Planejamento linguístico familiar na diáspora brasileira: considerações sobre a comunidade brasileira em Dongguan, China

Júlio Reis Jatoba

Resumo


Partindo da perspectiva sociocultural da Língua de Herança e, portanto, do seu papel na (re)identificação, (re)organização e transformação de grupos sociais em contextos de emigração e imigração, este artigo apresenta e discute algumas das características do Português como Língua de Herança (PLH) em famílias da comunidade brasileira em Dongguan, China, com crianças em idade escolar. Basearemos esta discussão em dados coletados em visitas de campo, entrevistas e questionários. Nossos resultados apontam algumas das razões da necessidade de ampliar a discussão sobre o planejamento linguístico familiar para o PLH e de inseri-lo na agenda de investigações sobre Política e Planejamento Linguístico e Diáspora Brasileira numa perspectiva transnacional. Por fim, esperamos que os resultados contribuam para que instituições de ensino e governos reflitam sobre a urgência de reformularem políticas de acreditação, credenciamento, validação e emissão de diplomas escolares.

Palavras-chave


Política e Planejamento Linguístico; Português Língua de Herança; Diáspora Brasileira

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, J. C. P. Tornar-se professor de língua (s) na estrangeiridade domada. In: MENDES, E. e CASTRO, M. L. S. (Ed.). Saberes em Português: Ensino e Formação Docente Campinas: Pontes Editores, 2008. p. 97-108.

BELTRÃO, K. I.; SUGAHARA, S. Permanentemente temporário: dekasseguis brasileiros no Japão. Revista Brasileira de Estudos de População, 23, n. 1, p. 61-85, 2006.

BORUCHOWSKI, I. D. Curriculum development in a heritage language community-based school: A qualitative inquiry regarding a Brazilian-Portuguese program in South Florida. 2014. 111 f. (Dissertação de mestrado), Florida International University, Florida, 2014.

BORUCHOWSKI, I. D. Diretrizes e princípios norteadores para um currículo de língua de herança. In: JENNINGS-WINTERLE, F. e LIMA-HERNANDES, M. C. (Ed.). Português como língua de herança: a filosofia do começo, meio e fim. New York: Brasil em mente, 2015. p. 163-175.

FISHMAN, J. A. 300-plus years of heritage language education in the United States. In: PEYTON, J. K.;RANARD, D. A., et al (Ed.). Heritage languages in America: Preserving a national resource. Washington, DC: Delta Systems; and McHenry, IL: Center for Applied Linguistics, 2001. p. 81-98.

JATOBÁ, J. R. Políticas linguística e externa chinesa: um breve panorama do ensino de LEs e do PLE na China. Revista da SIPLE, 8, n. 1, p. 54-71, 2015.

JATOBÁ, J. R. Políticas linguística e externa chinesa: o caso do PLE. In: VANZELLI, J. C.;CHAVES, I. O., et al (Ed.). Estudos Brasileiros na Ásia: língua, literatura e cultura. Viçosa: Editora UFV, 2017.

JATOBÁ, J. R.; SHANG, X. J. 在华葡语社区继承语现状研究——以东莞巴西人社区为例 [Research on the Heritage Language in Portuguese-Speaking Countries in China: A Case Study of the Brazilian Community in Dongguan]. In: SHANG, X. J. e DING, H. (Ed.). 中国与葡语国家合作发展报告(2017-2018)Report on cooperation and development between China and Portuguese-speaking countries (2017-2018). Beijing: Social Sciences Academic Press, 2019. p. 219-230.

JENNINGS-WINTERLE, F.; LIMA-HERNANDES, M. C. (ed.). Português como língua de herança: a filosofia do começo, meio e fim. New York: Brasil em Mente, 2015. 302 p.

JIANG, Y. R. O perfil dos brasileiros que vivem na China. 2015. (Trabalho de conclusão de curso) , Guangdong University of Foreign Studies, Guangzhou, 2015

KLAUSS, T. “Gaúchos na China”. Brasileiras pelo mundo, 10 de setembro de 2017. Disponível em: https://www.brasileiraspelomundo.com/gauchos-na-china-480866843. Acesso em: 10 de janeiro de 2020.

KUHN JUNIOR, N.; NUNES, M. F. The role of the new media in the migratory experiences of Brazilian footwear industry workers in the south of China. Migraciones Internacionales, 6, n. 4, p. 47-74, 2012.

LEXICO ONLINE DICTIONARY. Disponível em:

LICO, A. L. Ensino de Português como Língua de Herança: Prática e Fundamentos. Revista da SIPLE, 2, n. 1, p. 22-33, 2011.

LIMA-HERNANDES, M. C.; CIOCCHI-SASSI, K. V. Língua de herança como integradora de identidades. In: JENNINGS-WINTERLE, F. e LIMA-HERNANDES, M. C. (Ed.). Português como Língua de Herança: A filosofia do começo, meio e fim. New York: Brasil em Mente, 2015.

LIU, G. Planeamento do ensino de português língua estrangeira na China. In: IOK, L. H. e ZHILIANG, W. (Ed.). Actas 2º Fórum Internacional do Ensino da Língua Portuguesa na China. Macau: Instituto Politécnico de Macau, 2015. p. 111-132.

MORONI, A. Português como Língua de Herança: O começo de um movimento. In: JENNINGS-WINTERLE, F. e LIMA-HERNANDES, M. C. (Ed.). Português Língua de Herança: A filosofia do começo, meio fim. New York: Brasil em Mente, 2015. p. 29-55.

POLINSKY, M.; KAGAN, O. Heritage languages: In the ‘wild’ and in the classroom. Language and linguistics compass, 1, n. 5, p. 368-395, 2007.

TADMOR, C. T.; GALINSKY, A. D.; MADDUX, W. W. Getting the most out of living abroad: Biculturalism and integrative complexity as key drivers of creative and professional success. Journal of Personality and Social Psychology, 103, n. 3, p. 520-542, 2012.

TSUDA, T. Strangers in the Ethnic Homeland: Japanese Brazilian Return Migration in Transnational Perspective. New York: Columbia Univ. Press, 2003.

VALDÉS, G. The teaching of heritage languages: An introduction for Slavic-teaching professionals. In: KAGAN, O. e RIFKIN, B. (Ed.). The learning and teaching of Slavic languages and cultures. Bloomington, IN: Slavica, 2000. p. 375-403.

VAN DEUSEN-SCHOLL, N. Toward a definition of heritage language: Sociopolitical and pedagogical considerations. Journal of language, identity, and education, 2, n. 3, p. 211-230, 2003.

WEI, L. (ed.). The bilingualism reader. 2ª ed. EUA e Canadá: Routledge, 2007a.

WEI, L. Dimensions of bilingualism. In: LI, W. (Ed.). The bilingualism reader. 2ª ed. EUA e Canadá: Routledge, 2007b. cap. 1, p. 1-22.

YE, M. L. Aquisição da língua portuguesa e chinesa dos descendentes de brasileiros na China. 2014. (Trabalho de conclusão de curso), Guangdong University of Foreign Studies., Guangzhou, 2015.

Websites, blogs e jornais online

BBC BRAZIL. “Brasileiros imigram para a China em busca de trabalho”, 7 nov. 2002. Disponível em: < http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2002/021023_chinasapato.shtml >. Acesso em: 18 de novembro de 2019.

BRASIL EM MENTE. “Mapeamento de iniciativas pelo português como língua de herança pelo mundo”, 13 jul. 2016. Disponível em: < www.brasilemmente.org/pelo-mundo.html >. Acesso em: 18 de novembro de 2019.

BRASIL, Ministério das Relações Exteriores. (2015). "Portal Brasileiros no Mundo. Disponível em: < http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/a-comunidade/estimativas-populacionais-das-comunidades/estimativas-populacionais-brasileiras-mundo-2014/Estimativas-RCN2014.pdf >. Acesso em: 28 de maio de 2016.

CHINA ECONOMIC NEWS PORTAL. “裂变:中国制鞋业与世界鞋业的博弈 [Fissão: A competição entre a indústria chinesa e mundial de calçados]”. Disponível em: < http://intl.ce.cn/zgysj/200803/10/t20080310_14777401.shtml >, Acesso em: 27 de fevereiro de 2016.

CHINA REVIEW ACADEMIC PUBLISHERS NEWS PORTAL. “广东省外贸地理优势分析 [Uma análise sobre as vantagens da localização de Guangdong para fazer negócios no exterior]”. Nov 2013. Disponível em: < http://crntt.com/crn-webapp/cbspub/secDetail.jsp?bookid=33661&secid=33696 >. Acesso em: 25 de fevereiro de 2016.

DONGGUAN DAILY DIGITAL NEWSPAPER. “巴西村背后的-国际产业链漂移 [Por trás da comunidade brasileira: A transferência da cadeia internacional]”, 3 jul. 2011. Disponível em: . Acesso em: 04 de março de 2016.

EXAME. “O jeito for ir para lá”. Disponível em: < http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/920/noticias/o-jeito-foi-ir-para-la-m0161510 >. Acesso em: 06 de março de 2016.

G1, Globo. “Sem mercado no país, calçadista do RS vai para a China”, 03 maio 2009. Disponível em: < http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL1106916-9356,00-SEM+MERCADO+NO+PAIS+CALCADISTA+DO+RS+VAI+PARA+CHINA.html >. Acesso em: 06 de março de 2016.

JIN RONGJIE NEWS PORTAL. “巴西人在东莞 [Brasileiros em Dongguan]”, 01 dez. 2008. Disponível em: < http://finance.jrj.com.cn/biz/2008/12/0114032927864.shtml >. Acesso em: 04 de março de 2015.

MACAU HUB. “Around 2,000 Brazilians work in footwear industry in Dongguan, China”, 12 mar. 2007. Disponível em: < http://www.macauhub.com.mo/en/2007/03/12/2673/ >. Acesso em: 06 de junho de 2019.

MRE Itamaraty. “Portal Consular – Brasileiros no Mundo”. Disponível em: < http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/no-exterior/brasileiros-no-mundo >. Acesso em: 20 de fevereiro de 2020.

REVISTA MACAU. “A Culpa é do Sapato”, 29 mar. 2012. Disponível em: < http://www.revistamacau.com/2012/03/29/a-culpa-e-do-sapato/ >. Acesso em: 06 de março de 2016.

THE ECONOMIST. “Brazilians in China: Footloose capitalism China’s largest Brazilian community enjoys the benefits of globalization”, 11 set. 2011. Disponível em: < http://www.economist.com/node/12209081 >. Acesso em: 06 de março de 2016.




DOI: https://doi.org/10.35520/diadorim.2020.v22n1a32019

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Indexadores e bases bibliográfcias:
Google Scholar  LivRe  DRJI Base EZB  WorldCat Kubikat InfoGuide HNU 


Licença Creative Commons
A Revista Diadorim utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.