11(1), 15-22. DOI: https://doi.org/10.5195/ijt.2019.6274

World Federation of Occupational Therapist—WFOT. Tradução: Omura KM, Carreteiro G. Declaração de Posição Telessaúde. (2020). Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional. 4(3), 416-421. https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto34165




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto41664

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB