Ribeirinhos em Resistência à Gestão Biocêntrica de Unidades de Conservação Pública e Privada no Pantanal

Ana Maria de Souza Mello Bicalho, Scott William Hoefle, Ana Paula Correia de Araújo

Resumo


Este trabalho analisa o conflito socioambiental no qual a população ribeirinha é ameaçada por unidades de conservação ambiental pública e privadas no norte de Mato Grosso do Sul e limite com Mato Grosso. O Parque Nacional do Pantanal Matogrossense e reservas particulares de patrimônio natural – RPPN – articulam-se em uma forte rede de conservação biocêntrica e ameaçam a população tradicional ribeirinha gerando conflito. O objetivo é analisar e avaliar o conflito, quanto a questões fundiárias e a restrições que são impostas pelas unidades de conservação sobre a população limitando o modo de vida de legado histórico. Ribeirinhos resistem e alianças extra local são formadas visando a permanência no lugar. Abordagem teórico baseia-se na História Ambiental Radical e na Ecologia Política Crítica, questionando injustiça social em ações ambientais discriminatórias de populações rurais vulneráveis.


Palavras-chave


Conflito socioambiental; População tradicional ribeirinha; Ecologia Política Crítica; Justiça ambiental; Pantanal

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2020.38022

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ana Maria de Souza Mello Bicalho, Scott William Hoefle, Ana Paula Correia de Araújo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 2237-3071