O léxico agropastoril no corpus do Tesouro do Léxico Patrimonial Galego e Português

Marcelo Pires Dias

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar um estudo comparativo de acepções de variantes léxicas presentes no Brasil e as variantes registradas no Português Europeu e no Galego. Para realizar o levantamento de variantes, partimos do uso da ferramenta eletrônica pertencente ao projeto Tesouro do Léxico Patrimonial Galego e Português (ÁLVAREZ, 2017), ferramenta esta que nos permite consultar variantes e lemas de obras de cunho dialetal e lexicográfico. Tomaremos como base para este estudo sete itens lexicais pertencentes ao campo semântico da agricultura/atividades agropastoris, a saber: angu, canga, espiga, moringa, paneiro, penca e sabugo. O mapeamento dessas variantes visa observar o status das acepções, se são comuns ou distantes nos três territórios (Brasil, Portugal e Galícia).


Palavras-chave


Dialetologia. Léxico. Tesouro. Variação. Agropastoril.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVAREZ, Rosario. Notas lingüísticas e etnográficas de Ramirás. Memoria de Licenciatura, Universidade de Santiago de Compostela, 1974.

ÁLVAREZ DE LA GRANJA, María; NEGRO ROMERO, Marta. O processo de lematização no Tesouro do léxico patrimonial galego e português. In: ALTINO, Fabiane Cristina; MILANI, Gleidy Aparecida Lima; RODRIGUES, Rosa Evangelina Santana Belli. (Coords.). Anais do III CIDS: Congresso Internacional de Dialetologia e Sociolinguística. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2015.

ÁLVAREZ, Rosario. (Coord.). Tesouro do léxico patrimonial galego e portugués. Santiago de Compostela, Instituto da Lingua Galega. Disponível em: . Acesso em: 11 de nov. de 2017.

ARAGÃO, Maria do Socorro Silva de; MENEZES, Cleusa Bezerra de. Atlas lingüístico da Paraíba. Brasília: UFPB; CNPq, Coordenação Editorial, 1984.

ARAÚJO GARCÍA, Teresa et al. Vilariño de Conso: paisaxe e tradición. Ourense, Deputación Provincial, 2006.

AULETE, Caldas. Aulete Digital: dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexicon, 2012. Disponível: em Acesso em 16 de ago. de 2019.

BAPTISTA, Cândida da Saudade Costa. O falar da Escusa. Dissertação de Licenciatura. Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1967.

BAPTISTA, Maria de Fátima Freitas. Ilha do Faial (Açores). Contribuição para o estudo da sua linguagem, etnografia e folclore. Dissertação de Licenciatura. Universidade de Coimbra, Coimbra, 1970.

BRAGA, Franklim Costa. Quadrazais. Etnografia e Linguagem. Dissertação de Licenciatura. Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1971.

CALDEIRA, Maria Arlete Fernandes. O falar dos pescadores de Sines. (Notas etnográficas, linguísticas e folclóricas). Dissertação de Licenciatura. Universidade de Lisboa, Lisboa 1959-60.

CARVALHO, Maria Filomena de Andrade Saraiva de. Linguagem e folclore do concelho da Mêda (distrito da Guarda). Algumas notas sobre a linguagem da mulher. Dissertação de Licenciatura em Filologia Românica. Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1974.

CASTRO CASTEDO, Xosé Manuel. O galego en Queizán (O Corgo). Memoria de Licenciatura, Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 1986.

CASTRO IGLESIAS, David Francisco. O noso idioma galego ancestral. 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 de nov. de 2017.

COROMINAS, Joan. Diccionario Etimológico de la Lengua Castellana. Madrid: Editorial Gredos, 1987.

CORRÊA, Lucelino Rondon. Glossário Pantaneiro. Campo Grande-MS: Ed. UNIDERP, 2001.

DIAS, Marcelo Pires. Banco de Dados do Atlas Geossociolinguístico Quilombola do Nordeste do Pará (AGQUINPA). Santiago de Compostela, Instituto da Lingua Galega, 2015.

DRAG/DICIONARIO DA REAL ACADEMIA GALEGA. Dicionario da Real Academia Galega. A Coruña: Fundación Barrié, 2012. Disponível em: < https://academia.gal/dicionario> Acesso em 15 de ago. de 2019.

LINO, Fádua Maria Moisés. Aspectos linguísticos da fala de Cândido de Abreu: um estudo geosociolinguístico. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Letras, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2000.

LOPES, Nei. Novo Dicionário Bantu. 2a edição. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

LÓPEZ FACAL, Susana. Notas etnolingüísticas de Toba (Cee). Verba 2, 237-293, edición de Id. (1968): Fala e cousas de Toba. Memoria de licenciatura, Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 1975.

LÓPEZ FERNÁNDEZ, Jesús. Vocabulario de Novefontes. Contribución a un estudio lingüístico. Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 1969.

LOUREDO RODRÍGUEZ, Eduardo. Contribución ao estudo da variación léxica no concello de Leiro. Traballo Académico Dirixido. Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 2012.

MATOS, Alessandra Vasconcellos. Vocabulário Semi-sistemático da terminologia do Caranguejo. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Letras, Universidade Federal do Pará, Belém, 2001.

NETTO, Maria Teresa de Mendonça Lino. A linguagem dos pescadores e lavradores do concelho de Vila do Conde. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1945, [ed. id. (1949): A linguagem dos pescadores e lavradores do concelho de Vila do Conde, Separata de Revista Portuguesa de Filologia, vols. I e II].

NUNES, João da Cruz. Os falares da Calheta, Arco da Calheta, Paúl do Mar e Jardim do Mar. Dissertação deMestrado. Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa 1965.

PEREIRA, Maria Palmira da Silva. Fafe. Contribuição para o estudo da linguagem, etnografia e folclore do concelho. Dissertação deMestrado. Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1949. [ed. id. (1952) Fafe. Contribuição para o estudo da linguagem, etnografia e folclore do concelho, Separata de Revista Portuguesa de Filologia, vols. III, IV e V].

PIZOLATO, Tania Mara de Podestá. Esboço de um atlas lingüístico de Centenário do Sul. Monografia de Especialização em Língua Portuguesa. Faculdade de Letras, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 1997.

REZENDE, Maria Ângela Leotte. Canhas e Câmara de Lobos. Estudo etnográfico e lingüístico. Dissertação de Licenciatura. Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1961.

ROMANO, Valter Pereira. Atlas geossociolinguístico de Londrina: um estudo em tempo real e tempo aparente. Dissertação de Mestrado em Estudos da linguagem. Faculdade de Letras, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

SALGUEIRO, Mariana de Lourdes. Contribuição para um estudo linguístico-etnográfico de quatro aldeias: S. Mamede de Riba-Tua, Safres, Amieiro e Franzilhal, pertencentes ao concelho de Alijó. Dissertação de Licenciatura em Filologia Românica. Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1945.

SILVA, Maria Celeste Lopes dos Reis Marques da. Vila Nova de Ourém. Contribuição para o estudo linguístico, etnográfico e folclórico do concelho. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1972.

TABOADA, Manuel. Vocabulario y notas folclóricas de la Mezquita. Memoria de Licenciatura, Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 1971.

TONIOLO, Ennio José. Vocabulário de Tibagi. Fundação Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana, Apucarana 1981.

VIEIRA, Carolina Lucília da Silva. A olaria no distrito de Braga. Estudo linguístico-etnográfico. Dissertação deMestrado. Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, 1960.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5iEspecial2.26788

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.