A produção dos significados dos termos analfabeto e analfabetismo no século XIX: um estudo baseado em dicionários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24206/lh.v9i2.55100

Palavras-chave:

Analfabetismo, Dicionário, Século XIX, Léxico, História da cultura escrita

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar os significados atribuídos às palavras analfabeto e analfabetismo - e o léxico a elas associados - ao longo do século XIX, em dicionários de língua portuguesapublicados no período. Busca, desse modo, compreender como, na esfera da linguagem, foram-se produzindo associações entre o analfabeto e a incapacidade de tomar decisões de modo soberano e o analfabetismo a um problema social. Foram utilizadas como principais fontes de pesquisa edições de diferentes dicionários e a imprensa periódica. O trabalho mostrou que, durante o período, novas definições foram sendo incorporadas ao verbete analfabeto, assim como sinônimos e exemplos de uso. Constata-se que o significado associado ao não domínio da leitura e da escrita vai aos poucos se estabilizando, sendo identificado, também gradativamente, à esfera da instrução. Há, ainda, um deslocamento, na atribuição dos significados dos termos analfabeto e analfabetismo, da dimensão individual para as dimensões coletiva e social. Além disso, os termos começam a ser associados a grupos específicos, como a população negra e as populações campesinas.

Biografia do Autor

Ana Maria de Oliveira Galvão, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

Fontes

ACADEMIA REAL DAS SCIENCIAS DE LISBOA. Diccionario da Lingoa Portugueza. Tomo I. Lisboa: Officina da Academia Real das Sciencias de Lisboa, 1793.

ANÔNIMO. Novo Diccionario da Lingua Portugueza. Lisboa: Typographia Rollandiana, 1835.

BACELLAR, Bernardo de Lima e Melo. Diccionario da Lingua Portugueza. Lisboa: Jozé de Aquino Bulhoens, 1783.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario Portuguez e Latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712.

BLUTEAU, Raphael. Diccionario da Lingua Portugueza. Tomo I. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1789.

BRASIL. Leis, decretos e modelos relativos á última Reforma Eleitoral. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1881.

CHERNOVIZ, Pedro Luiz Napoleão. Diccionario de Medicina Popular. 2ed. Rio de Janeiro: Eduardo § Henrique Laemmert, 1851. v.2.

CHERNOVIZ, Pedro Luiz Napoleão. Dicionário de Medicina Popular e das Sciencias Accessorias para uso das familias. 6ed. Paris: A. Roger § F. Chernoviz, v.2, 1890.

FARIA, Eduardo de. Novo Diccionario de Lingua Portugueza. Lisboa: Typographia Lisbonense, 1849. v.1.

FIGUEIREDO, Cândido de. Nôvo Diccionário da Língua Portuguêsa. Lisboa: Livraria Editôra Tavares Cardoso e & Irmão, 1899. v.1.

FIGUEIREDO, Cândido de. Novo dicionário da língua portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1913.

FONSECA, José da. Novo Diccionario da Lingua Portugueza. Paris: Casa de J.-P. Aillaud, 1843.

FONSECA, José da. Novo Diccionario da Lingua Portugueza e Diccionario de Synonymos, seguido do Diccionario Poetico e de Epithetos. v. 1. Paris: Casa de Va. J.-P. Aillaud, Monlon e Ca. 1856. [feito inteiramente de novo e consideravelmente augmentado por J.-I. Roquete].

HOUAISS, Antônio. Grande Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, 2001.

LACERDA, José de. Novo Diccionario Geral das Linguas Ingleza e Portugueza. Lisboa: Imprensa Nacional, 1866.

LACERDA, José Maria de Almeida e Araujo Corrêa. Diccionario Encyclopedico ou Novo Diccionario da Lingua Portugueza para uso dos portuguezes e brazileiros. 4ed. v.1. Lisboa: Francisco Arthur da Silva, 1874.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da lingua portugueza. Tomo I. Rio de Janeiro: Litho-Typographia Fluminense, 1813a.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. Tomo II. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813b.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. Tomo I. Lisboa: Typographia de M. P. Lacerda, 1823a.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. Tomo II. Lisboa: Typographia de M. P. Lacerda, 1823b.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. Tomo I. Lisboa: Impressão Régia, 1831a.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. Tomo II. Lisboa: Impressão Régia, 1831b.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. 5ed. Tomo I. Lisboa: Typographia de Antonio José da Rocha, 1844.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. 6ed. Tomo I. Lisboa: Typographia de Antonio José da Rocha, 1858a.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. 6ed. Tomo II. Lisboa: Typographia de Antonio José da Rocha, 1858b.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. 7ed. Tomo I. Lisboa: Typographia de Joaquim Germano de Souza Neves, 1877.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. 7ed. Tomo II. Lisboa: Typographia de Joaquim Germano de Souza Neves, 1878.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. Volume I. Rio de Janeiro: Empreza Litteraria Fluminense, 1890.

MORAES SILVA, Antonio de. Diccionario da Lingua Portugueza. Volume II. Rio de Janeiro: Empreza Litteraria Fluminense, 1891.

VIEIRA, Frei Domingos. Grande Diccionario Portuguez ou Thesouro da Lingua Portugueza. v.1. Porto: Typographia de Antonio José da Silva Teixeira, 1872.

VIEIRA, Frei Domingos. Grande Diccionario Portuguez ou Thesouro da Lingua Portugueza. v.3. Porto: Ernesto Chardron e Bartholomeu H. de Moraes, 1873.

VIEIRA, Frei Domingos. Grande Diccionario Portuguez ou Thesouro da Lingua Portugueza. v.5. Porto: E. Chardron e Bartholomeu H. de Moraes, 1874.

Referências

ALMEIDA, Marcos Abreu Leitão de. Ladinos e boçais: o regime de línguas do contrabando de africanos (1831-c. 1850). Dissertação (Mestrado em História). Campinas: UNICAMP, 2012.

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868- 88). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ARANTES, Adlene Silva. O papel da colônia Orfanológica Isabel na educação e na definição dos destinos de meninos negros, brancos e índios na província de Pernambuco (1874 - 1889). 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

ARAÚJO, José Carlos; FREITAS, Anamaria G. Bueno de; LOPES, Antônio de Pádua (Orgs). As Escolas Normais no Brasil: do Império à República. Campinas: Alínea, 2008.

BAKTHIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (ensaios escritos originalmente entre 1919 e 1974).

BARROS, Surya P. Universo letrado, educação e população negra na Parahyba do Norte (Século XIX). 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

BERGAMINI, Atilio. Escravos: escrita, leitura e liberdade. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, São Paulo, v. 116, v.35, n.71, p.115-136, 2017.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CASTILLO GÓMEZ, Antonio. Grafias no cotidiano: escrita e sociedade na História (séculos XVI a XX). Rio de Janeiro: EDUERJ; EDUFF, 2021.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. v.1. Rio de Janeiro: Zahar, 1994 (primeira edição: 1939).

FARIA FILHO, Luciano M. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, Eliane M. T., FARIA FILHO, Luciano M. e VEIGA, Cynthia G. (Orgs.) 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p.135-150.

FERRARO, Alceu Ravanello. História inacabada do analfabetismo no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009.

FONSECA, Marcus Vinícius. A educação dos negros: uma nova face do processo de abolição de escravidão no Brasil. Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

FONSECA, Marcus Vinícius; BARROS, Surya P. (Orgs). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói, RJ: EDUFF, 2016.

FONSECA, Thais N.; SANTOS, Antonio Cesar de Almeida (Orgs.). Cultura e Educação na América Portuguesa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. História das culturas do escrito: tendências e possibilidades de pesquisa. In: MARINHO, Marildes, CARVALHO, Gilcinei (orgs.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p.218-248.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Analfabetismo, práticas de cura e população negra na imprensa brasileira na década de 1850. Práxis Educacional, 2022 (no prelo).

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; ALVARENGA, Rodrigo Lessa. O popular e o científico como estratégias discursivas na construção do sujeito analfabeto em periódicos da primeira metade do século XIX. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 10., 2019, Belém. Anais... Belém: Sociedade Brasileira de História da Educação; UFPA; UEPA, 2019. p.1941–1953.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; CHAGAS, Aline de Oliveira. A produção sócio-histórica da noção de analfabeto na imprensa brasileira (primeira metade do século XIX). In: IX CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 9., 2017, João Pessoa. Anais Eletrônicos do IX Congresso Brasileiro de História da Educação. João Pessoa, 2017, p. 3738-3756.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; DI PIERRO, Maria Clara. Preconceito contra o analfabeto. São Paulo: Cortez, 2007.

GARCIA, Dantielli A. Dois dicionários no Brasil do século XIX: uma língua brasileira ou uma mesma língua portuguesa? Fragmentum, n.26, 2010, p.13-28.

GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008.

GRAFF, Harvey J. The literacy myth: cultural integration and social structure in the nineteenth century with a new introduction by the author. New Brunswick: Transaction Publishers, 1991. (primeira edição: 1979).

GUIMARÃES, Maria Regina Cotrim. Chernoviz e os manuais de medicina popular no Império. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 12, n. 2, p. 501-14, maio-ago. 2005.

JULIO, Kelly Lislie. “Os têm tratado e educado”: as mulheres e suas ações para a manutenção da família e a educação de menores no termo de Vila Rica, MG (1770- 1822). Tese (Doutorado em Educação). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

LEÃO, Michele. A participação de Rui Barbosa na reforma eleitoral que excluiu os analfabetos do direito de voto no Brasil. Dissertação (Mestrado em Educação). Porto Alegres: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013.

LIMA, Luís Felipe Silvério. Civil, civilidade, civilizar, civilização: usos, significados e tensões nos dicionários de língua portuguesa (1562-1831). Almanack, n.03, p.66-81, 2012, p.66-81.

LYONS, Martyn; MARQUILHAS, Rita (Eds.). Approaches to the History of Written Culture. Palgrave Macmillan, 2017.

LUZ, Itacir Marques da. Compassos Letrados: artífices negros entre instrução e ofício no Recife (1840-1860). Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013.

LUZ, Itacir Marques da. Laços da diáspora: associacionismo e educabilidade entre a população negra em Pernambuco (1800-1850). Tese (Doutorado em educação). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

LYONS, Martyn; MARQUILHAS, Rita (Eds.). Approaches to the History of Written Culture. Palgrave Macmillan, 2017.

MAC CORD, Marcelo. Artífices da cidadania: mutualismo, educação e trabalho no Recife Oitocentista. Campinas: Editora da UNICAMP, 2013.

MAC CORD, Marcelo; ARAÚJO, Carlos Eduardo Moreira de; GOMES, Flávio dos Santos. Rascunhos cativos: educação, escolas e ensino no Brasil escravista. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017, p. 42-57.

MURAKAWA, Clotilde de Almeida Azevedo. Tradição lexicográfica portuguesa: Bluteau, Morais e Vieira. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de. ISQUERDO, Aparecida Negri (Orgs.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: Editora da UFMS, 1998.

NUNES, José Horta. O discurso monumental na história das idéias linguísticas e o caso dos dicionários. Alfa: Revista de Linguística, v.52, n.1, p.81-100, 2008.

NUNES, José Horta. O dicionário como observatório da subjetividade no final do século XIX: na província, no campo, na cidade. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP,v. 24, n. 47, p. 323-346, jan./jun. 2021.

PAIVA, Eduardo F. Alforrias. In: SCHWARCZ, Lilia M.; GOMES, Flávio (Orgs.). Dicionário da escravidão e da liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p.92-98

PERES, Eliane. Templos de luz: os cursos noturnos masculinos de instrução primária da Biblioteca Pública Pelotense (1875-1925). Pelotas: Seiva, 2002.

PERES, Eliane. A aprendizagem da leitura e da escrita entre negras e negros escravizados no Brasil: as várias histórias dos “sem arquivos”. Cadernos de História da Educação, v.19, n.1, p.149-166, fev.2020.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Imprensa negra no Brasil do século XIX. São Paulo: Selo Negro, 2010.

QUIJANO, Anibal. Ensayos en torno a la colonialidad del poder. Buenos Aires: Del Signo, 2019.

RACHI, Sílvia Vartuli. Por mãos alheias: usos da escrita na sociedade colonial. Belo Horizonte: Editora PUC MINAS, 2016.

RAMOS, Rui. Culturas da alfabetização e culturas do analfabetismo em Portugal: uma introdução à História da Alfabetização no Portugal contemporâneo. Análise Social, v. 24, n.103-104, 1988, p.1067-1145.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. (primeira edição: 1986).

ROCHA, Heloísa Helena Pimenta. Imagens do analfabetismo: a educação na perspectiva do olhar médico do Brasil dos anos 20. Dissertação (Mestrado em Educação). Campinas: UNICAMP, 1995.

RODRIGUES, José Honório. Conciliação e reforma no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

SILVA, Adriana Maria Paulo da. Aprender com perfeição e sem coação: uma escola para meninos pretos e pardos na Corte. Brasília: Plano, 2000.

SILVA, Mariza Vieira da. SILVA, Mariza Vieira da. O dicionário e o processo de identificação do sujeito-analfabeto. In: GUIMARÃES, Eduardo Guimarães; ORLANDI, Eni Puccinelli. (Orgs.). Língua e cidadania: o português do Brasil. Campinas, SP: Pontes, 1996, p. 151-162.

SILVA, Mariza Vieira da. História da Alfabetização no Brasil: sentidos e sujeito da escolarização. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

VERDELHO, Telmo. O dicionário de Morais Silva e o início da lexicografia moderna. In: História da língua e história da gramática - actas do encontro. Braga: Universidade do Minho, 2003, p.473-490.

VERDELHO, Telmo. Dicionários portugueses, breve história. In: VERDELHO, Telmo; SILVESTRE, João Paulo (Orgs.) Dicionarística Portuguesa: inventariação e estudo do património lexicográfico. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2007.

VEIGA, Cynthia Greive. História da Educação. São Paulo: Ática, 2007.

WISSENBACH, Maria Cristina. Cartas, procurações, escapulários e patuás: os múltiplos significados da escrita entre escravos e forros na sociedade oitocentista brasileira. Revista Brasileira de História da Educação, v.2, n.2 (4), p.103-122, 2002.

Downloads

Publicado

2023-11-11

Edição

Seção

Artigo - Dossiê "Diálogos entre a sócio-história do português e a história social da cultura escrita"