Observações sobre os compostos da LIBRAS: a interpretação das categorias gramaticais

Aline Garcia Rodero Takahira, Rafael Dias Minussi

Resumo


Este artigo tem como objetivo investigar as estratégias de formação de palavras na Língua de Sinais Brasileira (LSB ou LIBRAS), especialmente composição. O objetivo também é promover uma discussão sobre a interpretação semântica das categorias gramaticais seguindo o modelo teórico da Morfologia Distribuída (HALLE & MARANTZ, 1993). Como resultado da pesquisa, levantamos algumas hipóteses: (i) há dois tipos de raízes na LIBRAS, uma em que o traço de movimento está incorporado e outra em que não está incorporado na própria raiz; e, (ii) o traço [+movimento] pode ser considerado um morfema categorizador, quando ele não está incorporado dentro da raiz.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31513/linguistica.2013.v9n1a4573

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: