Linguística Histórica, Pragmática Histórica e Ensino: reflexões sobre os paradigmas "vós" e "vocês" como formas de tratamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24206/lh.v8i2.50071

Palavras-chave:

Formas de tratamento. Variação. Linguística histórica. Pragmática histórica. Ensino.

Resumo

O uso de vós, em PE, tem vindo a ser substituído pelo uso de vocês. Contudo, esta mudança na língua não é total nem está concluída, já que alguns falantes, em situações mais ou menos específicas, continuam a produzir elementos do paradigma da segunda pessoa do plural ou a optar por construções omissivas ou nominais. Neste contexto, apresentamos algumas considerações sobre os conceitos de Linguística Histórica e Pragmática Histórica, com o intuito de os relacionarmos posteriormente com a discussão em redor da necessidade de uma inclusão mais forte das formas de tratamento no Ensino. Para problematização dessas considerações, procuramos ocorrências da temática referida num corpus constituído por discursos de tomada de posse e refletimos sobre observações de falantes recolhidas através de inquérito.

Biografia do Autor

Marcela Faria, Universidade do Porto

Mestre em Linguística pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto; membro do Centro de Linguística da Universidade do Porto.

Referências

AGUIAR, Joana; PAIVA, Maria da Conceição. Vocês tenham cuidado, sois educadas para isso. Second person pronuns in Braga speech. In: Pilar P. Barbosa, Maria da Conceição de Paiva, Celeste Rodrigues. Studies on variation in Portuguese. Amsterdam: John Benjamins, p. 136-152, 2017.

BAKHTIN, Michail. Rabelais and his world. Trans. Helene Iswolsky. Bloomington, Indiana University Press, 1984. Citado por Coutinho e Miranda (2009)

BARROS, Clara. História da Língua. Ensino da Língua. Revista da Faculdade de Letras «Línguas e Literaturas» Porto XIV. pp. 81-98, 1997.

BARROS, Clara. Pragmática histórica: perspectivas de alargamento da metodologia de análise de textos medievais In: Actas do Encontro Comemorativo dos 25 anos do Centro de Linguística da Universidade do Porto, vol.1, pp. 131-139, 2002.

BARROS, Clara. Pragmática histórica e construção histórica do discurso: análise de alguns aspetos do funcionamento textual-discursivo do português medieval. In: Estudos de linguística histórica: mudança e estandardização. Coleção: Investigação pp. 329-352, 2019.

BENVENISTE, Émile. 1966. “De la subjectivité dans le langage” In: Problèmes de linguistique générale I, Paris, Gallimard, O Homem na linguagem (tradução portuguesa Maria Alzira Seixo), Lisboa, Vega Editora. (1986)

BREUER, Heinz. Titel und AnrOOen bei Shakespeare und in der Shakespeare·Zeit. Anglia 101.1/2: 49-77, 1983. Citado por Jacobs e Jucker (1995)

CARREIRA, Maria Helena. Les formes d’allocution du portugais européen : valeurs et fonctionnements discursifs. Franco-British Studies, 35-45, 2004. (também no sítio do Instituto Cervantes de Paris. Acesso em 02 fev. 2020.)

CASTRO, Ivo. et al. Curso de história da língua portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta, 1991 Citado por Mattos e Silva (2008)

CINTRA, Luis Filipe Lindley. Sobre formas de tratamento na língua portuguesa. Lisboa: Livros Horizontes, 1972.

COSERIU, Eugenio. Introducción a la Lingüística. Gredos: Madrid, 1986.

COSTA, João. A gramática na sala de aula. In Reis, C. (Ed.), Actas, Conferência Internacional sobre o Ensino do Português. Lisboa : DGIDC, 149-165, 2008.

COUTINHO, Maria Antónia; MIRANDA, F. 2009. To describe textual genres: problems and strategies. In: Charles Bazerman, Débora Figueiredo & Adair Bonini (orgs.) Genre in a Changing World. Perspectives on Writing. Fort Collins, Colorado: The WAC Clearinghouse and Parlor Press, pp. 35-55, 2009.

DUARTE, Isabel Margarida. Formas de Tratamento: item gramatical no ensino de Português Língua Materna In: Brito, A. M. (org.). Gramática: história, teoria, aplicações. Porto. p.133-146, 2010.

DUARTE, Isabel Margarida. Formas de tratamento em português: entre léxico e discurso. In: Matraga. Vol. 18, nº 28, Rio de Janeiro, UERJ, 2011, pp. 84-101, 2011.

FONSECA, Fernanda Irene. A urgência de uma pedagogia da escrita. In: Mathesis vol. 1 Lisboa: Universidade Católica Portuguesa -Faculdade de Letras. p. 223-251, 1992.

FONSECA, Fernanda Irene. A Linguística aplicada ou a Linguística aplicável In Fonseca, F. I. et al. (orgs.) A Linguística na Formação do Professor de Português. Porto: CLUP, p. 15-26, 2001.

FONSECA, Joaquim. Pragmática Linguística, Introdução, Teoria e Descrição do Português. Porto: Porto Editora, 1994.

FOUCAULT, Michael. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Tradução de Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000. [1972].

FINKENSTAED, Thomas. You and thou. Studien zurAnrede im Englischen. Berlin: Mouton, 1963. Citado por Jacobs e Jucker (1995)

GOUVEIA Carlos A. M. As dimensões da mudança no uso das formas de tratamento em Português Europeu. In Oliveira, F. e Duarte, I. M. O fascínio da Linguagem – actas do Colóquio de homenagem a Fernanda Irene Fonseca. Porto: Centro de Linguística da Universidade do Porto, p. 91-99, 2008.

JACOBS, Andreas ; JUCKER Andreas H. The historical perspective in pragmatics. In: Andreas H. Jucker (ed.). Historical Pragmatics. Pragmatics Developments in the History of English. Amsterdam: Benjamins, 1-33, 1995.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. L’énonciation – De la subjectivité dans le langage, Paris, Armand Colin, 1997 - La enunciación de la subjetividad en el lenguaje (traduzido por Gladys Anfora e Emma Gregores)

KRISTEVA, Julia. História da Linguagem. Lisboa: Edições 70, 1969.

LABOV, William. Building on empirical foundations. In: W. Lehmann; Y. Malkiel (Eds.). Perspectives in Historical Linguistics. Amsterdam: John Benjamins, 17-82, 1982.

LABOV, William. Principles of Linguistic Change: Social Factors, Oxford: Blackwell, 2001.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Sobre a mudança lingüística: uma revisão histórica. Boletim de Filologia, Lisboa, v. XXVI, p. 83-92, 1981.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Teorias da mudança linguística e a sua relação com a(s) história(s) da língua(s). Linguística - Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, Porto, v. 3, p. 39-53, 2008.

MONTEIRO, Manuel. Por amor à língua contra a linguagem que por aí circula. Lisboa: Objectiva, 2018.

PAIVA, Maria Helena. Para conceber a língua na sua plasticidade: o contributo da História da Língua Portuguesa. In: Fonseca et al. (orgs.) A Linguística na Formação do Professor de Português. Porto: CLUP, 2001.

PINTO, Maria Graça Castro. A escrita. O papel da universidade na sua otimização. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2014.

SAUSSURE, Ferdinand. Cours de Linguistique Générale. 26ª ed. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix. 1995 [1916].

SILVA DIAS, Epiphanio. Syntaxe Historica Portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1970. [1916].

SILVA NETO, Serafim da. História da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1976. Citado por Mattos e Silva (2008)

STANOVICH, Keith. Mathew effects in Reading: Some consequences of indicvidual diferences in the acquisition of literacy. Reading Research Quaterly. 22, 360-407, 1968.

Downloads

Publicado

2022-12-05