NEGRITUDE E UNIVERSIDADE: EVIDENCIANDO QUESTÕES RELACIONADAS AO INGRESSO E AOS PROJETOS CURRICULARES. IOLANDA OLIVEIRA (ORGANIZADORA), 2015

Joselina da Silva

Resumo


A década de setenta marca um dos momentos inauguradores, no Brasil, da constituição do corpo como bandeira e afirmação identitária por parte dos movimentos sociais negros. A negritude, em performance inspirada nos movimentos brasileiros dos anos trinta, em São Paulo, tomou a rua nas diversas capitais do país. Eram os movimentos Black Soul e os blocos afros. Os primeiros, aludiam diretamente aos afro estadunidenses; os segundos, por sua vez, cunhados por uma juventude cultural afro-baiana, instituíam uma moda capilar advinda dos trançados de diferentes países do continente africano, somados aos dreadlocks jamaicanos rematados com as roupas trajadas pelos orixás do panteão yorubá, das casas de culto ancestral. Nessa ambiência é que se destaca o protagonismo da intelectual que organiza o livro Negritude e universidade.

Palavras-chave


relação étnico-raciais; negritude; universidade; ensino superior

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.20500/rce.v12i23.9952

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Contemporânea de Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

         


RCE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. ISSN 1809-5747

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.