Padrão não marcado de ordenação de circunstanciais temporais: regularidades

Maria da Conceição de Paiva, Carla Gulpilhares, Luana Santos Lima, Patrícia Valéria Gomes

Resumo


Este artigo focaliza a variação na ordem de circunstanciais temporais em um corpus de fala e em um corpus de escrita, sob a perspectiva do conceito de marcação. Mostramos que, embora se possam depreender padrões de variação gerais e paralelos nas duas modalidades, diferenças quantitativas na exploração de uma ou outra forma de disposição sintagmática desses constituintes indicam a interferência das peculiaridades de produção de cada uma delas. Tanto no que se refere à ordem não marcada (ordem mais frequente) dos circunstanciais temporais quanto aos seus contextos  de uso, peculiaridades decorrentes da modalidade, do tipo de circunstancial (advérbio ou sintagma preposicional) e mesmo do gênero textual intervêem no sentido de determinar hierarquias de marcação distintas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: