O papel das TDs em cartas na caracterização do sistema de relativização do PE nos séculos XVII e XVIII

Bianca Graziela Souza Gomes da Silva

Resumo


Este artigo apresenta um estudo das estratégias de relativização no português europeu em cartas dos séculos XVII e XVIII, buscando analisar o papel das tradições discursivas em construções relativas padrão de sintagma preposicionado no contexto geral dos dados. As cartas em questão são do Padre Antônio Vieira, século XVII, e do Marquês do Lavradio, século XVIII, portugueses em cuja escrita foram detectadas estruturas relativas padrão de PP (sintagma preposicionado). Assim, buscaremos mostrar até que ponto as estruturas formulaicas detectadas em suas cartas inflacionam o resultado das relativas padrão de PP em relação às suas concorrentes de sintagma preposicionado – a cortadora e a copiadora. Depois de analisados os dados, verificou-se que as estruturas relativas de sintagma preposicionado dos portugueses em questão eram, em grande parte, formas fixas representativas das partes introdutória e de despedida do gênero carta.


Palavras-chave


Relativas; PE; Cartas; Construções Formulaicas; Tradições Discursivas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARIM, Eva; RAMILO, Maria Celeste; FREITAS, Tiago. Estratégias de relativização nos meios de comunicação social portugueses, 2005. Disponível em: http://www.iltec.pt/pdf/wpapers2005-redip-relativas.pdf. Acesso em: 19 jan 2008

AZEREDO, José Carlos. Fundamentos de Gramática do Português. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

AZEREDO, José Carlos. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Houaiss/ PUBLIFOLHA; redigida de acordo com a nova ortografia, 2010.

BISPO, Edvaldo Balduino. Estratégias de relativização no português do Brasil: caso da cortadora. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

BYBEE, Joan. Mechanisms of change in grammaticization: the role of frequency. In: JOSEPH, B.; JANDA, R.D. (Eds.). The Handbook of historical linguistics. Blackwell PPublishing Ltda, 2003.

BYBEE, Joan; HOPPER, Paul J. Frequency and the emergence of linguistic structure. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins, 2001.

BYBEE, Joan. Language, Usage and cognition. Cambridge: New York, USA, 2010.

CASTILHO, Ataliba Teixeira. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

COMPANY, Concepción. Gramaticalización, gênero discursivo y otras variables en La difusión Del cambio sintáctico (mimeo) 2002.

CORRÊA, Vilma Reche. Oração Relativa: O que se fala e o que se aprende no português do Brasil. Tese (Doutorado em Linguística). Unicamp, Campinas, 1998.

GOUVÊA, Lucia Helena Martins. Construções relativas na escrita padrão. In: Anais do VIII Congresso da Associação de Estudos da Linguagem do Rio de Janeiro, 1999. v. único, p. 737-745.

KABATEK, Johannes. Tradiciones discursivas e mudanças linguísticas. In: LOBO, Tânia; RIBEIRO, Ilza; CARNEIRO, Zenaide; ALMEIDA, Norma (Eds.). Para a história do português brasileiro: novos dados, novas análises. Salvador: EDUFBA, 2006.

KABATEK, Johannes. (Ed). Sintaxis histórica Del español y cambio lingüístico: nuevas perspectivas desde lãs Tradiciones Discursivas. Madrid/Frankfurt: Iberoamericane/Vervuert, 2008.

KATO, Mary. Recontando a história das relativas em uma perspectiva paramétrica. In: ROBERT, Iam; KATO, Mary (Orgs.). Português Brasileiro: Uma viagem diacrônica. Campinas: Ed. da Unicamp, 1993.

KATO, Mary. Orações relativas: variação universal e variação individual no português. In: Estudos linguísticos, 1981. v. 5, p. 1-16.

KENEDY, Eduardo. A Antinaturalidade de Pied-piping em orações relativas. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

KURY, Adriano da Gama. Novas lições de análise sintática. São Paulo: Ed. Ática, 2002.

LESSA-DE-OLIVEIRA, Adriana Stella Cardoso. Dados de mudança no sistema de relativização em português brasileiro. In: Estudos Linguísticos, 2006. XXXV, p. 224-233.

MARCOTULIO, Leonardo Lennertz. A preservação das faces e a construção da imagem no discurso político do marquês do Lavradio: as formas de tratamento como estratégias de atenuação da polidez lingüística. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

MATEUS, Maria Helena Mira et alii. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, 2003.

MOLLICA, Maria Cecília. Estudo da cópia nas construções relativas em português. Dissertação (Mestrado em Letras). Pontifícia - Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1977.

MOLLICA, Maria Cecília. Relativas em tempo real no português brasileiro contemporâneo. In.: PAIVA, Maria da Conceição de.; DUARTE, Maria Eugênia Lammoglia (Orgs.) Mudança linguística em tempo real. Rio de janeiro: Contracapa/FAPERJ, 2003. p. 129-138.

SILVA, Bianca Graziela Souza Gomes da. O caminhão que eu trabalhava com ele subia qualquer ladeira: um estudo sobre a gramaticalização do que. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

SILVA, Bianca Graziela Souza Gomes da. As estratégias de relativização na escrita de portugueses nos séculos XVI, XVII e XVIII. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

TARALLO, Fernando. Tempos Lingüísticos: Itinerário histórico da língua portuguesa. São Paulo: Ed. Ática, 1994.

TARALLO, Fernando. Relativization Strategies in Brazilian Portuguese. Tese (Doutorado). University of Pennsylvania, Pennsylvania, Philadelphia, 1983.

VAREJÃO, Filomena. Variação em estruturas de concordância verbal e em estratégias de relativização no português europeu popular. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006a.

VAREJÃO, Filomena. O uso variável das orações relativas no português europeu. In: Cadernos do CNFL, v. VII, n. 11, 2006b. Disponível em: http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno11-11.html.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5iespecial.24407

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.