Vocalização da lateral em coda silábica em duas variedades do português

Silvia Figueiredo Brandão

Resumo


Neste estudo, de caráter descritivo preliminar, focaliza-se a lateral em coda silábica interna e externa no Português de São Tomé e no Português de Moçambique, segundo os princípios da Teoria da Variação e Mudança (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 1968), buscando-se determinar os fatores que condicionam a vocalização desse segmento. Para fins de comparação, faz-se uma síntese sobre o comportamento de /l/ no Português do Brasil e no Português Europeu. As análises variacionistas demonstram que, nas duas variedades africanas, a regra é ainda pouco produtiva (predominam as variantes velarizada e alveolar) e que variáveis tanto sociais quanto estruturais se mostram salientes para a implementação de [w] a depender da posição da sílaba.


Palavras-chave


Lateral. Coda silábica. Vocalização. Português de São Tomé. Português de Moçambique.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Gabriel Antunes. Portuguese language expansion in São Tomé and Príncipe: an overview. Diadorim, Rio de Janeiro, v. 22, n° 1, p. 57-78, 2020.

BATTISTI, Elisa; MORAS, Viviani Tebaldi. A vocalização da consoante lateral em Flores da Cunha em uma variedade do português brasileiro: análise sociolinguística em tempo real. Gragoatá, Niteroi, n° 40, p. 90-112, 2016.

BRANDÃO, Silvia Figueiredo; PESSANHA, Davi Bretas dos Santos; PONTES, Stefany de Paulo; CORRÊA, Monique Oliveira. Róticos na variedade urbana do Português de São Tomé. Papia, v. 27, nº 2, p. 191-213, 2017.

BOUCHARD, Marie-Eve. Linguistic variation and change in the Portuguese of São Tomé. Doctoral dissertation (Doctor of Philosophy) - Department of Linguistics, New York University, 2017.

CALLOU, Dinah; MORAES, João; LEITE, Yonne. Processos de enfraquecimento consonantal no Português do Brasil. In: ABAURRE, M. B. M; RODRIGUES, A. C. S. (Orgs). Gramática do português falado. Volume VIII: novos estudos descritivos. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002. p. 537-555.

CHIMBUTANE, Feliciano. Portuguese and African languages in Mozambique. In: LÒPEZ, L. A.; GONÇALVES, P.; AVELAR, J. O. de (Orgs.). The portuguese language continuum in Africa and Brazil. Amsterdam: John Benjamins, 2018. p. 89-110.

COSTA, Cristine Ferreira. A vocalização da lateral pós-vocálica como fenômeno neo-gramático do nível pós-lexical. Porto Alegre, Organon, v.18, nº 36, p. 83-91, 2004.

CUNHA, Celso. Conservação e inovação no português do Brasil. O Eixo e a Roda, Belo Horizonte, v. 5, p. 199-230, 1986.

DAL MAGO, Diane. O comportamento do /l/ pós-vocálico no sul do país. Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 2, nº 1, p. 31-44, 1998.

DEMASI, Maria do Socorro. O –l pós-vocálico na fala culta do Rio de Janeiro. In: PEREIRA, Cilene da Cunha; PEREIRA, Paulo Roberto Dias (Orgs) Miscelânea de estudos linguísticos, filológicos e literários in memoriam Celso Cunha. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995. p. 115-143.

ESPIGA, J. W. R. Como se combinam a mudança e o contato linguístico: a regra telescópica da lateral posvocálica na fronteira dos Campos Neutrais. In: VANDRESEN, Paulino (Org). Variação e Mudança no Português Falado da Região Sul. Pelotas: EDUCAT, 2002. p. 69-94

FERRAZ, Luiz Ivens. The creole of São Tomé. Johannesburg: Witwatersrand University Press, 1976.

FREITAS, Felipe de Souza; NUNES, Mariana Joel. Uma análise comparativa sobre a lateral em coda em duas variedades africanas do Português. Comunicação apresentada à XLI Jornada Giulio Massarani de Iniciação Científica, Tecnológica, Artística e Cultural da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, 2019.

HAGEMEIJER, Tjerk. As línguas de São Tomé e Príncipe. Revista de Crioulos de Base Lexical Portuguesa e Espanhola, Macau, v., nº1, p. 1-27, 2009.

HAHN, Laura Helena; QUEDNAU, Laura Rosane. A lateral pós-vocálica no português de Londrina: análise variacionista e estrutura silábica. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, nº 3, p. 100-113, setembro 2007.

HORA, Dermeval da. Vocalização da lateral /l/: correlação entre restrições sociais e estruturais. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 9, nº 18, p. 29-44, 2006.

LABOV, William. Some sociolinguistic principles. In: PAULSTON, C. B.; TUCKER, G. R. (Ed.) Sociolinguistics: the essential readings. Oxford: Blackwell, 2003. p. 234-25.

LADEFOGED, Peter; MADDIESON, Ian. The sounds of world’s languages. Oxford: Blackwell, 1996.

LAUSBERG, Heinrich. Linguística Românica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; Rio de Janeiro: Editora Padrão, 1974.

LEITE, Yonne; CALLOU, Dinah; MORAES, João. O /l/ em posição de coda silábica: confrontando variedades. In: Atas do XXII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa: APL, 2007. p. 423-430.

MATEUS, Maria Helena Mira; D’ANDRADE, Ernesto. The phonology of portuguese. Oxford: University Press, 2000.

NGUNGA, Armindo; SIMBINI, Madalena Citia. Gramática descritiva da língua changana. Maputo: Centro de Estudos Africanos (CEA) – UEM, 2012.

NUNES, José Joaquim. Compêndio de gramática histórica portuguesa: fonética e morfologia. 6. ed. Lisboa: Livraria Clássica Editora [1960].

PAULA, Ronaldo Rodrigues de; DUARTE, Fábio Bonfim. Diversidade linguística em Moçambique. In: LEITE, Ilka Boaventura; SEVERO, Cristine Gorski (Orgs.) Kadila: culturas e ambientes - diálogos Brasil-Angola. São Paulo: Blucher, 2016. p. 343 -362.

QUANDT, Vivian de Oliveira. O comportamento da lateral anterior na fala do Norte-Noroeste Fluminense. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

QUEDNAU, L. R. A lateral pós-vocálica no português gaúcho: análise variacionista e representação não-linear. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa). Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1993.

RÉVAH, Isräel Salvator. Commentet jusqu’àquel point les parlers brésiliens permettent-ils de reconstituer le système phonétique des parlers portugais des XVIe.-XVIIe. siècles? In: Acta do III Colóquio Internacional de Estudos Luso-brasileiros, Lisboa, 1957. v. I. Lisboa. 1959. p. 271-291.

RÉVAH, Israël Salvator. L’évolution de la prononciation au Portugal et au Brésil du XVIe siècle à nos jours. In: Anais do Congresso Brasileiro de Língua Falada no Teatro. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura, 1958. p. 387-399.

SÁ, Edmilson José de. O uso variável da lateral /l/ pós-vocálica em posição de coda em português e espanhol. Revista Virtual de Estudos da Linguagem-ReVEL, v. 4, nº 7, p. 1-9, agosto de 2006.

SILVA NETO, Serafim da. História da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1970.

TASCA, Maria. Variação e mudança do segmento lateral na coda silábica. In: BISOL, Leda; BRESCANCINI, Cláudia. (Orgs.) Fonologia e Variação: recortes do Português Brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002. p. 269-302.

TEIXEIRA, Eliana Pitombo. Variação fonológica na região de Monte Santo: a consoante /l/. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, nº17, p. 59-68, julho de 1995.

TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. Trad. Celso Cunha. Lisboa: Sá da Costa, 1982.

VIEIRA, Silvia Rodrigues; PISSURNO, Karen Cristina da Silva (Orgs.). Corpus Moçambique-PORT. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ. Disponível em: www.corporaport.letras.ufrj.br.

VIEIRAS, Nancy Mendes Torres; BALDUÍNO, Amanda Macedo. Apagamento de /R S L/ no Português de São Tomé: convergência linguística? Papia, v. 30, nº 1, p. 7-33, 2020.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Martin. Empirical foundations for theory of linguistic change. In: LEHMANN, W.; MALKIEL, Y. (org.) Directions for historical linguistics. Austin: University of Texas Press, 1968. p. 97-195.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v7i2.39998

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Silvia Figueiredo Brandão

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.