O Controle social nas favelas cariocas e o protagonismo das mulheres

Marcia Bastos de Araujo, Rafael Soares Gonçalves

Resumo


O presente artigo objetiva analisar as implicações da luta das mulheres pelo direito à cidade, a partir do exercício do controle social da política urbana destinada às favelas. O Rio de Janeiro se constitui como lócus central nesta discussão, pois tem concentrado, nos últimos anos, violações de direitos em relação aos moradores das favelas cariocas. A atuação das mulheres vem se manifestando como central no exercício do controle social, demonstrando a urgência de uma participação crítica e mais efetiva da população em relação aos rumos das políticas urbanas. 


Palavras-chave


Controle Social; Mulheres; Direito à cidade; Favelas; Política Urbana.

Texto completo:

PDF

Referências


AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte – MG. Letramento: Justificando, 2018.

ARAUJO. M. B. (2019). A Resistência é feminina: O protagonismo das mulheres no controle social da Política Urbana destinada às favelas cariocas a partir da experiência do Conselho Popular. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Serviço Social/PUC-Rio.

BENMERGUI, Leandro e GONÇALVES, Rafael Soares. Urbanismo Miliciano in Rio de Janeiro, NACLA Report on the Americas, v. 51, n. 4, 2019, p.379-385.

BRAVO, M. I. S. O trabalho do assistente social nas instâncias públicas de controle democrático. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. (Publicação: Conselho Federal de Serviço Social – CFESS, Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social – Abepss). Brasília: CFESS/ Abepss, 2009.

______________; CORREIA, M. V. C. Desafios do controle social na atualidade. Serviço Social e Sociedade, n. 109, 2012, p.126-150.

CORREIA, M. V. C. Controle social na saúde. In: MOTA, Ana Elizabete [et al] (orgs). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2012.

COUTINHO, Carlos Nelson. Intervenções: o marxismo na batalha das ideias. São Paulo: Cortez, 2006.

DAGNINO, E. (org). Anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2004.

DIAS, Edmundo Fernandes. Hegemonia: racionalidade que se faz na história. O outro Grasmsci. São Paulo: Xamã, 1996.

FEDERICI, S., Revolution at Point Zero: Housework, Reproduction, and Feminist Struggle. Oakland: PM Press, 2012.

GONÇALVES, R. S. Favelas do Rio de Janeiro: história e direito. Rio de Janeiro: Pallas - Ed. PUC-RIO, 2013.

_________________; BAUTES, N. e FREIRE, L., Rio de Janeiro 2016 ou les travers de la ville Olympique, Problèmes d'Amérique latine, n. 4, 2017.

_________________; SIMÕES, S. S. e MAGALHÃES, A. F. Grandes eventos, múltiplos impactos e grandes mobilizações, Revista O Social em Questão, n. 19, 2013.

_________________; CAMPOS, L. R. Da cidade de exceção a um novo modelo urbano pós-olimpíadas: as alterações na legislação urbanística em relação às favelas da cidade do Rio de Janeiro. In: FERREIRA, Á.; RUA, J. e MATTOS, R. C. de. Produção do Espaço. Emancipação social, o comum e a “verdadeira democracia”, Rio de Janeiro: Consequência, 2019.

GONZALES, L. Por um Feminismo Afro-latino Americano. Caderno de Formação Política do Círculo Palmarino, n.1, 2014.

HANAI, Lucio Hanai Valeriano, A ideologia na produção do espaço: os megaeventos como agentes difusores da ideologia (neo)liberal, Cadernos Metrópoles, v. 21, n. 44, 2019, p.79-97.

HARVEY, D. Neoliberalismo como destruição criativa. InterfacEHS, v. 2, n. 4, 2007, p.1-30.

___________. Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. David Harvey - São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2014.

LEFEBVRE, H., O direito à cidade. Henri Lefebvre - São Paulo: Ed. Centauro, 2001.

LUGONES, M. Rumo a um Feminismo decolonial. Revista Estudos Feministas, v. 25, n. 4, 2010.

MACHADO, T. (2015). O Controle Social democrático e o atual Projeto Ético-Político do Serviço Social brasileiro: um estudo no Conselho Estadual de Saúde do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Pós-graduação em Serviço Social/UERJ.

MARICATO, E. A Copa do Mundo no Brasil: tsunami de capitais aprofunda a desigualdade urbana. Brasil em jogo. O que fica da copa e das olimpíadas?/ Andrew Jenings; Raquel Rolnik; Antonio Lassance (org). 1. Ed. – São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2014.

NEVES, A. V. Cultura Política e Democracia Participativa. Um estudo sobre orçamento participativo. p. 11-36. RJ: Ed. Gramma, 2008.

OLIVEIRA, A. L. de. Mulheres e ação política: lutas feministas pelo direito à cidade. Revista PerCursos, Florianópolis, v. 19, n. 40, 2018.

RIBEIRO, Luiz Cesar Queiroz e SANTOS JUNIOR, Orlando dos. Governança Empreendedorista e Megaeventos Esportivos: reflexões em torno da experiência brasileira. O Social em Questão, n. 29, 2013, p.23-42.

RIBEIRO, D. O que é: lugar de fala?, Belo Horizonte (MG): Letramento/Justificando, 2017.

ROLNIK, Raquel, Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo, 2015.

SAFFIOTI, H., A mulher na sociedade de classe: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013 [1969].

SÁNCHEZ, Fernanda, A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Argos/Editora da Unochapecó, 2010.

SIMIONATTO, I. Gramsci: sua teoria, incidência no Brasil, influência no Serviço Social. São Paulo: Cortez; Santa Catarina: UFSC, 1995.




Direitos autorais 2021 Revista Praia Vermelha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.