Sobre criar e pesquisar em coletivo:

processos formativos tecidos em solidariedades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.58786/rbed.2023.v1.n3.59050

Palavras-chave:

Processos formativos, Criação, Coletivo, Dança, Pesquisa

Resumo

A pesquisa como processo formativo tem se forjado e se movido diante da lógica das individualidades apartadas e em rivalidade. Para buscar um caminho inverso, como pesquisadoras do corpo, arte e educação, temos insistido em experiências de criação e pesquisa em coletivo. Nesse relato de experiência, apresentamos uma dessas práticas de partilha que têm constituído o grupo de pesquisa a que pertencemos, ligado a uma universidade pública brasileira. A experiência coloca em diálogo cinco pesquisadores interessados pelos campos do corpo, da dança, da educação e da arte, em momentos diferentes de suas investigações. Para esta elaboração, três de nós nos mobilizamos a compartilhar o vivido, apresentando vestígios da pesquisa que deu origem a proposta da mini-residência artística “Pe(n)sar a pesquisa” para, em seguida, relatar seu acontecimento e refletir sobre suas ressonâncias. Foi possível reconhecer a importância do coletivo nos processos formativos e criativos em pesquisas que desejam tecer solidariedades.

Biografia do Autor

Adrianne Ogeda Guedes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.

Professora Associada da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), atuando na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Psicóloga (UFRJ), Pedagoga (UCAM), Mestre e doutora em Educação (UFF), Especialista em Alfabetização (UFRJ), Docência do Ensino Superior (UNIRIO) e Educação Infantil (PUC). Arte Educadora pelo Ateliê Hélio Rodrigues e formada em Expressão Corporal pela Escola Angel Vianna. Formação Ivaldo Bertazzo (2019). Realizou 300 horas de formação em Hakomi Mindfulness-Centered Somatic Psychotherapy e 150 horas de treinamento Matrixworks. Atua como professora, coordenadora em instituições educativas há mais de 30 anos. Líder do grupo FRESTAS (Formação e Ressignificação do Educador: Saberes, Arte, Troca, Sentidos) vinculado ao NINA (Núcleo Infância, Natureza e Arte) na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Integra a Rede Diálogos ? Rede Internacional de Pesquisa, atividades colaborativas que reúnem pesquisadores do Brasil, França, Inglaterra, China, Portugal, Colômbia e Equador eo FOPPEN - Fórum Permanente de Pesquisa narrativa, composto por grupos de pesquisa de diferentes universidades. É colaboradora dos grupos de pesquisa Fiar (UFF), CorPes - Zona de Estudos e Pesquisas em Corporeidades e Pedagogias Sensíveis (UFRJ), GiTaKa (Unirio) e (CIMNE/CNPq/UFF).

Carolina Cony Dariano da Rosa, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.

Mestra em Educação na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), bolsista FAPERJ Mestrado Nota 10, possui graduação em Licenciatura em Dança pela Faculdade Angel Vianna (2009). Possui formação técnica em teatro no Teatro Escola de Porto Alegre TEPA). Foi professora substituta de dança da Escola de Educação Infantil da UFRJ, (atual Cap). É professora de dança na Escola Casa Monte Alegre. Integrante do grupo FRESTAS (Formação e Ressignificação do Educador: Saberes, Arte, Troca, Sentidos) vinculado ao NINA (Núcleo Infância, Natureza e Arte) na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Tem experiência na área de Artes,atuando nas artes cênicas e nas artes visuais. Seus últimos trabalhos artísticos foram as séries de vídeos Dança em Pequenos Lugares (2020), Breves Danças para pequenas Telas (Série de Vídeodança criada para o Instituto Moreira Salles-2021),, Mão-translação da casa pela paisagem (intervenção urbana -circense). Transatlântico, espetáculo online, dirigido por Cristina Moura, Renato Linhares e Mariana Lima. (Texto informado pelo autor)

Luciana da Costa Quintal, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.

Mestranda do programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu em Educação (PPGEdu/UNIRIO), com a orientação da Prof. Dra. Adrianne Ogêda Guedes (UNIRIO) e co-orientação do Prof. Dr. André Bocchetti (UFRJ). Pós-Graduada em Língua Portuguesa pela Universidade Veiga de Almeida (2011) e em Língua Latina pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (2011), graduada em Letras - com habilitação em Português/Espanhol pela Universidade Veiga de Almeida (UVA/2009), em Licenciatura em Teatro pelo Centro Universitário Ítalo Brasileiro (Unítalo/2021) e em Licenciatura em Dança pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ/2022). Atua como professora regente de Língua Portuguesa e Literatura da rede estadual para o Ensino Médio no Colégio Estadual Chico Anysio (30h) e no Colégio Estadual Affonso Penna (18h). Ministra também disciplinas articuladoras e eletivas, tais como Projeto de Intervenção e Pesquisa e Laboratório de Artes Cênicas. Integra o Grupo FRESTAS (Formação e Ressignificação do Educador: Saberes, Troca, Arte e Sentidos), coordenado pela professora Adrianne Ogêda Guedes. Integra também os projetos de pesquisa "Dança, etnografias, autoetnografias e outras narrativas" (DAC/UFRJ), coordenado pela Prof. Dra. Luciane Coccaro (UFRJ) e "Investigar o Poético" (UNIRIO), coordenado pela Prof. Dra. Priscilla Menezes (UNIRIO). Interessa as linhas de pesquisa voltadas para a Educação, no tocante à leitura, produção de textos, corporeidade e linguagens artísticas, tais como Literatura, Dança e Teatro. Escreve poesias e contos para antologias editoriais, em fase da publicação do seu primeiro livro de poesias, intitulado "Corpo que poesia", com previsão de lançamento para 2023. Atualmente em fase de pesquisa e escrita da dissertação sobre os processos artísticos e criativos de relatorias poéticas em Educação.

Referências

ANTONIO, Severino. Uma nova escuta poética da educação e do conhecimento: diálogos com Prigogine, Morin e outras vozes. São Paulo: Paulus, 2009.

BARDET, Marie. A filosofia da dança: um encontro entre dança e filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

BOFF, Leonardo. A solidariedade: um paradigma olvidado. Disponível em: <https://leonardoboff.org/2017/08/18/a-solidariedade-um-paradigma-olvidado/>. Acesso em: 18. out. 2022.

BARROS, M. de. Manoel de Barros: poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia? Aula aberta do Instituto Conhecimento Liberta, agosto, 2022.

DUARTE, Cristian. Ó - Um dispositivo de dança. Entrevista. TBA - Teatro do Bairro Alto. Publicado em 24/09/2022. Disponível em: < https://teatrodobairroalto.pt/public/public/espetaculo/o-um-dispositivo-de-danca-cristian-duarte-20220923>. Acesso em 18. out. 2022.

GIL, José. Movimento Total. São Paulo: Iluminuras, 2004.

GODOY, Rossana; RIBEIRO, Tiago. Chuva de estrelas: entre metáforas e narrativas para sentir/pensar caminhos investigativos desde nossas ancestralidades. Educação Unisinos São Leopoldo, v. 25 (2021), p. 1-13, mar. 2021.

MOSÉ, Viviane. Toda palavra. Rio de Janeiro: Record, 2006b.

KATZ, Helena. Corpar – porque corpo também é verbo. In: BASTOS, Helena. Coisas vivas: fluxos que informam. São Paulo: ECA-USP, 2021.

KUNDERA, Milan. A insustentável leveza do ser. Companhia das Letras, 2004.

MARINHO, Ana Carolina. Ó – Um dispositivo de dança. Teatro do Bairro Alto, 2022. Disponível em https:// https://teatrodobairroalto.pt/espetaculo/o-um-dispositivo-de-danca-cristian-duarte-20220923/. Acesso em 23/10/2022.

Publicado

2023-09-02 — Atualizado em 2024-05-09

Versões

Como Citar

OGEDA GUEDES, Adrianne; CONY DARIANO DA ROSA, Carolina; DA COSTA QUINTAL, Luciana. Sobre criar e pesquisar em coletivo: : processos formativos tecidos em solidariedades. Revista Brasileira de Estudos em Dança, [S. l.], v. 2, n. 3, p. 262–280, 2024. DOI: 10.58786/rbed.2023.v1.n3.59050. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rbed/article/view/59050. Acesso em: 18 jun. 2024.