Polissemia verbal e representação da estrutura argumental

Daniela Cid de Garcia, Marília Uchoa Cavalcanti Lott de Moraes Costa

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar algumas abordagens teóricas sobre raízes verbais e fazer algumas considerações sobre a polissemia de verbos do português brasileiro a partir dos verbos levantar, enterrar e raspar. Utilizamos como base teórica propostas não-lexicalistas para verificar as restrições quanto às leituras semânticas que esses verbos podem apresentar, a depender da estrutura argumental em que estão inseridos.  Apresentamos ainda um desdobramento experimental para examinar a representação dos sentidos presentes nas raízes. O trabalho permitiu uma reflexão sobre algumas das questões de que tratam os estudos em interface sintaxe-semântica e sobre possíveis vantagens de uma proposta não lexicalista na busca por uma adequação explicativa para a polissemia verbal.


Palavras-chave


Polissemia, estrutura esqueletal, interface sintaxe-semântica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31513/linguistica.2020.v16nEsp.a39409

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: