A Construção Transitiva no português brasileiro: aspectos cognitivo-interacionais

Nedja Lima de Lucena

Resumo


Este artigo discute aspectos cognitivo-interacionais relacionados a uma subclasse de construções de estrutura argumental: a Construção Transitiva. Alinha-se teoricamente à Linguística Funcional Centrada no Uso que abriga a concepção de que as línguas são moldadas pela complexa interação de princípios cognitivos e funcionais. A partir da análise de dados empíricos, a pesquisa conclui que a Construção Transitiva é altamente esquemática e produtiva, em termos de types e de tokens, o que justifica o alto número de verbos licenciados por essa construção, e atesta que a aproximação ou afastamento entre as instanciações são motivados preponderantemente por propriedades semânticas.

 

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.31513/linguistica.2018.v14n1a15055


Palavras-chave


Gramática de Construções. Construções de estrutura argumental. Construção Transitiva. Linguística Funcional Centrada no Uso.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: