A neurofisiologia das expressões idiomáticas na síndrome de Asperger

Fernanda Botinhão Marques, Leonardo Azevedo, Paulo Galhanone, Aniela Improta França

Resumo


As expressões idiomáticas (EI) estão frequentemente presentes na nossa comunicação rotineira e são rapidamente aceitas, inseridas e compreendidas por indivíduos de diferentes faixas etárias. EIs como: chutar o balde podem soar estranhas na primeira vez em que ouvimos, mas logo logo são incorporadas no nosso vocabulário. Há indivíduos com diagnóstico de Síndrome de Asperger (AS) que apresentam dificuldade em compreender as EIs. Eles atribuem um sentido literal às expressões, sendo incapazes de alcançar um significado idiomático quando as palavras não mantém uma relação composicional entre forma e significado. Elaboramos um protocolo experimental com intuito de comparar as respostas neurofisiológicas (N400) entre dois grupos: Controle (GC) e Síndrome de Asperger (AS). Constatamos que os indivíduos com AS podem apresentar dificuldade na interpretação de expressões idiomáticas devido à imprevisibilidade semântica dessas construções.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31513/linguistica.2011.v7n2a4465

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: