“E para verdade passo este de minha letra e sinal" -- uma breve análise sobre cultura escrita e os recibos assinados por Antônio Francisco Lisboa (1772-1802)

Márcia Almada

Resumo


Neste artigo será estudado um conjunto de 32 recibos assinados pelo escultor/entalhador Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, sob a perspectiva da História da Cultura Escrita, integrando-os à dimensão de registros materiais das práticas da escrita na Capitania de Minas Gerais em fins do século XVIII. A partir de análises formais e materiais, estes documentos são percebidos como sinais materializados da trajetória de vida do artista e relacionados criticamente ao que se conhece atualmente sobre sua biografia, resultando em uma pequena colaboração para o longo trabalho de identificação dos conhecimentos adquiridos e aplicados por este sujeito e da forma como participou da(s) cultura(s) de sua época.



Palavras-chave


Antônio Francisco Lisboa; cultura escrita; história; Minas Gerais; século XVIII.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMADA, Márcia. Das artes da pena e do pincel. Caligrafia e pintura em manuscritos no século XVIII. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

AMARAL, Sérgio Alcides Pereira do. Desavenças: poesia, poder e melancolia nas obras do Dr. Francisco de Sá Miranda. Tese (Doutorado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

ARAÚJO, Ana Cristina. A cultura das luzes em Portugal. Temas e problemas. Lisboa: Livros Horizonte, 2003.

ARAÚJO, Antonio Jachinto. Nova Arte de Escrever, offerecida ao Principe Nosso Senhor, para instrucção da Mocidade, composta por Antonio Jacintho de Araujo, Professor d’ Escripta, e Arithmetica, e Correspondente da Academia Imperial das Sciencias em S.t Petersburgo. Lisboa: na Officina de Antonio Gomes, 1794.

ARAÚJO, Jeaneth Xavier. A pintura de Manoel da Costa Ataíde no contexto da época moderna. In: CAMPOS, Adalgisa Arantes (Org.). Manoel da Costa Ataíde: aspectos históricos, estilísticos, iconográficos e técnicos. Belo Horizonte: C/Arte, 2005. p. 32-62, p. 45.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Del escribano a la biblioteca: la civilización escrita europea en la alta Edad Moderna - siglos XV-XVII. Madrid: Editorial Sintesis, 1992.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Corre manuscrito: una historia cultural del Siglo de Oro. Madrid: Marcial Pons, 2001.

CARREIRA, Maria de São Luiz da. Marcas de água. Arquivo Histórico Parlamentar - Monarquia Constitucional 1821-1910. Dissertação (Mestrado em Ciências da Documentação e Informação Arquivística). Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa. 2012.

CARVALHO, Ayres de. Catálogo da coleção de desenhos. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 1977.

CASANOVA, José de. Primera parte del arte de escrivir todas formas de letras. Madrid: Diego Díaz de Carrera, 1650.

CASTILLO GÓMEZ, Antonio. El tempo de la cultura escrita. A modo de introducción. In: _______. (Coord.). Historia de la cultura escrita: del próximo oriente antiguo a la sociedad informatizada. Gijón: Ediciones Trea, 2001. p. 15-25.

FIGUEIREDO, Manoel de Andrade de. Nova Escola para aprender a ler, escrever e contar. Lisboa Ocidental: Oficina de Bernardo da Costa de Carvalho, 1722.

FURTADO, Júnia Ferreira. Homens de negócios: a interiorização da metrópole e do comércio nas Minas setecentistas. São Paulo: Hucitec, 2006.

FURTADO, Júnia Ferreira. Oráculos da Geografia Iluminista. Don Luís da Cunha e Jean-Baptiste Bourguignon D’Anville na construção da cartografia no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

GOMBRICH, Ernest H. The sense of order: a study in the psychology of decorative art. London: Phaidon Press, 1984.

GRAMMONT, Guiomar de. Aleijadinho e o aeroplano: o paraíso barroco e a construção do herói colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

MAGALHÃES, Justino. Ler e escrever no mundo rural do antigo regime: um contributo para a história da alfabetização e da escolarização em Portugal. Braga: Universidade do Minho: Instituto de Educação, 1994.

MARQUILHAS, Rita. A faculdade das letras: leitura e escrita em Portugal no séc. XVII. Lisboa: Imprensa NacionalCasa da Moeda, 2000.

MARQUILHAS, Rita. Em torno do Vocabulario de Bluteau. O reformismo e o prestígio da norma no século XVIII. In: MATEUS, Maria Helena Mira (Org.). Caminhos do português. Lisboa: Biblioteca Nacional, 2001. p. 105-118.

MEGALE, Heitor e TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida (orgs.). Por Minha Letra e Sinal. Documentos do Ouro do Século XVII. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006.

MENDONÇA, Ana Waleska Pollo Campos. A língua portuguesa como uma nova língua clássica. História da Educação, vol. 17, n. 39, p. 173-187, jan./abr. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S2236-34592013000100010. Acesso em 06 jun. 2016.

MIRANDA, Marco Paulo de S. O Aleijadinho revelado. Estudos históricos sobre Antônio Francisco Lisboa. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

MORAIS, Christianni Cardoso. Posse e usos da cultura escrita e difusão da escola. De Portugal ao Ultramar, Vila e Termo de São João del-Rei. Minas Gerais (1750-1850). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

PEREIRA, Ana Martinez. El arte de escrever de Manuel Barata em el âmbito pedagógico dela segunda mitad del siglo XVI. Peninsula: Revista de Estudos Ibéricos, n. 1, p. 235-249, 2004.

PETRUCCI, Armando. Lezione di storia della scritura latina. Corso instituzionale di Paleografia. Roma, Cooperativa Editoriale e Libraria, manuscrito, [1986?].

RAMOS, Adriano; GUTIERREZ, Ângela. Francisco Vieira Servas e o ofício da escultura na Capitania das Minas do Ouro. Belo Horizonte: Instituto Cultura Flávio Gutierrez, 2002.

SALAZAR, Manoel Satírio. Compendio calligrafico em forma de diálogo para se entenderem as mais principaes regras da Calligrafia, e se aprenderem methodicamente os Caracteres das Letras de Escritório; e Ingleza, proprio para as pessoas, que não tiverem aprendido a escrever com methodo, e muito mais para os Meninos, que frequentarem as Escolas, que compoz, e estrahio da sua arte de escrita Manoel Jose Satirio Salazar, professor de Escrita, e Arithmetica Prática. Lisboa: Impressão Regia, 1807.

SALAZAR, Manoel Satírio. Nova Arte de Escrita para se aprender theorica, e praticamente a I e II parte da forrma de letra portugueza, intituladas de Secretaria, e Escritorio, caracteres proprios para se ensinarem nas escolas deste Reino; e ultimamente a Letra Ingleza, extrahida dos sobreditos caracteres nacionaes, propria para todas as pessoas, que não tiverem aprendido a escrever com methodo, e se acharem occupadas em empregos publicos, que lhe embaracem frequentar as aulas. Lisboa: Impressão Régia, 1807.

SANTIAGO, Camila Fernandes Guimarães. Usos e impactos de impressos europeus na configuração do universo pictórico mineiro (1777-1830). Tese (Doutorado em História Social da Cultura). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

SILVA, Joaquim José Ventura da. Regras methodicas para se aprende a escrever os caracteres das letras Ingleza, Portugueza, Aldina, Romana, Gotica-Italica, e Gotica-Germanica; acompanhadas de hum tratato completo de arithmetica. Lisboa: Impressão Régia, 1819.

SILVEIRA, Marco Antônio. O universo do indistinto: Estado e sociedade nas Minas Setecentistas (1735-1808). São Paulo: Hucitec, 1997.

VARTULI, Sílvia Maria Amâncio Rachi. Por mãos alheias: usos sociais da escrita na Minas Gerais colonial. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2014.

VILLALTA, Luiz Carlos. Educação: nascimento, “haveres” e gêneros. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos. História de Minas Gerais. As Minas Setecentistas, vol. 2. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 253-288.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v2i1.4806

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.