FAZER CINEMA NA EDUCAÇÃO -- UMA UTOPIA EM CONSTRUÇÃO

Carlos Eduardo Albuquerque Miranda

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar o projeto de pesquisa, extensão e docência Linguagem e Arte Cinematográfica na Educação -- tecnologia, imaginação e memória, e demonstrar como o trabalho e a obra de Alain Bergala contaminou sua construção, pelo fato de ir ao encontro dos anseios antecedentes a este projeto. Com a proposição teórico-metodológica da hipótese-cinema, Bergala iluminou nossos desejos de realização de cinema na educação e tornou-se uma referência teórica importante para a sua idealização. Dentro da hipótese-cinema, destaca-se, principalmente, a proposição de uma pedagogia da criação. A forma narrativa escolhida é de relato referenciado teoricamente, que segue o percurso da rememoração -- um presente que nos remete a passados que, por sua vez, explicam este presente.

Palavras-chave


Educação. Cinema. Memória.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Milton José de. Imagens e sons: a nova cultura oral. São Paulo: Cortez Editora, 1994.

ALMEIDA, Milton José de. Cinema arte da memória. São Paulo: Autores Associados Editora, 1999.

BERGALA, A. L'hypothèse cinema: Petit traité de transmission du cinema à l'école et ailleurs Paris, Cahiers du Cinema, 2002.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1993.

FRESQUET, A. e XAVIER, M. Novas imagens do desaprender. Rio de Janeiro: Booklink, Cinead-Lise-FE/UFRJ, 2008.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v5i9.1599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.