Deficiência, mulheres e a dimensão do cuidado: compreensões das interseções em relações jurídico-sociais aplicadas

Giovanna Marafon, Roberta Pinheiro Piluso

Resumo


RESUMO:

Neste artigo buscamos compreender as intersecções possíveis entre os campos da deficiência e de gênero, por meio da proposta de um diálogo interseccional, que considera ainda outros marcadores sociais de diferença. Subsidiamos a discussão teórica em um olhar para o modelo social da deficiência, com o aporte fundamental do pensamento feminista em relação aos estudos da deficiência, especialmente pela centralidade atribuída à dimensão do cuidado e na contribuição da teoria crip. Realizamos análises jurídico-sociais a partir de duas experiências profissionais, a saber: na militância no campo jurídico em relação às pessoas com deficiência e na pesquisa-extensão universitária na formação e intervenção nos modos de compreensão da deficiência e da inclusão e mediação.


Palavras-chave


Deficiência; Feminismo; Interseccionalidade; Cuidado; Relações jurídico-sociais

Texto completo:

PDF

Referências


AKOTIRENE, C. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento. Justificando, 2018.

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BLOCK, P; MELLO, A. G.; NUERNBERG, A. H. Não é o corpo que nos discapacita, mas sim a sociedade: a interdisciplinaridade e o surgimento dos estudos sobre deficiência no Brasil e no mundo. In: SCHIMANSKI, E.; CAVALCANTE, F. G.. (Org.). Pesquisa e Extensão: experiências e perspectivas interdisciplinares. 1 ed. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014, p. 91-118.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Edições Câmara, 2015. Disponível em: http://www.cnmp.mp.br/portal/images/lei_brasileira_inclusao__pessoa__deficiencia.pdf. Acesso em 08 ago. 2019.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? (Tradução Sergio Lamarão e Arnaldo da Cunha). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, J. Corpos em aliança e a política das ruas. Notas para uma teoria performativa de assembleia. (Tradução de Fernanda Siqueira Miguens). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CARNEIRO, S. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CRENSHAW, K. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discrimação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas. v. 10, n. 1, p. 175, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em 24 jan. 2019.

DIAS, A. “Por uma genealogia do capacitismo: da eugenia estatal a narrativa capacitista social”. Anais do I Simpósio Internacional de Estudos sobre a Deficiência – SEDPcD/ Diversitas/ USP Legal, São Paulo, 2013.

DINIZ, D. “Modelo Social de deficiência: a crítica feminista”. Brasília: SérieAnis 28, Letras Livres, 1-8, julho, 2003.

DINIZ, D. O que é deficiência? São Paulo: Brasiliense, 2007.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa. Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Traduação de Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

FEDERICI, S. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FERRI, A. e Gregg, N. “Women with Disabilities: Missing Voices”. Women’s Studies International Forum, v. 21, n. 4, pp. 429- 439, 1998.

FIETZ, H. M.; MELLO, A. G. de. “A Multiplicidade do Cuidado na Experiência da Deficiência”. Revista AntHropológicas, [S.l.], abr. 2019. ISSN 2525-5223. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2019.

GONZALEZ, L. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223 - 244, 1984.

KAUFMAN, N. Cinco pistas para uma prática de mediação escolar não medicalizante. In: Comissão de Psicologia e Educação (Org.) Conversações em Psicologia e Educação. Rio de Janeiro: CRPRJ, 2016.

KAUFMAN, N. e TABAK, S. “Inclusão e mediação escolar: norteadores para uma prática ética”. Revista Educação Online. Rio de Janeiro, n. 22, 2016, p. 27-42.

MOHANTY, C. T. Feminism Without Borders. Durham/London: Duke University Press, 2003.

MARTINS, B. S; FONTES, F. Deficiência e Emancipação Social. Para uma crise da normalidade. Coimbra: Almedina, 2016.

MELLO, A. G. e NUERNBERG. A. H. “Gênero e deficiência: interseções e perspectivas”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis: setembro-dezembro 2012 (635-655).

MELLO, A. G. “Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC”. Ciências e saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 21, n. 10, p. 3265-3276, Out. 2016 . Available from . Acesso em: 05 jun 2019.

MELLO, A. G. Gênero nas políticas da deficiência, deficiência nas políticas para mulheres: uma análise de documentos oficiais sobre violências contra mulheres com deficiência. In: Deficiência em questão para uma crise de normalidade. Rio de Janeiro: NAU, 2017.

MELLO, A. G. et al. “Entre Pesquisar e Militar: engajamento político e construção da teoria feminista no Brasil”. Revista Ártemis. vol. 15 nº1; jan-jul 2013. pp. 10-29. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/view/16635/9492. Acesso em: 05 jun. 2019.

MCRUER, R. Compulsory Able-Bodiedness and Queer/Disabled Existence. In: Snyder SL, Brueggmann BJ, Garland-Thomsom R. (orgs). Disability studies: enabling the humanities. New York: Modern Languague Association of America; 2002. pp. 88-99.

ONU. Conselho de Direitos Humanos. Estudio temático sobre la cuestión de la violencia contra las mujeres y las niñas y la discapacidad . Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.

WHO. World Report on Disability. Geneva: World Health Organization Press, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2018




DOI: https://doi.org/10.21875/tjc.v5i1.27991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Giovanna Marafon, Roberta Pinheiro Piluso



ISSN 2526-0464

Indexada em: / Indexed by: