Direito à alimentação adequada e a medida provisória 870/2019: um estudo à luz da constitucionalidade

Sandra Oliveira de Almeida, Daniela Sanches Frozi

Resumo


RESUMO:

O presente estudo pretende refletir sobre a efetividade do Direito Humano à Alimentação Adequada no Estado Democrático de Direito à luz da teoria de justiça enquanto desenvolvimento das capacidades humanas, e a constitucionalidade da Medida Provisória (MP) n. 870, editada em 01 de janeiro de 2019, que revogou as disposições da Lei n. 11.346/06 referentes às atribuições e composição do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), órgão de diálogo e participação social, que compõe um dos pilares do Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN). A pesquisa foi desenvolvida na abordagem qualitativa a partir da revisão crítica da literatura. A reorganização administrativa do novo governo por medida provisória é legítima, porém a extinção do órgão implicaria na inviabilidade do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional ao não transferir a outro ente suas competências, violando a dimensão organizativa dos Direitos Fundamentais. No cenário de fortes desigualdades, em um ambiente de baixa participação social, as ameaças poderiam desconstruir a ideia de Justiça a partir da lógica do bem-estar social, afetando a concretização do Direito Humano à Alimentação Adequada.


Palavras-chave


Direito constitucional; Direitos fundamentais; Direito à Alimentação; Medida Provisória; Constitucionalidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANDH, M. L. O Direito Humano à Alimentação Adequada e o sistema nacional de segurança alimentar e nutricional. Brasília: 2013. 263p. Disponível em.Acesso em 20 de dez. 2018.

ANTUNES ROCHA, C. L. “O princípio da dignidade da pessoa humana e a exclusão social”. Revista do Instituto Brasileiro de Direitos Humanos, [S.l.], n. 2, p. 49-67, dez. 2001. ISSN 1677-1419. Disponível em: . Acesso em 17 mai. 2019.

ARRUDA, B.K. G.; ARRUDA I. K. G.. “Marcos referenciais da trajetória das políticas de alimentação e nutrição no Brasil”. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2007 Set.; 7(3): 319-326. Disponível em: . Acesso em 20 de jan.2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292007000300011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em . Acesso em jan. 2019.

BRASIL. Decreto n. 591, de 06 de julho de 1992. Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, 1966. Disponível em . Acesso em 12 dez. 2018.

BRASIL. IBGE. PNAD Contínua - Divulgação: novembro de 2018. Trimestre: jul. Ago-set/2018. Disponível em . Acesso em 02 de jan. 2019.

BRASIL. Lei n. 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Disponível em . Acesso em 03 dez. 2018.

BRASIL. Medida Provisória n. 870, de 01 de janeiro de 2019. Estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios. Disponível em . Acesso em 02 de jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Secretaria Especial de Desenvolvimento Social. “Brasil sai do mapa da fome das nações unidades”. Brasília, 2014. Disponível em < http://mds.gov.br/area-de-imprensa/noticias/2014/setembro/brasil-sai-do-mapa-da-fome-das-nacoes-unidas-segundo-fao> . Acesso em 20 de jan. 2019

BRASIL. MDSA. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional. Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – PLASAN 2016-2019, Brasília, 2017. 73p. Disponível em https://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/seguranca_alimentar/caisan/Publicacao/Caisan_Nacional/BalancoPLANSAN2016_2019.pdf. Acesso em 02 de jan. 2019.

BRASIL. Senado Federal. Proposta de Emenda Constitucional n. 21, de 08 de agosto de 2001. Altera o art. 6º da Constituição Federal, para introduzir a alimentação como direito social. Disponível em < https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/47868/pdf>. Acesso em: 10 de dez de 2018

CONSEA – Conselho Nacional de Segurança Alimentar. I Conferencia Nacional de Segurança Alimentar. Secretaria Executiva Nacional da Ação da Cidadania. Ação da Cidadania contra a fome, a miséria e pela vida. Rev. de James A. Segurado Parabayba. Brasília, 1995.

EMERIQUE, L. M. B.. “Percepções empíricas sobre o controle judicial de políticas públicas”. Quaestio Iuris (Impresso), v. 9, p. 670-694, 2016a. Disponível em < https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/quaestioiuris/article/view/18267>. Acesso em 20 de mar. 2019.

EMERIQUE, L. M. B; FIGUEIRA, L. E. ; BRITTES, G. . “Direito e políticas públicas: um diálogo necessário”. Direito e Justiça (URI), v. 26, p. 62-79, 2016b. Disponível em < http://srvapp2s.santoangelo.uri.br/seer/index.php/direito_e_justica/article/view/1895>. Acesso em 20 de mar. 2019.

EMERIQUE, L. M. B. Neoconstitucionalismo e direitos sociais: um contributo para a luta contra a pobreza. 1. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos/FAPERJ, 2009. v. 1. 228p

FAO, IFAD, UNICEF, WFP and WHO. 2014. The State of Food Insecurity in the World 2014. Strengthening the enabling environment for food security and nutrition. Rome, FAO. Disponível em < http://www.fao.org/3/a-i4030e.pdf >. Acesso em 02 abr. 2019.

FREITAS, M. C. S.. Agonia da fome. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; Salvador: EDUFBA, 2003. 281p. ISBN85-8906-004-7. Available from SCIELO books. Disponível em < http://books.scielo.org. > . Acesso em 25 de janeiro de 2019

FREITAS, M. C. S.. “Uma abordagem fenomenológica da fome”. Rev. Nutr. [online]. 2002, vol.15, n.1, pp.53-69. ISSN 1415-5273. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732002000100007&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 05 de fev. 2019

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2012. Texto para Discussão (TD) 1794: As liberdades humanas como bases do desenvolvimento: uma análise conceitual da abordagem das capacidades humanas de Amartya Sen. Disponível em . Acesso em 02 de jan. 2019.

LEIVAS, P. C.. “O direito fundamental à alimentação: da teoria das necessidades ao mínimo existencial”. In: PIOVESAN, F.; CONTI, I. (Org.). Direito humano à alimentação adequada. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2007. p.79-92.

LENZA, P. Direito Constitucional Esquematizado. 23ª Ed.– São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

MORAES, A. Direito constitucional - 34. Ed. - São Paulo: Atlas, 2018.

NEVES DE AZEVEDO, M. L., “Igualdade e equidade: qual é a medida da justiça social?”. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior [online]. 2013. Disponível em . Acesso em 16 de jan. 2019.

ONU – Organização das Nações Unidas. “Comentário geral número 12: o direito humano à alimentação (art. 11)”. Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais do Alto Comissariado de Direitos Humanos. 1999. [online]. Disponível em< http://www.abrandh.org.br/downloads/Comentario12.pdf>.Acesso em 02 set. 2018.

PIOVESAN, F. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 14. ed., rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2013.

PIRES, A. “Afinal, para que servem as condicionalidades em educação do Programa Bolsa Família?”. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., [online]. Rio de Janeiro, v. 21, n. 80, p. 513-532, jul. /set. 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v21n80/a07v21n80.pdf. Acesso em 22 de jan. 2019.

PIRES, R.;VAZ, A. Participação social como método de governo? Um mapeamento das “interfaces sociestatais” nos programas federais. Texto para discussão nº1707. IPEA. 2012.

RAMOS, A. C. Curso de direitos humanos. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

RAWLS, J. Liberalismo político. Tradução Dinah de Abreu Azevedo. Revisão de tradução Álvaro de Vita. 2. ed. São Paulo: Ática, 2000

ROCHA, E. A Constituição cidadã e a institucionalização dos espaços de participação social: avanços e desafios. 20 anos da constituição cidadã: avaliação e desafio da seguridade social, Anfip, Brasília, 2008. Disponível em . Acesso em 20 de mar. 2019.

SARLET. I. W. A eficácia dos direitos fundamentais. 9 Ed. Rev. Atual. E ampl. Porto Alegre. Livraria do Advogado. Ed.2008

SARLET, I. W.; MARINONI, L. G.; MITIDIERO, D. Curso de Direito Constitucional. 7. Ed. – São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

SEN, A. K. A ideia de justiça. Tradução Nuno Castello-Branco Bastos. Coimbra, Almedina, 2011.

SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. Tradução: MOTTA, Laura Teixeira. São Paulo: Companhia das letras, 2010a.

SEN, A. K. As pessoas em primeiro lugar: A ética do desenvolvimento e os problemas do mundo globalizado. Tradução Bernardo Ajzemberg, Carlos Eduardo Lins da Silva. São Paulo: Companhia das letras, 2010b.

SILVA, S. P. A trajetória histórica da segurança alimentar e nutricional na agenda política nacional: projetos, descontinuidades e consolidação. 2014. Disponível em . Acesso em 16 maio de 2019.

SOUZA, N. P; et al. “A (des) nutrição e o novo padrão epidemiológico em um contexto de desenvolvimento e desigualdades”. Ciênc. Saúde coletiva [online]. 2017, vol.22, n.7, pp.2257-2266. ISSN 1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017227.03042017.

TOMAZINI, C. G.;LEITE, C. K.S. “Programa Fome Zero e o paradigma da segurança alimentar: ascensão e queda de uma coalizão?”. Rev. Sociol. Polit. 2016, vol.24, n.58, pp.13-30. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104 acesso em 22 jan.2019.

WEBER, T. A ideia de um "mínimo existencial" de J. Rawls. Kriterion, Belo Horizonte, v. 54, n. 127, p. 204, Jun. 2013. Disponível em .Acesso 05 Jan. 2019.

ZAMBAM, N. J.; KUJAWA, H. A. “As políticas públicas em Amartya Sen: condição de agente e liberdade social”. Revista Brasileira de Direito, Passo Fundo, v. 13, n. 1, p. 60-85, mar. 2017. ISSN 2238-0604.. Disponível em< https://seer.imed.edu.br/index.php/revistadedireito/article/view/1486>. Acesso em: 28 dez. 2018. doi:https://doi.org/10.18256/2238-0604/revistadedireito.v13n1p60-85.




DOI: https://doi.org/10.21875/tjc.v5i2.25761

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Sandra Oliveira de Almeida, Daniela Sanches Frozi



ISSN 2526-0464

Indexada em: / Indexed by: