O letramento científico na BNCC: possíveis desafios para sua prática

Alessandra Batista de Godoi Branco, Emerson Pereira Branco, Shalimar Calegari Zanatta, Lucila Akiko Nagashima

Resumo


Esta pesquisa qualitativa, com análise documental e de dados e revisão de literatura apresentou conceitos e concepções sobre o letramento científico (LC) e analisou como é apresentado na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A referida Base apresenta o conceito de LC na área de Ciências da Natureza com algumas contradições de sentido. Investigou-se possíveis desafios para que a BNCC atinja seus ideais de educação equitativa e LC. Os resultados mostram que na educação nacional ainda há necessidade de melhorias na formação de professores, infraestrutura e recursos dos estabelecimentos e outros desafios que não podem ser ignorados. A disparidade entre sistemas, redes, escolas e condições de trabalho docente é um grande problema para a garantia de uma educação democrática, inclusiva e justa.

Palavras-chave


Base Nacional Comum Curricular, Ciências da Natureza, Letramento científico.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Versão Final. Ministério da Educação: Brasília, 2017a. Disponível em: . Acesso em: 6 nov. 2017.

_____________. Ministério da Educação. Governo do Brasil. Política Nacional de Alfabetização vai aperfeiçoar a aprendizagem no País. Brasília. Publicado em 25 out. 2017b. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2017.

BRANCO, Emerson Pereira... [et al.]. A implantação da base nacional comum curricular no contexto das políticas neoliberais. Curitiba: Appris, 2018.

CARVALHO, Marlene. Alfabetizar e letrar: um diálogo entre a teoria e a prática. 12.ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação. n. 22, p. 89-100, jan./abr. 2003. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2017.

COSSETIN, Vânia Lisa Fischer. Uma leitura ambivalente sobre a adoção de uma base curricular nacional: para fazer justiça à reflexividade da filosofia da educação. Educar em Revista, Curitiba, n. 66, p. 295-311, out./dez. 2017.

CUNHA, Antonio Geraldo. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4.ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

CURY, Carlos Roberto Jamil; REIS, Magali; ZANARDI, Teodoro Adriano Costa. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 22.ed. São Paulo: Autores Associados, 1989.

GERMANO, Marcelo Gomes. Uma nova ciência para um novo senso comum. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

INEP – INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo Escolar da Educação Básica 2016: Notas estatísticas. Brasília: Inep, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2017.

_____________. Pisa no Brasil. Página atualizada em: 20 out. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2017.

MACEDO, Elizabeth. Base nacional curricular comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n. 02, p. 45-67, abr./jun., 2016.

MAMEDE, Maíra; ZIMMERMANN, Erika. O letramento científico e CTS na formação de professores para o ensino de ciências. Enseñanza de lasciencias, 2005. Número extra. VII Congreso. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2017.

MARCONDES, Maria Eunice Ribeiro. As Ciências da Natureza nas 1ª e 2ª versões da Base Nacional Comum Curricular. Estudos avançados, v. 32, n. 94, p. 269-284, dez. 2018.

MOTTA-ROTH, Désirée. Letramento científico: sentidos e valores. Notas de Pesquisa, Santa Maria, v. 1, n. 0, p. 12-25, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2017.

OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Programme For Internacional Student Assessment (PISA): ResultsFrom Pisa 2015 Brasil, 2016a.

__________. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros. São Paulo: Fundação Santillana, 2016b.

PRAIA, João; GIL-PEREZ, Daniel; VILCHES, Amparo. O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Ciência & Educação, v. 13, n. 2, p. 141-156, 2007. Disponível em: . Acesso em: 4 dez. 2017.

GIMENO SACRISTÁN, José. O que significa o currículo? In: GIMENO SACRISTÁN, José (organizador). Saberes e incertezas sobre o currículo. Tradução: Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Penso, 2013.

SASSERON, Lúcia Helena; CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, v.16, p. 59-77, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2017.

SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25. jan./abr. 2004. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2017.

ZANATTA, Shalimar Calegari. A implantação de uma Base Nacional Comum Curricular – BNCC no contexto do processo ensino-aprendizagem de Física. In: NEVES, Marcos Cesar Danhoni; ZANATTA, Shalimar Calegari; TROGELLO, Anderson Giovani (org.). Conhecimento público, educação tutorial e outras reflexões sobre o ensino de Ciências. Maringá: LCV-UEM, 2017, p. 311-330.




DOI: https://doi.org/10.20500/v15i33.32073

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

    


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.