NIETZSCHE: ANTIMODERNO, PÓS-MODERNO, MODERNO

Victor Gonçalves

Resumo


Mais diagnosticador do que profeta, Friedrich Nietzsche avaliou alguns dos múltiplos sentidos do homem e do mundo. Começou por ser antimoderno, crítico irredutível da tradição racionalista e do otimismo moral que lhe está intrinsecamente ligado, em Die Geburt der Tragödie. Alguns anos depois, comMenschliches, Allzumenschliches, recuperou a cauda do cometa do seu tempo, exercendo um pensamento próximo do paradigma mecânico-positivista, e reprovou os filtros românticos que antes fizeram dele o filósofo do esteticismo wagneriano e da metafísica schopenhaueriana. Die fröhliche Wissenschaft e Also sprach Zarathustra pontuaram os limites da harmonia pré-estabelecida entre a razão humana e a pretensa estrutura lógica do mundo. Zur Genealogie der Moral afastou a ideia dos fundamentos originários, elabo rando uma espécie de crítica da contaminação. Mas, ainda que em filigrana, Jenseits von Gut und Böse e as obras de 1888 recuperaram, na figura neófita do Freigeist, novas decisões de sentido e de ordenação, sui generis, do mundo. Propomo-nos, pois, indicar as flutuações no percurso do pensamento nietzscheano acerca da modernidade, que nos seus traços mais visíveis o mostra como um viandante entre a abjuração da modernidade, um dos fundadores, malgré lui, da pós-modernidade e, finalmente, secreto lançador de uma outra modernidade, ainda não edificada, diga-se.

Palavras-chave


espírito livre, modernidade, pós-modernidade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Victor Gonçalves