Nada a declarar: as Atas da Câmara de Jundiaí de 1663 a 1669

Kathlin Carla Morais

Resumo


O códice Atas de Jundiaí de 1663 a 1669 está depositado no Centro de Memória da cidade e é o mais antigo de sua tipologia de que se tem notícia. As atas podem ser divididas em dois grandes conjuntos, a saber: (a) quando o procurador da vila tem algo a requerer e (b) quando o procurador da vila não tem nada a requerer. No primeiro caso, temos 27 documentos e no segundo, 36, totalizando 63 atas. Levando em consideração a inexistência de trabalhos que versem sobre a temática ‘nada a requerer em atas do século XVII’, o objetivo principal do presente artigo é apresentar documentos que comprovam uma rotina administrativa que se dava na região de Jundiaí de maneira regular, mas que não necessariamente se passava em outras vilas durante o mesmo período.

Palavras-chave


Jundiaí; Atas; Século XVII; Nada a declarar

Texto completo:

PDF

Referências


CAMBRAIA, César Nardelli. Introdução à Crítica Textual. São Paulo: Martins Fontes. 2005.

FERREIRA, Andrea Hitos. Atas da vereança de Mogi das Cruzes do século XVII (1612 a 1692): edição semidiplomática, glossário e descrição dos manuscritos. Dissertação de Mestrado, FFLCH, USP, inédita.

FERREIRA, Andrea Hitos; MORAIS, Kathlin Carla de; KEWITZ, Verena. Revisão das Atas de Vereança de Mogi das Cruzes (1612-1650). São Paulo, São Paulo, Pesquisa de Iniciação Científica, FFLCH, USP, 2015. Disponível em: http://phpp.fflch.usp.br/corpus. Acesso em 21 abril 2019.

JUBRAN, Clélia Cândida S. Tópico discursivo. In JUBRAN, C. ; KOCH, I. (Orgs.) Gramática do Português Culto Falado no Brasil: A construção do texto falado. Campinas: Editora da Unicamp, 2006. p. 89-132.

KEWITZ, Verena; MORAIS, Kathlin Carla de. Manuscritos produzidos em Jundiaí: uma contribuição à formação de corpora do Português Paulista. In Simões, J.S. (Org.) História do Português Paulista, Série Estudos, Vol. 5. São Paulo: Humanitas, 2019. p. 71-97.

KEWITZ, Verena; MORAIS, Kathlin Carla de. As macroestruturas de atas da câmara do XVII: estudo comparativo das Tradições Discursivas em documentos de Jundiai e Mogi das Cruzes. In Segundo-Gonçalves, P.R.; Berlinck, R. (Orgs.) História do Português Paulista, Série Estudos, Vol. 6, no prelo.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. Volume II: primeiros estudos. São Paulo: Humanitas, 2 tomos, 2001.

MORAIS, Kathlin Carla de. Edição semidiplomática do Livro de Atas da Câmara de Jundiaí de 1663 a 1669. São Paulo, Pesquisa de Iniciação Científica, FFLCH, USP. 2014. Disponível em: http://phpp.fflch.usp.br/corpus. Acesso em 21 abril 2019.

SANTIAGO-ALMEIDA, Manoel Mourivaldo. Os manuscritos e impressos antigos: a via filológica. In: Gil, B.; Cardoso, E.; Condé, V. (Orgs.) Modelos de Análise Linguística. São Paulo: Contexto, 2009. p. 2/23-234.

Fonte documental

Atas de Jundiaí de 1663 a 1669 - Centro de Memória de Jundiaí.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i1.25019

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.