O discurso público em Terapia Ocupacional: sentidos construídos em uma comunidade de prática/ The public discourse in Occupational Therapy: meaning construction in a community of practice

Tais Quevedo Marcolino

Resumo


Os aspectos narrativos em terapia ocupacional são valorizados na comunidade profissional, mas há dificuldade para apresentá-los publicamente (relatórios, prontuários, discussão de equipe). Em uma pesquisa-ação voltada para compreender o desenvolvimento profissional e do raciocínio clínico de terapeutas ocupacionais iniciantes, construída em formato de Comunidade de Prática, 18 encontros presenciais foram transcritos e submetidos à análise temática. Uma das subcategorias, "o discurso público em terapia ocupacional", indicou esse tema como um dilema, e a construção de sentidos sobre ele ao longo da pesquisa abarcou (a) escrever a prática de modo narrativo com afastamento da escrita biomédica dos relatórios, (b) a prática profissional como um processo construído na relação entre os sujeitos, (c) o desejo de reconhecimento desse trabalho narrativo pelo mundo biomédico. Investigar a prática pela escrita narrativa e compartilhá-la em um espaço formativo favoreceu a apropriação do raciocínio clínico/profissional e consequente diálogo com equipe. Espera-se que este estudo contribua para melhor compreensão destas características da prática em terapia ocupacional e melhoria da formação inicial e continuada, assim como para disparar questões de pesquisa dessa natureza.



Palavras-chave


Narrativa, Prática profissional; Terapia ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Sch¶n D. The reflexive practitioner. New York: Basic books; 1983.

Mattingly C, Fleming MH. Clinical Reasoning: forms of inquiry in a therapeutic process. Philadelphia: F. A. Davis Company; 1994.

Kinsella AE. Technical rationality in Sch¶n's reflective practice: dichotomous or non-dualistic epistemological position. Nursing Philosophy. 2007;8:102-113. DOI: 10.1111/j.1466-769X.2007.00304.x

Mattingly C. Healing dramas and clinical plots: the narrative structure of experience. Cambridge: Cambridge University Press; 1998.

Bruner J. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.

Constantinidis TC. Empty head, devil's workshop": the popular conceptions of the term occupation and occupational therapy. Psicologia e Sociedade. 2012;24(3):691-700. DOI: 10.1590/S0102-71822012000300022.

Pierre BL. Occupational Therapy as Documented in Patients Records Part III. Valued but not Documented. Underground Practice in the Context of Professional Written Communication. Scandinavian Journal of Occupational Therapy. 2009;8(4):174-83.

Ajjawi R, Higgs J. Learning to communicate clinical reasoning. In: Higgs J, Jonse MA, Loftus S, Christensen S. (Editores). Clinical reasoning in the health professions. Oxford: Butterworth-Heinemann; 2008. p. 331-38.

Parkinson S. Shenfield M, Reece K, Fisher J. Enhancing professional reasoning through the use of evidence-based assessment, robust case formulations and measurable goals. British Journal of Occupational Therapy. 2011;74(3):148-52. DOI: 10.4276/030802211X12996065859364

Schell BA, Schell JW. Clinical and Professional Reasoning in Occupational Therapy. Philadelphia: Wolters Klumer/Lippincott Williams & Wilkins Publishers; 2008.

Kielhofner G, Hammel J, Finlayson M, Helfrich C, Taylor RR. Documenting Outcomes of Occupational Therapy: The center of outcomes research and education. American Journal of Occupational Therapy. 2004;58:15-23. DOI: 10.5014/ajot.58.1.15

Desroche H. Pesquisa-ação: dos projetos de autores aos projetos de atores e vice-versa. In: Thiollent M. Pesquisa-ação e Projeto Cooperativo na Perspectiva de Henri Desroche. São Carlos: EDUFSCar; 2006. p. 33-68.

Marcolino TQ, Nascimento EF, Gozzi APNF, Cid MFB. Comunidade de prática em terapia ocupacional na atenção básica em saúde: expectativas e impactos preliminares. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 2016.

Wenger E. Communities of practice: learning, meaning and identity. Cambridge: Cambridge University Press; 1998.

RETIRADO PARA NÃO IDENTIFICAÇÃO DOS AUTORES. No prelo.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa/Portugal: Edições 70; 2011.

RETIRADO PARA NÃO IDENTIFICAÇÃO DOS AUTORES. 2012.

Benetton J. Trilhas associativas: ampliando subsídios metodológicos à clínica da terapia ocupacional. Campinas: Arte Brasil Editora / UNISALESIANO -- Centro Universitário Católico Auxilium; 2006.

Loughan J. Reflection through collaborative action research and inquiry. In: Lyons N. (Ed.) Handbook of Reflection and Reflective Inquiry: Mapping a way of knowing for professional reflective inquiry. Springer; 2010. p. 399-413.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB