A dinâmica do jogo de linguagem das formas de tratamento

Cacilda Vilela de Lima

Resumo


Esta pesquisa apresenta uma microanálise transversal equalitativa de caráter empírico-indutivo sobre as formas de tratamento entre candidatos ao cargo presidencial em cinco debates televisionados realizados antes do primeiro turno das eleições de 2014. Baseado nos pressupostos da Antropologia Linguística, entende-se que os usos das formas de tratamento implicam o estudo das mudanças estruturais envolvidas na sociedade. Sendo assim, as formas de tratamento não são classificadas e entendidas como formas estanques com interpretações de uso a priori, mas como formas flexíveis que permitem aos interlocutores realizar seus discursos de maneira complexa e dinâmica. A classificação se determinada forma de tratamento serve para estabelecer uma aproximação ou distanciamento entre os interlocutores só pode ser estabelecida caso a caso e momento a momento na interação. Esta pesquisa não se restringe ao estudo do efeito e do como as palavras foram colocadas no palco do mundo, mas também tenta entender por quem, para quem, porquê, onde, qual o tipo de relação de poder que pode ser inferida da escolha de certa forma de tratamento. É pela composição de todos esses elementos que se pode ver como o ator social proporcionou seu ponto de vista, seu modo de refletir sobre o mundo e a natureza humana. 


Palavras-chave


antropologia linguística; formas de tratamento; debate político; multimodalidade; gestualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

BROWN, Roger; GILMAN, Albert. The Pronouns of Power and Solidarity. In: SEBEOK, T. A. (Ed.). Style in Language. Massachusetts: Ed. MIT Press, 1960. p. 253-276.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley F. L. Nova gramática do português contemporâneo. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

DURANTI, Alessando. Antropologia Linguística. Madrid: Cambridge University Press, 2000.

EKMAN, Paul. A Linguagem das Emoções. São Paulo: Lua de Papel, 2011.

GIVÓN, Talmy. Negation. In:_____. Syntax: An introduction. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2001. p. 369–398.

GUMPERZ, John. The Linguistic and Cultural Relativity of Conversational Inference. In: GUMPERZ, John; LEVINSON, Stephen C. (Eds.). Rethinking Linguistic Relativity. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. p. 374–407.

HORN, Laurence R. A natural history of negation. Stanford: CSLI Publications, 2001 [1985].

JESPERSEN, Otto. Negation in English and other languages. Hobenhavn: A. F. Host & Son, 1917.

KELTNER, Dacher; ANDERSON, Cameron. Saving face for Darwin: The functions and uses of embarrassment. Current Directions in Psychological Science, v. 9, n. 6, p. 187–192, 2000.

KELTNER, Dacher; BUSWELL, Brenda. Evidence for the distinctiness of embarrassment, shame, and guilt: A study of recalled antecedents and facial expressions of emotion. Cognition and Emotion, v. 10, n. 2, 1996. p. 155–171.

KENDON, Adam. Gesture: Visible action as utterance. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

LEVINSON, Stephen C. Pragmatics. Nova Iorque: Cambridge University Press, 1989.

MARCOTULIO, Leonardo L. A preservação das faces e a construção da imagem no discurso político do marquês do Lavradio: As formas de tratamento como estratégias de atenuação da polidez linguística. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

PEREIRA JUNIOR, Luiz C. Presidente ou presidenta? Lei, tradição do idioma e visão de mundo entram em conflito na definição do termo a ser usado para referir-se a Dilma Rousseff, Dez. 2011. Disponível em: http://revistalingua.uol.com.br/textos/62/presidente-ou-presidenta-248988-1.asp. Acesso: 19 jan. 2015.

POMERANTZ, Anita. Agreeing and disagreeing with assessments: some features of preferred/dispreferred turn shapes. In: ATKINSON, J. Maxwell; HERITAGE, John. (Eds.). Structures of social action: Studies in Conversation Analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1984. p. 57–101.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. 44ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

RODRIGUES, Leôncio M. Partidos, ideologia e composição social. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 48, p. 31-47, 2002.

RORTY, Richard. Contingência, ironia e solidariedade. São Paulo: Martins Fontes, 2007.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v1i1.4790

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.