Trajetórias fonológicas: evolução e complexidade

Thaïs Cristófaro Silva

Resumo


Este artigo analisa diversos fenômenos fonológicos do português brasileiro que são tradicionalmente considerados independentes: nasalização de vogal, vocalização de lateral, lenição de róticos e epêntese. Argumenta-se que estes fenômenos, de fato, refletem uma trajetória do português brasileiro em que
sílabas fechadas se adaptam em sílabas abertas. A motivação para esta adaptação é o não-equilíbrio do sistema. A abordagem teórica é pautada nos Sistemas Adaptativos Complexos. Sugere-se que a análise apresentada neste artigo é superior a uma análise fragmentada dos diversos fenômenos fonológicos, pois permite agrupar tendências análogas (em prol de sílabas abertas) e motivar percursos futuros (emergência de sílabas complexas) que evoluirão com o sistema ao longo do tempo. Evidências indicam que são as diversas interações complexas entre os componentes do sistema que promovem a evolução da língua, com estabilidade e dinamicidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: