A variação lexical e a implementação da mudança no campo semântico do roubo no jornal A Tarde (1914-2014)

Liviane Gomes Ataíde Santana

Resumo


O presente artigo é o resultado de estudos realizados acerca de processos de variação e de mudança linguística em torno de notícias de roubo em colunas policiais do jornal A TARDE em um intervalo de cem anos, sendo o ano de sua fundação, 1914, e o ano de 2014. Então, este trabalho trata da variação lexical no campo semântico do roubo, mais especificamente, de um estudo das lexias concorrentes utilizadas para designar o agente, a ação, o local, e qualquer outro elemento que se relacione com a área do roubo. Além disso, o estudo propiciou a observação da implementação da mudança linguística ao analisar, também, notícias da área citada, cem anos depois, uma vez que dentre as lexias que eram utilizadas para designar o mesmo referente, algumas tornaram-se obsoletas e outras subsistiram nos dias atuais. O corpus utilizado corresponde às notícias sobre roubo presentes no jornal A TARDE em circulação durante os meses de junho, julho e agosto de 1914 e os mesmos meses de 2014. Assim, a partir de alguns dicionários, foram vistas as definições das lexias encontradas em maior número de ocorrências e feita a análise qualitativa. Como aporte teórico, foram utilizadas obras de Labov, Weinreich e Herzog (2006), de Marcuschi (2003), além de artigos científicos que correspondem ao assunto em questão.


Palavras-chave


Variação lexical. Mudança linguística. Notícias jornalísticas. Colunas policiais. Campo semântico do roubo.

Texto completo:

PDF

Referências


A TARDE. Salvador, ano 2, n. 495-518, 01-30 jun. 1914.

A TARDE. Salvador, ano 2, n. 519-544, 01-31 jul. 1914.

A TARDE. Salvador, ano 2, n. 545-572, 01-31 ago. 1914.

ALKMIM, Tânia. Sociolingüística. In: MUSSALIN, Fernanda; BENTES, Ana Christina. (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, v.1, 2001. p. 21-47.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de; ISQUERDO, Aparecida Negri. (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. Campo Grande, MS: Editora da UFMS, 2001. p. 13-22.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Teoria linguística: teoria lexical e linguística computacional. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BARBOSA, Maria Aparecida. Lexicologia, lexicografia, terminologia, terminografia, identidade científica, objeto, métodos, campos de atuação. Anais do II Simpósio Latino Americano de Terminologia. Brasília. 1990.

CADERNO ESPECIAL A TARDE 95 ANOS. Encartado em A TARDE. Salvador, ano 96, n. 32331, 15 out. 2007.

CARVALHO, Cristina dos Santos; SILVA, Eliêda de Matos. Usos do verbo Achar na fala popular de Salvador: Gramaticalização e contexto morfossintático. In: LOPES, Norma da Silva; BULHÕES, Lígia Pelon de Lima; CARVALHO, Cristina dos Santos (Org.). Sociolinguística: estudos da variação, da mudança e da sócio-história do português brasileiro; Sociolinguística paramétrica; Sociofuncionalismo. Feira de Santana: UEFS Editora, 2013. p. 37-62.

COSTA, Geisa Borges da. Variação lexical no Atlas Linguístico do Paraná: motivações semânticas. Revista Inventário, 2012. Disponível em: http://www.inventario.ufba.br/11/VARIACAO%20LEXICAL%20NO%20ATLAS%20finalizado.pdf. Acesso em: 28 maio 2020.

DICTIONNAIRE LE ROBERT. Paris: [s.n.], 2013.

FANTÔMAS. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Fant%C3%B4mas. Acesso em: 18 ago 2014.

FANTÔMAS. Disponível em: https://cineplayers.com/filmes/fantomas-a-sombra-da-guilhotina. Acesso em: 21 jan 2015.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

GAMA, Vanessa Oliveira Silva. Neologismo em foco: inovações lexicais no jornal Massa!. 2017. 148 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Departamento de Letras e Artes – Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana – Bahia.

GARCIA, Junia Januária. Analogia no léxico de Campos Belos – GO. In: CARDOSO, Caroline et al. (Org.). Variação lingüística: contato de línguas e educação. Campinas, SP: Pontes, 2013. p. 209-218. Col. Linguagem e Sociedade. Vol. 5.

GENOUVRIER, Emile; PEYTARD, Jean. Lingüística e ensino do português. Coimbra: Almedina, 1974.

KANIGEL, Rachele. The student newspaper survival guide. [s.l.]: Wiley-Blackwell, 2006.

KINGHOST. Dicionário de língua portuguesa. Disponível em: http://www.kinghost.com.br/dicionario. Acesso em: 01 ago 2014.

LAGE, Nilson. Estrutura da notícia. São Paulo: Ática, 1985.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de textualização. São Paulo: Cortez, 2003.

PAIM, Marcela Moura Torres. A variação lexical no campo semântico vestuário e acessórios: um estudo a partir dos dados do Projeto ALiB. Revista A Cor das Letras, v. 20, n. 1, p. 204-215, 2019.

PESSOA, Marlos de Barros. O gênero notícia no Brasil: notas para uma história. In: RAMOS, Jânia M; ALKMIM, Mônica A. (Org.). Para a história do português brasileiro. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2007. p. 545.

SILVA, Daianna Quelle da Silva Santos da; BARRETO, Josenilce Rodrigues de Oliveira; QUEIROZ, Rita de Cássia Ribeiro de; OLIVEIRA, Josane Moreira de. O léxico em foco: algumas incursões sobre a variação lexical presente em autos de defloramento do início do século XX. Web Revista SOCIODIALETO, v. 3, n. 9, p. 318-330, 2013.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. Rev. Téc. Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.34021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Liviane Gomes Ataíde Santana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.