AUTONOMIZAÇÃO DO CAMPO EDUCACIONAL: efeitos do e no ensino religioso

Autores

  • Luiz Antônio Cunha

DOI:

https://doi.org/10.20500/rce.v1i2.1501

Resumo

Com base no conceito de campo, de Pierre Bourdieu, o autor analisa as vicissitudes do processo de autonomização do campo educacional no Brasil, focalizando, para isso, o Ensino Religioso nas escolas públicas. Ao longo da argumentação, o texto focaliza protagonistas diretamente envolvidos nos conflitos do campo e examina a legislação sobre essa questão, no nível federal e nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, a qual é referidas à conjuntura política e social. O artigo conclui que, embora seja geral a tendência de perda de autonomia do campo educacional brasileiro, em proveito do campo político e do campo religioso, ela ocorre num grau menor em São Paulo do que no Rio de Janeiro.

Referências

BIRMAN, Patrícia (Org). Religião e espaço público. São Paulo: Attar Editorial, 2003.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CUNHA, Luiz Antônio. Educação, Estado e Democracia no Brasil. São Paulo: Cortez, 1991.

Dossiê Religiões no Brasil, Estudos Avançados (São Paulo), 2004, vol.18, no 52.

FREIRE, Américo e SARMENTO, Carlos Eduardo. Três faces da cidade: um estudo sobre a institucionalização e a dinâmica do campo político carioca (1889-1969). In MOTTA, Marly e outros. A política carioca em quatro tempos. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

Downloads

Publicado

2011-12-20

Edição

Seção

Número Temático: Avaliação educacional: desafios e perspectivas no cenário nacional e internacional