Polifonia e modalização na Tradição Discursiva “Aviso de cobrança” nos jornais do século XIX

Roseane Batista Feitosa Nicolau

Resumo


O objetivo deste artigo éanalisar a polifonia e a modalização no aviso de cobrança presente no jornal do Brasil do século XIX, recursos que favorecem na consolidação do gênero como uma tradição discursiva de interação comercial e oficial. Para esse trabalho, nos servimos dos pressupostos teóricos do modelo da Tradição Discursiva (KABATEK, 2005, LOPES, 2011, entre outros) e da Teoria da argumentação (DUCROT, 1984: 1988), dentre outros, que tratam da polifonia e da modalização. Tivemos como corpus a escolha de 05 avisos de cobrança coletados nos jornais, presentes nos acervos da Casa Fundação José Américo, João Pessoa, PB. A polifonia e a modalização, nos avisos de cobrança, são recursos linguísticos e argumentativos que contribuem para que as relações estabelecidas entre os credores e devedores se realizem de maneira cordial e/ou ameaçadora, neste gênero. Apontamos como resultado desta pesquisa que há, no aviso de cobrança, um locutor que pede e, ao mesmo tempo cobra, ou seja, há vozes que se justapõem. E isto pode ser atestado pela constante coocorrência da modalização deôntica volitiva e de obrigatoriedade, sobretudo no aviso de cobrança comercial. Entretanto, a voz que se sobressai é a voz da cobrança, ou seja, a real intenção do locutor, objetivo do gênero e desta Tradição Discursiva. 


Palavras-chave


Tradição discursiva; Avisos de cobrança; Polifonia; Modalização.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLOTTO, Heloísa Liberall. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002.

BOTTA, Mariana Giacomin. A imprensa pioneira em língua portuguesa e os gêneros jornalísticos no século XVIII. Disponível em . Acesso em 03 de set. de 2017.

CASTILHO, Ataliba. Teixeira de; CASTILHO, Célia Maria Moraes de. Advérbios modalizadores. In: ILARI, Rodolfo (Org.). Gramática do português falado. Vol. 2. 2 ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

DUCROT, Oswald. Enunciação. Enciclopédia Einaudi. Vol. 2. Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1984.

______. O dizer e o dito. Revisão técnica da tradução de Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 1987.

______. Polifonia y Argumentación: Conferencias del Seminario Teoria de la Argumentación y Análisis del Discurso. Cali: Universidad del Valle, 1988.

FONSECA, Maria Cristina de Assis Pinto. A escrita oficial: manuscritos paraibanos dos séculos XYIII e XIX. Recife: Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPE, 2006.

GUEDES, Marymarcia; BERLINCK, Rosane de Andrade. E os preços eram commodos... anúncios de jornais brasileiros do século XIX. São Paulo, Humanitas/FFLCH/USP, 2000.

KABATEK, Johannes. Tradições discursivas e mudança lingüística. In: LOBO, Tânia; RIBEIRO, Ilzel; CARNEIRO, Zenaide; ALMEIDA, Norma. (Orgs). Para a História do Português Brasileiro. Vol. 7. Salvador, BA EDUFBA, 2006.

______. Sobre a historicidade dos textos. Trad. José da Silva Simões. Revista Linha d’água. São Paulo: DLCV-FFLCH-USP, 2004, n. 17, p. 160-167. Disponível em: . Acesso em 15 set. 2016.

KOCH, Ingedore G. Villaça. Argumentação e Linguagem. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1999.

______. A Interação pela Linguagem. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2000.

KOCH, Peter. Diskurstraditionen: zu ihrem sprachtheoretischen Status und ihrer Dynamik. In: FRANK, B.; HAYE, T.; TOPHINKE, D. (Ed.). Gattungen mittelalterlicher Schriftlichkeit. Tübingen: Narr, 1997. Tradução não publicada de Alessandra Castilho da Costa.

LOPES, Célia Regina dos Santos. (Org). A norma Brasileira em Construção: fatos linguísticos em cartas pessoais do século XIX. Rio de Janeiro: UFRJ, Pós-Graduação em Letras Vernáculas, 2005.

______. Tradição Discursiva e Mudança no Sistema de tratamento do Português Brasileiro: Definindo Perfis Comportamentais No Início Do Século XX. Disponível em . Acesso em 02 de set. de 2017.

NASCIMENTO, Erivaldo Pereira do. A modalização como estratégia argumentativa: da proposição ao texto. Anais do Congresso Internacional da ABRALIN. João Pessoa: Editora Idéia, 2009.p. 1369-1376.

______. A modalização deôntica e suas peculiaridades semântico-pragmáticas. Disponível em . Acesso em 10 de junho de 2017.

NASCIMENTO, Erivaldo Pereira do; SILVA, Joseli Maria da. O fenômeno da modalização: estratégia semântico-argumentativa e pragmática. In: NASCIMENTO, E. P. do. A argumentação na redação comercial e oficial: estratégias semântico-discursivas em gêneros formulaicos. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2012.

NEVES, Maria Helena de Moura. A modalidade. In: KOCH, Ingedore G. Villaça (Org.) Gramática do português falado VI - Desenvolvimentos. Campinas: Ed. da Unicamp, Fapesp, 1996.

NICOLAU. Roseane B. Feitosa. “.... queirao ter a bondade satisfazerem seus débitos”: Tradição Discursiva e Modalização nos Avisos e nas Cartas de Cobranças dos Jornais do século XIX . XVII Congreso Internacional Asociación de Lingüística y Filología de América Latina (ALFAL 2014). João Pessoa - Paraíba, Brasil. Disponível em . Acesso em 20 jul. de 2017.

PERELMAN, Chaim; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação – A Nova Retórica. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1996.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v4i1.17492

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.