QUANDO O ESTADO PEDE SOCORRO À RELIGIÃO

Ana Maria Cavaliere

Resumo


O artigo trata da implantação do ensino religioso no Estado do Rio de Janeiro, com base na lei 3.459/2000. Constatou-se que, na ausência de propostas oriundas do próprio campo educacional para a formação geral dos alunos, a disciplina tem ocupado esse espaço, extrapolando sua atuação para além da formação religiosa, prevista em lei. Apresenta-se a idéia de que, frente às dificuldades enfrentadas pelo sistema escolar no processo de incorporação de grandes parcelas das classes populares, o Estado abdica de seu papel socializador e cede à religião parte de suas responsabilidades.


Texto completo:

PDF

Referências


CAVALIERE, Ana Maria. Escolas públicas de tempo integral: uma idéia forte, uma experiência frágil. In Cavaliere, A.M. e Coelho, L.M. Educação Brasileira em tempo integral. Petrópolis: Vozes, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o Estado moderno. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1968.

GIUMBELLI, Emerson e CARNEIRO, Sandra de Sá. Ensino Religioso no Estado do Rio de Janeiro -- registros e controvérsias. Rio de Janeiro: ISER, 2005.

JACOB, César R. et al. Atlas da filiação religiosa e indicadores sociais no Brasil. São Paulo: Editora Loyola, 2003, 240p.

LOPES, Valéria. G. Fundamentos Epistemológicos do Ensino Religioso Confessional e Plural. Rio de Janeiro, texto apresentado no 1o Seminário de Ensino Religioso do Leste I, promovido pelo Regional Leste e pela SEE/RJ, UERJ, 2005.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v1i2.1503

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.