Pelos caminhos do Ceará, por meio das frestas do léxico

Expedito Eloísio Ximenes, Ticiane Rodrigues Nunes

Resumo


Ao estudarmos o léxico de uma língua adentramos por caminhos diversos da vida de uma comunidade e em suas formas de expressar as realidades. Neste artigo, fazemos uma incursão em dois momentos da sociedade cearense que se interseccionam e têm como esteio a mesma realidade, os reflexos das secas, com fito de trazer uma reflexão sobre o estudo do léxico da língua portuguesa no Brasil. A partir dessa temática, nosso corpus de estudo é composto por dois textos, um manuscrito do século XVIII em que aplicamos o método filológico de edição semidiplomática e o outro do século XXI, digitalizado e exposto em ambiente virtual do qual trasladamos. Selecionamos algumas lexias nos dois textos para explicitarmos os sentidos que nos permitiram uma digressão nos contextos de uso para percebemos as realidades refletidas por meio do léxico. Nosso referencial teórico se centra nos estudos filológicos de Bassetto (2001), Gumbrecht (2007), Picchio (1979) e Spina (1977); e lexicológicos de Abbade (2006), Oliveira e Isquerdo (1998). O estudo das lexias dos textos, possibilitou-nos um entendimento mais amplo dos textos e do entorno linguístico e extra-linguístico, estabelecendo uma conexão entre os fatos abordados nas duas realidades.


Palavras-chave


Filologia. Texto. Léxico. História. Sociedade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBADE, C. M. de S. O estudo do léxico. In: TEIXEIRA, M. da C. R.; QUEIROZ, R. de C. R. de; SANTOS, R. B. dos (orgs.). Diferentes perspectivas dos estudos filológicos. Salvador: Quarteto, 2006. p. 226-240.

BARROS, R. B.; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L da.(Orgs.). Pistas do método de cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. 1. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015. v. 1. p. 52-75.

BASSETTO, B. F. Elementos de Filologia Românica: história externa das línguas. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2001.

BIDERMAN, M. T. C. A estrutura mental do léxico. In: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Estudos de Filologia e Linguística: em homenagem a Isaac Nicolau Salum. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1981. p. 131-145.

CABRAL, T. Dicionário de termos e expressões populares. Fortaleza: Instituto cultural do Cariri, 1973.

FAULSTICH, E. L. de J. Lexicologia: a linguagem do noticiário policial. Para uma análise estrutural de campos semânticos. Brasília: Horizonte, 1980.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

GUMBRECHT, H. U. Los poderes de la Filología: dinámicas de una practica académica del texto. México D.F: Universidade Iberoamericana, 2007.

HALL, S. A identidade cultural na Pós-modernidade. 11.ed. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LAMAS, Ó. L. Bolonia, lafilología y venus ante elespejo. Revista Electrónica de Estudios Filológicos, p. 19-31, 2009. Disponível em: http://www.tonosdigital.es/ojs/index.php/tonos/article/view/297/206. Acesso em: 10 mar. 2020.

MATORÉ, G. La méthode em lexicologie: Domaine français. Paris: Didier, 1953.

OLIVEIRA, A. M. P. P., ISQUERDO, A. N. (orgs.) As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande, MS: UFMS, 1998.

PICCHIO, L. S. A lição do Texto: Filologia e Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1979.

PORDEUS JÚNIOR, I. de A. Cearensidade. In: CARVALHO, Gilmar de. Bonito pra chover: ensaios sobre a cultura cearense. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2003.

POTTIER, B. Linguística geral: teoria geral e descrição. Tradução de Walmírio Macedo. Rio de Janeiro: Presença, 1978. (Coleção Linguagem 7).

RAJAGOPALAN, K. Pós-modernidade e a política de identidade. In: RAJAGOPALAN, K.; FERREIRA, D. M. M. (orgs.). Políticas em linguagem: perspectivas identitárias. São Paulo: Mackenzie, 2006. p. 61-80.

SILVA NETO, S. da. Língua Cultura e Civilização. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1960.

SPINA, S. Introdução à edótica: crítica textual. São Paulo: Cultrix; São Paulo: Universidade de São Paulo, 1977.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.35141

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Expedito Eloísio Ximenes e Ticiane Rodrigues Nunes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.