Estudo diacrônico da ordenação das construções causais com porque e por+infinitivo sob a perspectiva de princípios funcionais

Mayra França Floret, Maria da Conceição Auxiliadora de Paiva

Resumo


As construções causais conectadas por porque e por+infinitivo compartilham diversas semelhanças. Dentre elas, destaca-se a flexibilidade de posição da oração causal, que pode ser anteposta, posposta ou interposta à oração efeito. Neste artigo, investigamos a relação entre essas diferentes possibilidades de organização e princípios funcionais mais gerais, quais sejam, iconicidade e distribuição de informação, nos períodos clássico e moderno do português. O objetivo central é discutir possíveis mudanças na organização sintagmática dessas construções, motivadas pela própria representação da relação causal, que pressupõe que causas precedem seus efeitos e pelo princípio discursivo de que informação velha precede informação nova. Para tanto, analisamos uma amostra de textos não literários produzidos entre os séculos XVII e XX/XXI. Através de uma análise quantitativa, mostramos que, contrariando as expectativas, tanto as orações causais com porque como as com por+infinitivo são predominantemente pospostas à oração efeito no intervalo de tempo considerado, independentemente do seu estatuto informacional e da sequencialidade entre os estados de coisas codificados, indicando a fixação de uma ordem default.


Palavras-chave


construções causais; porque; por+infinitivo; ordenação; mudança.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31513/linguistica.2020.v16n2a33693

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: