Questões diacrônicas das Ciências do Léxico: a dicionarização de brasileirismos no campo semântico da fauna e flora

Manoel Messias Alves da Silva, Luana Vitoriano

Resumo


Os estudos diacrônicos sobre o léxico possibilitam compreender a complexa relação entre língua, cultura, história e memória de um determinado povo. Tendo por base o enfoque temático dos “brasileirismos” na língua portuguesa e com o fim de estabelecer uma análise diacrônica do léxico definimos por objetivos: a) realizar uma explanação teórica sobre as questões diacrônicas nos estudos do léxico; b) discorrer sobre as origens do campo lexical relacionado à fauna e à flora; c) investigar os modos como essas (não) mudanças linguísticas estão atreladas ao contexto sociocultural do país. Nessa conjuntura, desenvolvemos uma pesquisa documental e comparativa sobre os verbetes selecionados para análise, de modo que os aspectos metodológicos versam sobre quatro aspectos gerais: i) seleção de corpora: seis dicionários; ii) definição temática do corpus: campo semântico relacionado à fauna e à flora brasileira; iii) recorte do corpus: investigação de cinco vocábulos do campo semântico selecionado em corpora; iv) prática analítica: contraste entre os vocábulos (aspectos semânticos e morfológicos). Para tanto, embasamo-nos nas perspectivas teóricas da Lexicologia e da Lexicografia (diacrônicas), em especial, nas contribuições de Krieger (2010) e Murakawa (2010).


Palavras-chave


Lexicologia. Mudanças linguísticas. Língua portuguesa. Brasileirismos. Diacronia.

Texto completo:

PDF

Referências


AULETE, F. J. de C. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa (7 ed.). Rio de Janeiro: Delta, 1980. Disponível em: http://www.aulete.com.br/. Acesso em: 13 nov. 2016.

BALDINI, L. J. S. A nomenclatura gramatical brasileira interpretada, definida, comentada e exemplificada. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1999.

BIBLIOTECA BRASILIANA GUITA E JOSÉ MINDLIN. [S.l.: s.n.]. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/dicionario. Acesso em: 13 nov. 2016.

BIDERMAN, M. T. C. A formação e a consolidação da norma lexical e lexicográfica no português do Brasil. In: NUNES, J. H.; PETTER, M. M. T. História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro. São Paulo: Humanitas; Campinas: Pontes Editores, 2002.

BIDERMAN, M. T. C. Dicionário e léxico do português brasileiro. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2001.

BLUTEAU, R. Vocabulario Portuguez e Latino. Lisboa, LX: Officina de Pascoal da Sylva, 1712. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/1. Acesso em: 13 nov. 2016.

CASTRO, R. C. de. Interface morfologia e sintaxe em Tenetehára. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/ALDR-797JYN. Acesso em 28 jan. 2017.

COSTA, F. A. P. da. Vocabulário pernambucano. Revista do instituto arqueológico, histórico e geográfico pernambucano, p. 159-162, 1937.

DICIONÁRIO E GRAMÁTICA. [S.l.: s.n.]. Disponível em: https://dicionarioegramatica.com.br/2015/09/29/qual-foi-o-primeiro-dicionario-da-lingua-portuguesa/. Acesso em: 13 out. 2016.

DICIONÁRIO ILUSTRADO TUPI-GUARANI. [S.l.: s.n.]. Disponível em: http://www.dicionariotupiguarani.com.br/. Acesso em: 13 out. 2016.

DICIONÁRIO INDÍGENA. [S.l.: s.n.]. Disponível em: http://dicionarioindigena.blogspot.com.br/. Acesso em: 13 out. 2016.

DICIONÁRIO INFORMAL. [S.l.: s.n.]. Disponível em: https://www.dicionarioinformal.com.br/. Acesso em: 13 out. 2016.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

FIGUEIREDO, C. Novo Diccionário da Língua Portuguesa Candido de Figueiredo. Disponível em: http://www.dicionario-aberto.net/dict.pdf. Acesso em: 13 out. 2016.

FREIRE, L. Grande e novíssimo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio de Oliveira, 1957.

GARCIA, R. Diccionario de brasileirismos: peculiaridades pernambucanas. Recife: Imprensa Nacional, 1915.

GOMES, D. M. Estudo morfológico e sintático da língua Mundurukú (Tupí). Tese (Doutorado em Linguística). Universidade de Brasília. Brasília, 2006.

HAENSCH, G. Tipología de las obras lexicográficas. In: HAENSCH, G.; WOLF, L.; ETTINGER, S.; WERNER, R. La lexicografía – de la linguística teórica a la lexicografía práctica. Madrid: Gredos, 1982. p. 95-187.

KRIEGER, M. da G. Lexicologia e lexicografia diacrônicas: qual o papel desse tipo de pesquisa? In: ISQUERDO, A. N.; BARROS, L. A. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: Editora da UFMS, 2010. p. 135-154.

LAROCA, M. N. de C. Manual de morfologia do português. Campinas: Pontes Editora, 1994.

MAGALHÃES, M. M. S. Sobre a morfologia e a sintaxe da língua Guajá (FamíliaTupí-Guaraní). Tese (Doutorado em Linguística). Universidade de Brasília. Brasília, 2007.

MAIA, M. et al. Comparação de aspectos da gramática em línguas indígenas brasileiras. DELTA: Documentação de estudos em Lingüística teórica e aplicada, v. 14, n. 2, p. 349-375, 1998.

MATTHEWS, P. H. Morphology: an introduction to the theory of word-structure. Cambridge: University Press, 1974.

MURAKAWA, C. de A. A. Dicionário histórico do português do Brasil: problemas e soluções. In: ISQUERDO, A. N.; BARROS, L. A. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: Editora da UFMS, 2010. p. 237-253.

MURAKAWA, C. de A. A. Lexicografia e História: o Dicionário Histórico do Português do Brasil – séculos XVI, XVII E XVIII. In: ALVES, I. M. et al. Os estudos lexicais em diferentes perspectivas. São Paulo: Editora da FFLCH/USP, 2009.

NASCENTES, A. O linguajar carioca. Rio de Janeiro: Edição da Organização Simões, 1953.

NEVES, M. H. de M. A gramática passada a limpo: conceitos, análises e parâmetros. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

PORTAL DA PALAVRA. iDicionário Aulete. [S.l.: s.n.]. Disponível em: http://www.portaldapalavra.com.br/o_que_e.php. Acesso em: 13 out. 2016.

PRIBERAM. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. [S.l.: s.n.]. Disponível em: https://www.priberam.pt/dlpo/. Acesso em: 13 out. 2016.

RODRIGUES, A. D. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

SAMPAIO, T. O tupi na geographia nacional. Glossario paraense; ou, Collecção de vocabulos peculiares á Amazonia e especialmente á ilha do Marajó, por Vicente Chermont de Miranda. Pará, Livraria Maranhense, 1905 [i.e. 1906].

SEKI, L. Gramática do kamaiurá: Língua tupí-guaraní do alto Xingu. Campinas: Editora da Unicamp, 2000.

SILVA NETO, S. da. Introdução ao estudo de língua portuguêsa no Brasil. Rio de Janeiro: Presença, 1976.

SILVA, A. de M. Diccionario da Lingua Portugueza. [S.l.: s.n.]. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/2. Acesso em: 13 out. 2016.

SILVA, M. C. P. da. Para uma tipologia geral de obras lexicográficas. In: OLIVEIRA, A. M. P. P. de; ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia (3. ed.). Campo Grande: Editora da UFMS; São Paulo: Editora Humanitas, 2001.

SILVA, J. P. O que mudou para os brasileiros com o novo acordo ortográfico da língua portuguesa. In: MOREIRA, M. E.; SMITH, M. M.; BOCCHESE, J. da. C. Novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa: questões para além da escrita. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2009.

TIMBANE, A. A. A criatividade lexical da língua portuguesa: uma análise com brasileirismos e moçambicanismos. Belo Horizonte: Caligrama, 18 (2), p. 7-30, 2003.

VERDELHO, T. Dicionários portugueses, breve história. In: Nunes, J. H., PETTER; M. M. T. História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro. São Paulo: Humanitas; Campinas: Pontes Editores, 2002.

ZANOTTO, N. Estrutura mórfica da língua portuguesa. Caxias do Sul: Educs, 1986.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.31887

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Manoel Messias Alves da Silva e Luana Vitoriano

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.