Análise filológica e histórica do Acervo Família Benjamin Constant

Catarina da Silva Romeiro, Ana Beatriz Resende de Oliveira

Resumo


A pesquisa filológica realizada é uma das etapas do Projeto “Posição do sujeito e estrutura informacional da sentença na história do Português Brasileiro”, que tem como principal objetivo analisar a sintaxe da posição do sujeito. Esta etapa consiste da reunião de documentos, através de sua digitalização por meio de fotografia, transcrição e edição dos mesmos, para compor o Corpus do Laboratório de História da Língua (HistLing). Os documentos são compostos por cartas pessoais trocadas entre os familiares de Benjamin Constant da segunda metade do século XIX até o início do século XX. Essas cartas fazem parte do acervo de documentos do Fundo Família Benjamin Constant, disponibilizado pelo Museu Casa Benjamin Constant, situado no bairro de Santa Teresa no Rio de Janeiro e que está sob os cuidados do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). 

Palavras-chave


Filologia. Linguística histórica. Cartas pessoais. Sintaxe da língua portuguesa. Posição verbo-sujeito

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMINA NACIONAL DE MEDICINA.Claudio Luis da Costa. Disponível em: http://www.anm.org.br/conteudo_view.asp?id=1740&descricao=Cl%C3%A1udio+Luiz+da+Costa. Acesso em 28 de abr de 2019.

CAMBRAIA, C. N. Introdução à Crítica Textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CASTRO, C.; BEVILACQUA, J.. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/BEVILACQUA,%20Jos%C3%A9.pdf. Acesso em 28 de abr de 2019.

CASTRO, I. Enquanto os escritores escrevem… In: Atas do IX Congresso Internacional da Associação de Linguística e Filologia da América Latina. Campinas: UNICAMP, 1992. v. 1,p. 65-91.

CARVALHO, J.M. As Forças Armadas na Primeira República: O poder desestabilizador. In: FAUSTO, B.(Org.). História Geral da Civilização Brasileira, tomo III, vol.2., São Paulo, DIFEL, 1977.

CAVALCANTE, S.R.O. Posição do sujeito e estrutura informacional da sentença. Projeto de pesquisa apresentado ao CNPq. 2016.

INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/o-ibc. Acesso em 27 de abr 2019.

LEMOS, R. L. C. N. Benjamin Constant: biografia e explicação histórica. Revista Estudos Históricos, v.10, nº19, 1997.

LEMOS, R.L.C.N. Cartas da Guerra – Benjamin Constant na Guerra do Paraguai. 1.ed. Rio de Janeiro: IPHAN, 1999.v.1. p. 220.

LOPES, C. R. S. et all. Olhares sobre o português medieval: Filologia, História e Língua. 1. ed. Rio de Janeiro: Vermelho Marinho, 2017.

MARCOTULIO, L. L. Língua e história: o 2º marquês de Lavradio e as estratégias lingüísticas da escrita no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Ítaca, 2010.

MUSEU CASA BENJAMIN CONSTANT – IBRAM, do Ministério da Cultura (MinC). Fundo Família Benjamin Constant. Requerimento: no 003/2019.

MUSEU CASA BENJAMIN CONSTANT. As filhas de Benjamin Constant. Disponível em: http://museubenjaminconstant.blogspot.com/2017/06/as-filhas-de-benjamin-constant.html. Acesso em 28 de abr de 2019.

MUSEU CASA BENJAMIN CONSTANT. Uma história do Museu casa de Maria Joaquina. Disponível em: http://museubenjaminconstant.blogspot.com/2017/06/uma-historia-do-museu-casa-de-maria.html. Acesso em 28 de abr de 2019.

QUEIROZ, E.; CARRILHO, E. S.; LOPES, M. F. B. Museu Casa de Benjamin Constant. 1. ed. Brasília: IBRAM, 2015.

PROJETO para a História do Português Brasileiro (PHPB). Normas de transcrição e de documentos manuscritos e impressos. 2010. Disponível em: https://sites.google.com/site/corporaphpb/home/normas-de-edicao-do-phpb-2a-versao. . Acesso: 21 de out de 2019.

THOMAZ, D. S. “A colocação pronominal em cartas pessoais da Família Pedreira Ferraz – Abreu Magalhães: Um caso de competição de gramáticas”. Tese (Mestrado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i2.25039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.