‘Noruega', Ndo ro hwêkê, Peido na cara

Rafael Bezerra Nonato

Resumo


Este artigo descreve as principais estratégias usadas em KÄ©sêdjê para nomear novos objetos e conceitos: pareamento fonológico chistoso, pareamento fonossemântico, criação de calques e extensão de signifcado. Embora atualmente a maioria dos KÄ©sêdjê seja fluente em português, a simples adaptação de empréstimos, embora praticada, é rara. As estratégias principais são baseadas no pareamento fonológico, isto é, em encontrar uma palavra ou sintagma em KÄ©sêdjê que se aproxime da palavra portuguesa original. As aproximações mais bem aceitas entre os falantes são aquelas que têm uma matiz chistosa. Aquelas cuja semântica se aproxima à da palavra original também tendem a ter sucesso. Antes de os KÄ©sêdjê serem fluentes em português, a extensão de signifcado foi muito importante, e também é descrita neste artigo.

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.31513/linguistica.2017.v13n3a16384


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: