O RETORNO DOS JOVENS À ESCOLA: A CENTRALIDADE DO TRABALHO

Nayara Cristina Carneiro de Araujo, Miriam Fabia Alves, Claudia Borges Costa

Resumo


O artigo discute a EJA considerando a centralidade do trabalho no retorno dos jovens à escola. Investigou-se o perfil dos educandos do Proeja-Fic/Pronatec da rede municipal de Goiânia/GO considerando cento e oito questionários formulados pela Divisão de Ensino Fundamental de Adolescentes, Jovens e Adultos aos educandos de uma escola que experimenta a integração entre formação geral e qualificação profissional no ensino fundamental; e 14 (catorze) entrevistas com educandos que declararam exercer alguma atividade profissional no momento.  A pesquisa foi impulsionada pela reflexão sobre a situação dos jovens trabalhadores, apontando o trabalho enquanto motivação nesse retorno dos jovens à escola.


Palavras-chave


juventude, mercado de trabalho, exclusão social

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Alexandre de Freitas. O conceito de trabalho informal, sua evolução histórica e o potencial analítico atual: para não jogar a criança fora junto com a água do banho. IN: OLIVEIRA, R.; GOMES, Darcilene; TARGINO, Ivan (orgs.). Marchas e contramarchas da informalidade do trabalho: das origens às novas abordagens. João Pessoa: Editora Universitária, 2011.

BRASIL. Comunicado n.º 160: Um retrato de duas décadas do mercado de trabalho brasileiro utilizando a Pnad. IPEA, 2013.

BOF, Alvana Maria (org.) A educação no Brasil rural. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CASTELLS, M.; BENTON, L.; PORTES, A.. The informal economy: studies in advanced and less developed countries. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1989.

CAMINI, Isabela. O cotidiano pedagógico de professores e professoras em uma escola de assentamento do MST: Limites e desafios. Mestrado em Educação. Porto Alegre: PPGEDU/UFRGS, 1998.

GORZ, André. Los Caminos del Paraiso - Para comprender la crisis y salir de ella por la izquierda. Barcelona: Editorial Laia, 1986.

GORZ, André. Adeus ao Proletariado - Para além do socialismo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

GORZ, André. Metamorfosis del Trabajo: Busqueda del Sentido. Madrid: Editorial Sistema, 1991.

GORZ, André. Miserias del Presente, Riqueza de lo Posible. Buenos Aires: Editorial Paidós, 1998.

GRAMSCI. Antônio. Cadernos do cárcere. vol. 1. Trad. Carlos Nelson Coutinho; co-edição, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999 e 2004a.

HOBSBAWN. Eric. A era dos extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

MORAES, Carmen Sylvia V. Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores de Qualidade: Regime de Colaboração e sistema nacional de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, jul.-set. 2013. p. 979-1001.

OFFE, Claus. Problemas estruturais e perspectivas para o futuro da sociedade do trabalho -- Trabalho & Sociedade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

OLIVEIRA, Martha Khol. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Trabalho encomendado pelo GT “Educação de pessoas jovens e adultas” e apresentado na 22ª Reunião Anual da ANPEd. Caxambu, 1999.

POCHMANN, Marcio. Desafios do desenvolvimento brasileiro. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, jul.-set. 2013. p. 705-722.

SENNETT, Richard. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

TOURAINE, Alain. O Pós Socialismo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.




DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v11i21.2000

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.