Léxico e identidades culturais: análise da toponímia indígena de natureza antropocultural no sertão de Quixeramobim

Elis Larisse Santos Gonçalves, Expedito Eloísio Ximenes

Resumo


Nomear é uma das primeiras atitudes humanas diante do mundo que nos cerca, tendo em vista que a linguagem atravessa a própria existência humana. Por meio da língua também organizamos nossa maneira de estar no mundo e de atuar sobre ele, o que nos faz pensar a língua como um componente da cultura, se esta é entendida de forma abrangente como sendo “todo um modo de vida” (WILLIAMS, 2015, p. 10). Por meio da língua podemos também compreender as práticas culturais e históricas de nossos antecessores, uma vez que práticas linguísticas que foram usuais em tempos que nos precederam também permeiam as relações sociais do presente, muitas modificadas em suas formas e sentidos, mas que nos ajudam a compreender as formas de organizações comunitárias do passado, como é o caso do objeto de estudo desta pesquisa – as toponímias. O campo de estudos toponímicos no Brasil se destacou a partir das pesquisas de Levy Cardoso (1961), ao estudar aspectos das formas de nomeações dos lugares, e seguiu seu desenvolvimento por meio dos estudos de pesquisadores como Drumond (1965) e Dick (1980) até o presente momento, em que estudiosos do país têm empreendido esforços na construção do projeto de Atlas Toponímico do Brasil (ATB). Nesse sentido, o presente trabalho objetiva analisar as toponímias indígenas da microrregião cearense do Sertão de Quixeramobim que são classificadas, de acordo com as balizas teórico-metodológicas de Dick (1990), como sendo de natureza antropocultural, ou seja, nomes de lugares que têm sua motivação denominativa relacionada a fatores culturais dos povos indígenas. Dessa forma, o corpus deste trabalho é composto de 03 topônimos da região supracitada. É importante ressaltar que nos atemos à motivação semântica desses topônimos, tecendo considerações acerca da relação entre o léxico toponímico e identidade cultural. Para isso, também utilizamos como aporte teórico Biderman (1998), Hall (2006) e Woodward (2014).


Palavras-chave


Léxico; Toponímias indígenas; cultura; natureza antropocultural; Sertão de Quixeramobim.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JUNIOR, D. M. de. A Invenção do Nordeste e outras artes. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ANTUNES, I. Território das palavras: estudo do léxico em sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

ARARIPE, T. de A. História da província do Ceará: dos tempos primitivos até 1850. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2002.

BIDERMAN, M. T. C. A estruturação do léxico e a organização do conhecimento. Letras Hoje, Porto Alegre: PUCRS, v.22, n.4, p.81-96, dez. 1987.

BIDERMAN, M. T. C. Dimensões da Palavra. Filologia e Linguística Portuguesa. Araraquara, SP, UNESP, n. 2, p. 81-118, 1998.

BRÍGIDO, J. Algumas Etymologias. Revista do Instituto do Ceará, Ano 1, 1902.

DICK, M. V. de P. do A. A motivação toponímica. Princípios teóricos e modelos taxionômicos. Tese (Doutorado em Semiótica e Linguística Geral) – Programa de Pós-Graduação em Semiótica e Linguística Geral, Universidade de São Paulo, FFLCH-USP, 1980.

DICK, M. V. de P. do A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 1990.

DICK, M. V. de P. do A. Os vocabulários toponímicos básicos no “vocabulário da língua basílica” e sua relação geográfica. Rev. Instituto de Estatística do Brasil, SP, n. 31, p. 95-111, 1990.

DICK, M. V. de P. do A. A dinâmica dos nomes na cidade de São Paulo (1554-1897). São Paulo: Annablume, 1997.

DICK, M. V. de P. do A. Toponímia e Cultura. Rev. Inst. Est. Bras., São Paulo, n.27, p. 93-101, 1987.

DICK, M. V. de P. do A. Rede de conhecimento e campo lexical: hidrônimos e hidrotopônimos na onomástica brasileira. In: ISQUERDO, A. N.; KRIEGER, M. da G. (Orgs.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. v. 2, p. 121-130. Campo Grande: UFMS, 2004.

FRANCISQUINI, I. de A. O nome do lugar: uma proposta de estudos toponímicos da microrregião de Paranaval. 1998. 255 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, 1998.

FREITAS, A. C. de. As identidades do Brasil: buscando as identificações ou afirmando as diferenças? In: RAJAGOPALAN, K.; FERREIRA, D. M. M. (Orgs). Políticas em linguagem: perspectivas identitárias. São Paulo: Mackenzie, 2006.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALL, S. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mapas político-administrativos estaduais. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Ceará em mapas: Informações georreferenciadas e espacializadas para os 184 municípios cearenses. 2019. Disponível em: Acesso em 05 fev. 2019.

MARCUSCHI, L. A. O léxico: lista, rede, ou cognição social? In: NEGRI, Lígia (Org.). Sentido e significação em torno na obra de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2015.

MARTELOTTA, M. E. (Org.). Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2015.

NAVARRO, E. de A. Tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global, 2013.

NOGUEIRA, P. Vocabulário Indígena em uso na Província do Ceará, com explicações, Etymologicas, Orthographicas, Topographicas, Históricas, Therapeuticas, etc. Revista do Instituto do Ceará, Ano 1, 1987.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

PINHEIRO, F. J. Mundos em Confrontos: povos nativos e europeus na disputa pelo território. In: SOUSA, S. (Org.). Uma nova história do Ceará. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2000.

POMPEU SOBRINHO, T. Etymologia de algumas palavras indígenas. Revista do Instituto do Ceará, ano 33, 1919.

RODRIGUES, A. V. Todo dia é dia de índio: quais são os povos indígenas do Ceará? Fortaleza: Governo do Estado do Ceará, 2019. Disponível em: . Acesso em 7 mar. 2020.

SAMPAIO, T. Da evolução histórica do vocabulário geográfico do Brasil. Revista do Instituto do Ceará. Ano 16, 1902.

STUDART FILHO, C. S. Aborígenes do Ceará. In: MARTINS FILHO, A.; GIRÃO, R. (Orgs.). O Ceará. 3. ed. Fortaleza: Instituto do Ceará, 1966.

SERAINE, F. Contribuição à toponímia cearense. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, v. 60, p. 254-276, 1946.

______. Contribuição à toponímia cearense (continuação). Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, v. 61, p. 216-235, 1947.

SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

SOUSA, A. M. Desbravando a Amazônia ocidental: estudo toponímico de acidentes geográficos humanos e físicos do Acre. 2007. 122 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

SOUSA, J. B. Quixadá de fazenda a cidade 1755-1955. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Estatística-CNE, 1960.

TIBIRIÇÁ. L. C. Dicionário de topônimos brasileiros de origem tupi. São Paulo: Traço, 1985.

WILLIAMS, R. Recursos da esperança: Cultura, democracia, socialismo. Tradução Nair Fonseca, João Alexandre Peschanski. São Paulo: UNESP, 2015.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tradução Tomaz Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.




DOI: https://doi.org/10.35520/diadorim.2020.v22n2a33548

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Indexadores e bases bibliográfcias:
Google Scholar  LivRe  DRJI Base EZB  WorldCat Kubikat InfoGuide HNU 


Licença Creative Commons
A Revista Diadorim utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.