O estágio dois no desenvolvimento linguístico pré-fala: a percepção de consoantes

Eloisa Maria Le Maitre de Oliveira Lima, Aline da Rocha Gesualdi, Aniela Improta França

Resumo


Quando um bebê começa a falar, por volta dos 12 meses, evidencia-se um output lingüístico, ainda bem limitado pela própria condição motora do bebê. Como observadores, perdemos então as fases encobertas do Mecanismo de Aquisição de Linguagem (Language Acquisition Device -- LAD), que prepara a circuitaria que dá suporte à fala. O problema é: como monitorar a aquisição de linguagem na mente de um bebê que ainda não fala? Este trabalho retrata o uso de duas técnicas de monitoração próprias para o período pré-fala, correspondendo à primeira e à segunda fases do experimento. A primeira delas é o chupetógrafo, que registra a frequência e a intensidade da sucção de bebês. Sabe-se que nos bebês há uma ligação fisiológica entre a sucção e a atenção. Trata-se da “sucção não-nutritiva” (SNN), que pode manifestar-se pela simples presença da chupeta ou mesmo espontaneamente. Na SNN, há aumento no ritmo e no volume de sucção proporcionalmente ao nível de interesse e foco que o bebê dispensa a determinado estímulo. Desta forma, buscou-se desenvolver um aparelho que registra com precisão a sucção em seus aspectos de frequência por segundo e pressão, de forma que esses dados possam ser relacionados à estimulação linguística. A segunda técnica utilizada foi a monitoração do olhar de bebês para objetos que ele reconhece ou não. Os testes foram feitos com bebês de 3, 4, 5 e 6 meses, e os estímulos eram palavras e não-palavras que designam objetos concretos mostrados para os bebês durante a primeira fase do experimento e reconhecidos por eles durante a segunda fase.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: