Concepções de residentes em saúde mental sobre o cuidado ofertado em rede de atenção psicossocial / Conceptions of residents in mental health on care provided in a psychosocial attention network

Mikaelly Duarte Leite, Márcia Maria Mont' Alverne de Barros

Resumo


Resumo: A Rede de Atenção Psicossocial-RAPS é constituída por serviços e dispositivos voltados para a superação da lógica manicomial, priorizando dentre outros aspectos, o exercício da cidadania e inserção social das pessoas com transtornos mentais. Neste cenário, compreende-se que a Residência Multiprofissional em Saúde Mental é relevante para o processo de qualificação dos serviços, no que concerne ao fortalecimento da rede de atenção psicossocial, à integralidade da atenção e qualificação das práticas dos trabalhadores dos serviços de saúde. Objetivou-se nesse estudo, conhecer as concepções da primeira turma da Residência Multiprofissional em Saúde Mental da Paraíba acerca do cuidado em saúde mental prestado na RAPS de João Pessoa e Cabedelo. Trata-se de uma pesquisa descritiva-exploratória, desenvolvida por abordagem qualitativa, realizada com 8 residentes. Utilizou-se uma entrevista semiestruturada, e para sua interpretação, seguiu-se a análise de conteúdo. Os resultados indicaram, a partir dos relatos das residentes, fragilidades concernentes à desvalorização do trabalhador e da saúde mental e condições de trabalho precárias, por exemplo, dificuldades relevantes que estão em discordância com as propostas do novo modelo de atenção psicossocial e da reforma psiquiátrica brasileira. No entanto, os achados da pesquisa também evidenciaram potencialidades da RAPS e contribuições importantes dos residentes nestes serviços, às quais estão em consonância com os pressupostos do cuidado ancorado na atenção psicossocial, como o apontamento de profissionais identificados com a saúde mental e práticas das residentes que favoreceram o empoderamento, autonomia e protagonismo dos usuários.

 

Abstract

The Psychosocial Attention Network (RAPS) consists of services and devices designed to overcome the asylum logic, prioritizing, among other aspects, the exercise of citizenship and social insertion of people with mental disorders. In this scenario, it is understood that the Multiprofessional Residency in Mental Health is relevant to the qualification process of the services, regarding the strengthening of the psychosocial care network, to the integral attention and qualification of the practices of health service workers. The objective of this study was to understand the conceptions of the first group of the Multiprofessional Residency in Mental Health of Paraíba regarding the mental health care provided in the RAPS of João Pessoa and Cabedelo. It is a descriptive-exploratory research, developed in the qualitative approach, carried out with 8 residents. A semi-structured interview was used, and for its interpretation, content analysis was followed. The results indicated, from the residents' reports, weaknesses concerning worker devaluation and mental health and precarious working conditions, for example, relevant difficulties that are in disagreement with the proposals of the new psychosocial care model and the Brazilian psychiatric reform. However, the research findings also highlighted the potential of RAPS and the important contributions of residents in these services, which are in line with the assumptions of care anchored in psychosocial care, such as the assignment of professionals identified with mental health and practices of residents who favored the empowerment, autonomy and protagonism of users.

Keywords: Psychosocial Attention Network; Multiprofessional Residence; Mental health.


Palavras-chave


Rede de Atenção Psicossocial; Residência Multiprofissional; Saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. PORTARIA GM/MS n° 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2016.

Pires RR., Ximenes VM., Nepomuceno BB. Práticas de cuidado em saúde mental no Brasil: análise a partir do conceito de cidadania. Avances em Psicología Latino americana, 2013. 31(3): 507-521.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_34_saude_mental.pdf. Acesso em: 27 mar. 2017.

Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Relatorio15_anos_Caracas.pdf> Acesso em: 27 mar. 2017.

Macedo JP., Dimenstein M. A reforma psiquiátrica em contextos periféricos: o Piauí em análise. Memorandum. 2012. Memorandum [Internet], 2012. 22: 138-164. Disponível em:. Acesso em: 07 ago. 2016.

Brasil. Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Resolução de 13 de abril de 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. de 2016.

Lobato CP. Formação dos trabalhadores de saúde na residência multiprofissional em saúde da família: uma cartografia da dimensão política. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Pr, 2010.

Minayo, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

Dimenstein M., et al. O atendimento da crise nos diversos componentes da rede de atenção psicossocial em Natal/RN. Revista Polis e Psique, 2012. 2 (3): 98.

Cavalcante ACG., et al. Indicativos do processo de avaliação de serviços de saúde mental. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2014. 16 (1): 109-16.

Miranda L., Oliveira., TFK Santos., CBT. Estudo de uma Rede de Atenção Psicossocial: paradoxos e efeitos da precariedade. Psicol. cienc. prof, 2014. 34 (3).

Guimarães JMX., Jorge MSB., Assis MMA. (In)satisfação com o trabalho em saúde mental: um estudo em Centros de Atenção Psicossocial. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 2011. 16(4): 2145-2154.

Soares CA., et al. A gestão do trabalho no campo da saúde mental: desafios e possibilidades. Cadernos ESP, 2016. 9 (1): 9-18.

Merhy EE., et al. Acessibilidade em uma complexa rede substitutiva de cuidado em saúde mental: o caso de Campinas, Processo575121/2008 4. Relatório Final. CNPq, 2011. Disponível em: http://www.medicina.ufrj.br/micropolitica/pesquisas/acessibilidade/ Acesso em: 27 mar. 2017.

Demarco DA., Jardim VMR., Kantorski LP. Health care to people with mental disorders in the network for psychosocial care. Revista Online de Pesquisa - Cuidado é Fundamental, 2016. 8 (3): 4821-4825.

Organização Mundial de Saúde e Organização Mundial de Médicos de Família (Wonca). Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários: uma perspectiva global. Coordenação Nacional para a Saúde Mental. Portugal, 2008. Disponível em: http://www.who.int/eportuguese/publications/Integracao_saude_mental_cuidados_primarios.pdf?ua=1 Acesso em: 27 mar. 2017.

Maynart WHDC., et al. A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta Paulista de Enfermagem, 2014. 27 (4): 300-304.

Merhy EE. Como fatiar um usuário: ato médico + ato enfermagem + ato X+ ato Y. Conselhos Regionais de Saúde MG: jornal unificado, 2003. Disponível em: http://www.uff.br/saudecoletiva/professores/merhy/artigos-29.pdf Acesso em: 27 mar. 2017

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/residencia_multiprofissional.pdf Acesso em: 27 mar. 2017.

Barros MMMA., et al. Gestão de dispositivo de atenção em saúde mental à luz do processo de reforma psiquiátrica brasileira. In: Modelos e experiências de uma rede de atenção em saúde mental. Org. Valeska Berman Machado, et al. 1 ed. Curitiba, PR: CRV, 2015. P. 71-99.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório Final da IV Conferência Nacional de Saúde Mental -- Intersetorial, 27 de junho a 1 de julho de 2010. Brasília: Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde, 2010a, 210 p. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/relatorio_final_IVcnsmi_cns.pdf Acesso em: 27 mar. 2017.

Barros MMMA., Jorge MSB. Experiências das famílias com usuários atendidos em dispositivos de atenção psicossocial. Tese (Programa de Doutorado em Saúde Coletiva) -- Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências da Saúde, Fortaleza, 2012.

Pimentel PKDA., Junior NC. Algumas considerações sobre o uso da empatia em casos e situações limite. Psicologia Clínica, 2009. 21 (2): 301-314.

Merhy EE., Feuerwerker LCM. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. Leituras de novas tecnologias e saúde. São Cristóvão: Editora UFS, 2009. 1: 29-56.

Bezerra IC., et al “Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá”: processo de medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 2014. 18 (48) 61-74.

Brasil. Ministério da Saúde. Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva. Guia prático de matriciamento em saúde mental. Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2017.

Guattari F. As três ecologias. 13. ed. Campinas, SP: Papirus, 1990.

Morselli VL., et al. Experiências e desafios na perspectiva da clínica ampliada em saúde mental. In: Redes de assistência em saúde mental e dependência química: reflexões sobre o cuidado. Org. Silvana Carneiro Maciel. João Pessoa: Ideia, 2016. 253-274.

Costa MDAGSG., Figueiró RA., Freire FHMA. O fenômeno da cronificação nos Centros de Atenção Psicossocial: um estudo de caso. Temas em Psicologia, 2014. 22 (4): 839-851.

Freire P; Shor Ira. Medo e ousadia -- o cotidiano do professor. Rio de

Janeiro: Paz e Terra, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB