Experiências de mulheres com artrite reumatoide atendidas pela Terapia Ocupacional/Conceptions of women with rheumatoid arthritis on their emotional status, occupational performance and occupational therapeutic treatment

Leide Daiane Maria do Nascimento, Márcia Maria Mont' Alverne de Barros

Resumo


RESUMO 

A artrite   reumatoide é uma doença crônica, inflamatória de origem autoimune, sistêmica, caracterizada por um quadro de dor e edema, podendo causar deformidade óssea devido a destruição da cartilagem, sendo assim um fator que afeta o desempenho ocupacional, consequentemente a qualidade de vida e o bem-estar do sujeito, podendo gerar sintomas depressivos. Objetivou-se com esse estudo conhecer as concepções de mulheres sobre as repercussões da artrite reumatoide no seu estado emocional, desempenho ocupacional, assim como, de que maneira concebem o tratamento ofertado pela terapia ocupacional, em um setor de reabilitação, de um hospital universitário, localizado em um município do Estado da Paraíba. Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória, com abordagem qualitativa, realizada com cinco mulheres com artrite reumatoide. Os aspectos éticos foram seguidos, consoante recomenda a Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde. A coleta de informações ocorreu nos meses de julho e agosto de 2018. Utilizou-se uma entrevista semiestruturada e realizou-se a análise de conteúdo temática. Emergiram categorias, tais como: categoria 1: mulheres referem que a artrite reumatoide repercute no seu estado emocional; categoria 2: mulheres argumentam que a artrite reumatoide interfere nas suas atividades de vida diária; Categoria 3: mulheres relatam resultados da assistência ofertada pela terapia ocupacional. Identificaram-se pelas falas das mulheres que a artrite reumatoide afeta de forma negativa o seu estado emocional, devido a redução da capacidade funcional, interferindo de maneira expressiva no seu desempenho ocupacional.

 

Abstract

Rheumatoid arthritis is a chronic, inflammatory, autoimmune, systemic disease characterized by pain and edema. It can cause bone deformity and affect the occupational performance, consequently the quality of life and the well-being of the subject, and can generate depressive symptoms. This study aimed to know the conceptions of women about the repercussions of rheumatoid arthritis on their emotional state, occupational performance, (AVDS and AIVDS) and on the occupational therapeutic treatment. This is an exploratory descriptive research, with a qualitative approach, carried out in a public hospital in a municipality of the State of Paraíba, with five women with rheumatoid arthritis. Ethical aspects were followed, as recommended by Resolution 466/12 of the National Health Council. Information collection took place in July and August 2018. A semistructured interview and analysis of thematic content were used. Categories emerged: category 1: women report that rheumatoid arthritis has repercussions on their emotional state; category 2: women argue that rheumatoid arthritis interferes with their daily living activities; Category 3: Women report that rheumatoid arthritis affects their instrumental activities of daily living. Category 4: women report the results of care offered by occupational therapy. It has been identified by women's statements that rheumatoid arthritis negatively affects their emotional state, due to the reduction of functional capacity, significantly interfering in their occupational performance.

Keywords: Women, Rheumatoid Arthritis, Occupational Performance, Occupational Therapy.

 

Resumen

La artritis reumatoide es una enfermedad crónica, inflamatoria, de origen autoinmune, sistémica, caracterizada por un cuadro de dolor y edema. Puede causar deformidad ósea y afectar el desempeño ocupacional, consecuentemente la calidad de vida y el bienestar del sujeto, pudiendo generar síntomas depresivos. Este estudio tuvo como objetivo conocer las concepciones de mujeres sobre las repercusiones de la artritis reumatoide en su estado emocional, desempeño ocupacional, (AVDS y AIVDS) y en el tratamiento terapéutico ocupacional realizado. Se trata de una investigación descriptiva exploratoria, con abordaje cualitativo, realizada en un hospital público, de un municipio del Estado de Paraíba, con cinco mujeres con artritis reumatoide. Los aspectos éticos fueron seguidos, según recomienda la Resolución 466/12 del Consejo Nacional de Salud. La recolección de informaciones ocurrió en los meses de julio y agosto de 2018. Se utilizaron una entrevista semiestructurada y el análisis de contenido temático. Las categorías: categoría 1: las mujeres refieren que la artritis reumatoide repercute en su estado emocional; categoría 2: mujeres argumentan que la artritis reumatoide interfiere en sus actividades de vida diaria; Categoría 3: Las mujeres reportan que la artritis reumatoide afecta a sus actividades instrumentales de vida diaria. Categoría 4: las mujeres reportan los resultados de la asistencia ofrecida por la terapia ocupacional. Se identificaron por las palabras de las mujeres que la artritis reumatoide alcanza de forma negativa su estado emocional, debido a la reducción de la capacidad funcional, interfiriendo de manera expresiva en su desempeño ocupacional.

Palabras claves: Mujeres, Artritis Reumatoide, Desempeño Ocupacional, Terapia Ocupacional.


Palavras-chave


Mulheres, Artrite Reumatoide, Desempenho Ocupacional, Terapia Ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Sociedade Brasileira De Reumatologia Acesso em 15 de março de 2018 disponível em:

https://www.reumatologia.org.br/doencas/principais-doencas/artrite-reumatoide.

Regula SUS. Resumo Clinico de Artrite Reumatóide. TelessaúdeRS/UFRGS. Porto Alegre. 2016; p 1-11.

Goeldner I, Skare TL, Reason ITM, Utiyama SRR, Artrite Reumatóide uma visão atual. Bras Patol Med Lab. Curitiba. 2001; 47(5):495-503.

Costa AF, Brasil MAA, Papi JÁ, Azevedo MNL. Depressão, Ansiedade e Atividade de Doença na Artrite Reumatoide. Revista Brasileira de Reumatolologia. 2008; 48(1):7-11.

Mota LMH, Laurindo IMM, Neto LLS. Avaliação prospectiva da qualidade de vida em uma

coorte de pacientes com artrite reumatoide inicial Rev. Bras Reumatol. 2010; 50(3):249-61.

Miranda, LCG. Terapia Ocupacional em reumatologia: pratica baseada na evidência na artrite reumatoide. 2012. 29 f. Monografia (Especialização) - Curso de Terapia Ocupacional, Instituto Politécnico do Porto, Vila Nova de Gaia, 2012.

Neistad ME, Blessed, E (Org.). Willaard e Spckman Terapia Ocupacional. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. 859 p.

Campos APR, Silva C M, Castro SS, & Graminha CV. Depressão e qualidade de vida em indivíduos com artrite reumatoide e indivíduos com saúde estável: um estudo comparativo. Fisioterapia e Pesquisa.2003; 20(4): 401-407.

Almeida PHTQ, Pontes TB, Matheus JPC, Muniz LF, Mota LMH, Terapia ocupacional na artrite reumatoide: o que meu reumatologista precisa saber? Revista Brasileira de Reumatologia. Brasília. 2014; 55(3):272-280,

Pinto, CRJ. Feminismo, história e poder. Rev. Sociol. Polít. Curitiba. 2009; 18(36):15- 23.

Minayo, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

Conselho Nacional De Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – Resolução 466/12. Disponível em: . Acesso em: 06 de julho de 2016.

Roma I, Almeida ML, Mansano NS, Viani GA, Assis MR, Barbosa PMK. Qualidade de vida de pacientes adultos e idosos com artrite reumatoide. Revista Brasileira de Reumatologia. 2014;54(4):279–286.

Fuchs M, Cassapian MR. A Terapia Ocupacional e a dor crônica em pacientes de Ortopedia e Reumatologia: revisão bibliográfica. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos. 2012; 20(1):107-119.

Sontag I, de Sousa D, Borges Dario A, Gomes Ribeiro G, Domenech SC, Gomes Borges Junior, N, da Silva Gevaerd, M. Estado de humor na Artrite Reumatoide. ConScientiae Saúde. 2017;16(3):327-334.

De Carlo MMR do P, Queiroz MEG de, Santos W de A. Terapia ocupacional em dor e cuidados paliativos: princípios, modelos de intervenção e perspectivas. In: Dor e cuidados paliativos: terapia ocupacional e interdisciplinaridade. São Paulo: Roca; 2008.

American Occupational Therapy Association. Occupational therapy practice framework:Domain and process (3rd ed.). American Journal of Occupational Therapy; 2014.

Terminologia uniforme para a Terapia Ocupacional. In: Neistdt ME, Crepeau, EB. Terapia Ocupacional. Apêndice f. 9ª ed. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro; 2002. p. 831-836.

Parreira MM, Cavalcanti A, Cunha JHS, Cordeiro JRC. Papéis ocupacionais de indivíduos. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2013; 24(2):127-3.

Silva GCC, Santos LM, Teixeira LA, Lustosa MA, Couto SCR, Vicente TA, Et al. A mulher e sua posição na sociedade, da antiguidade aos dias atuais. Revista da SBPH 8.2. 2005: 65-76.

Trombly, CA.; Radomski, MV (Org.). Terapia Ocupacional para disfunções físicas. 5. ed. São Paulo: Santos; 2005. 1157 p.

Godinho IAM, Cruz RM, Zulian MAR. A Terapia Ocupacional na Artrite Reumatóide e a Classificação Internacional De Funcionalidade (CIF). XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VIII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do

Vale do Paraíba.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto21466

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB