Abordagem da Terapia Ocupacional a bebês com microcefalia: uma experiência do estágio curricular / An occupational therapy approach to babies with microcephaly: an experiment in curricular internship

Jamine Cunha dos Reis, Patricia da Silva Santos, Mayara Francelle Oliveira Barata, Ilka Veras Falcão

Resumo


Introdução: Devido o surto de Zika, em 2015/2016, nasceram no Recife/PE bebês com microcefalia, resultando em desenvolvimento atípico. A gravidade do quadro para a saúde pública exigiu resposta rápida, com pesquisas, treinamento e estruturação da rede de saúde. Assim, o terapeuta ocupacional incorporou-se às equipes de estimulação e reabilitação das crianças e à produção de conhecimentos na área. Objetivo: Apresentar a experiência de atendimento a bebês com Síndrome Congênita do Zika Vírus (SCZV), durante estágio curricular de Terapia Ocupacional. Método: Relato de estágio curricular de Terapia Ocupacional utilizando registros clínicos e de supervisão pela orientadora e docente, durante estágio de cinco meses, em um serviço de Doenças Infectocontagiosas de um hospital-escola, referência para atendimento a recém nascidos com a SCVZ. Resultados: Foram atendidos 24 bebês com microcefalia, com idade entre 3 e 10 meses. Foi detectado comprometimento de funções neurológicas, com atraso do desenvolvimento neuropsicomotor, alterações de tônus e dos sistemas visual, auditivo, proprioceptivo, vestibular e tátil. A estimulação foi dirigida as habilidades para o desenvolvimento infantil e criação de ambiente apropriado e seguro visando às aquisições motoras, sensoriais, de comunicação, cognitivas e sociais das crianças. Orientações as famílias, confecção de adaptações, facilitação do brincar e de atividades de vida diária também foram realizadas. Conclusão: O estágio permitiu experienciar às contribuições da Terapia Ocupacional para a estimulação de crianças com microcefalia, capacitando-nos como futuros profissionais para as demandas da atualidade e para a produção de conhecimentos.

 

Abstract

 

Introduction: Due to the outbreak of  the Zika virus, in 2015/2016, many babies were born with microcephaly in Recife/PE, resulting in atypical development. The severity of this panorama for public health required a rapid response, through research, training and structuring of the health network. Thus, occupational therapists were incorporated into the teams for infant stimulation and rehabilitation, and into the production of knowledge in the area. Objective: To describe the experience of assisting children with microcephaly by the Zika Virus, during a curricular internship of occupational therapy. Method: Reports of the curricular internship of occupational therapy. We used the clinical supervision records from the professional and academic training, during 5 months in the infectious diseases infirmary and outpatient clinic at a referral university hospital for congenital Zika virus syndrome in Recife. Results: Twenty-four infants with microcephaly, aged between 3 and 10 months, were treated. We observed neurological impairment, with delayed neuropsychomotor development, and alterations in the tonus and visual, auditory, proprioceptive, vestibular and tactile systems. Stimulation was directed towards the skills for infant development and for creating an appropriate, safe environment in which children were able to acquire motor, sensory, communication, cognitive and social skills. Guidelines for the families, making adaptations, facilitation of playing skills and activities of daily living were also carried out. Conclusion: The training period allowed us to experience the contributions of occupational therapy for the stimulation of children with microcephaly, preparing us as future professionals for the current demands and for the production of knowledge.

Keywords: Microcephaly; Occupational Therapy; Early Intervention; Clinical Clerkship; Zika Virus


Palavras-chave


Microcefalia; Terapia Ocupacional; Estimulação precoce; Estágio clínico; Zika Vírus.

Texto completo:

PDF

Referências


Ceccim RB; Feuerwerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saude Publica. 2004;20(5):1400--10.

Brasil, Ministério da saúde. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Terapia Ocupacional. Resolução CNE/CES 6, 19 fevereiro 2002. 2002; 53(9):1689--99.

Bousso RS; Merighi MA; Rolim MA; Riesco ML; Angelo M. Clinical experience of nursing students: transition of identities. Rev da Esc Enferm da USP [Internet]. 2000;34(2):218. Available from: http://chester.summon.serialssolutions.com/link/0/eLvHCXMwY2BQME5KBdYCpokmyUYGwNaFYVKScaKpWbKZUVKyoUEK-GT9KA-LcG-LsECLcKTS3E2IgSk1T5RBzs01xNlDF1IhxBdATl0ANlWNjc2BjWNDMQbeRNDq77wS8C6xFHEG1jRgVKWKg4pPcaBR4gwcEZZGQX4RlgEQrhCMq1cM3sqkV1giDiytwTGta6hnCgD7cyv-%5C

Silva V da O; Santana PMMA de. Conteúdos curriculares e o sistema único de saúde (SUS): Categorias analíticas, lacunas e desafios. Interface Commun Heal Educ. 2015;19(52):46--56.

Universidade Federal de Pernambuco. Estrutura do curso Terapia Ocupacional [Internet]. [cited 2016 Aug 9]. Available from: https://www.ufpe.br/ccs/index.php?option=com_content&view=article&id=305&Itemid=379

Brasil, Ministério da Saúde. Monitoramento dos Casos de Microcefalia no Brasil. Inf Epidemiológico No 57 -- Sem Epidemiológica 52/2016 (25 a 31/12/2016). 2016;57:Ministério da Saúde.

Henriques CMP; Duarte E; Garcia LP. Desafios para o enfrentamento da epidemia de microcefalia. Epidemiol Serviço e Saúde. 2016;25(1):7--10.

Brasil, Ministério da Saúde. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia e/ou alterações do sistema nervoso central (SNC). Ministério da Saúde. 2015;18, 24.

Miranda-Filho DB; Martelli CMT; Ximenes RAA; Araújo TVB; Rocha MAW; Ramos RCF; et al. Initial description of the presumed congenital Zika syndrome. Am J Public Health. 2016;106(4):598--600.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes de Estimulação Precoce Crianças de zero a 3 anos com Atraso no Desenvolvimento Neuropsicomotor Decorrente de Microcefalia. Secr Atenção à Saúde. 2016;123.

Schuler-Faccini L; Ribeiro EM; Feitosa IML; Horovitz DDG; Cavalcanti DP; Pessoa A, et al. Possível associação entre a infecção pelo vírus zika e a microcefalia. Brasil, 2015. Weekly. 2016;65(3):59--62.

Pinto e Sá LMS. Intervenção Precoce e Microcefalia Estratégias de Intervenção Eficazes. [Dissetação]. Lisboa: Esc Super Educ João Deus; 2013;

Rafaini PG da C; Pacciulio AM; Panúncio-Pinto MP; Pfeifer LI. Estimulación Temprana en Enfermería Pediátrica: El Papel Ocupacional. TOG (A Coruña) [Internet]. 2012;9:1--11. Available from: http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5091796

Fontes CMB; Mondini CC da SD; Moraes MCAF; Bachega MI; Maximino NP. Utilização de brinquedo terapêutico na assistência à criança hospitalizada. Rev Bras Educ Espec. 2010;16(1):95--106.

Giardinetto ARS; Martini EC; Cruz JÁ; Moni LO; Ruiz LM; Rodrigues P; Pererira T. A importância da atuação da Terapia Ocupacional com a população infantil hospitalizada: A visão de profissionais da área da saúde. Cad Ter Ocup da UFSCar [Internet]. 2009;17(1):63--9. Available from: http://www.cadernosdeto.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/119

Giacchini V; Tonial A; Mota HB. Aspectos de linguagem e motricidade oral observados em crianças atendidas em um setor de estimulação precoce. Distúrb comum. 2013;25(2):253--65.

Martinez C; Joaquim R; Oliveira E; Santos I. Suporte informacional como elemento para orientação de pais de pré-termo: um guia para o serviço de acompanhamento do desenvolvimento no primeiro ano de vida. Rev Bras Fisioter. 2007;11(1):73--81.

Franceschi DZ; Peruzzolo DL. A intervenção em estimulação precoce com ênfase na relação mãe/bebê- Estudo de caso. PERSPECTIVA. 2010;35(129):113--20.

Nobre MIRS; Gardon Gagliardo HGR. Intervenção Precoce na Criança com Baixa Visão. Rev Neurociências. 2001;9(1):16--9.

Araújo AE; Galvão C. Desordens Neuromotora. In: Cavalcanti A, Galvão C, editors. Terapia Ocupacional: Fundamentação e prática. Guanabara. Rio de Janeiro; 2007.

Levit K. Otimizando o comportamento motor com o uso do conceito Bobath. In: Radomsky MV; Latham CT; (orgs.). Terapia Ocupacional para disfunções físicas. São Paulo. Santos; 2013.

Domingues ACG; Martinez CMS. Hospitalização infantil: buscando identificar e caracterizar experiências de terapia ocupacional com crianças internadas. Cadernos de Terapia Ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar. 2001;

Zerbinato L; Makita LM; Zerloti P. Paralisia Cerebral. In: Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC, editors. Terapia Ocupacional na reabilitação física. Roca. São Paulo; 2003. p. 503--34.

Holanda ICLC. Ações educativas na estimulação precoce análise do desempenho das mães no cuidado diário com os filhos. Diss -- Univ Fortaleza. 2004;

Gonzaléz AD; Almeida MJ. Integralidade da saúde -- norteando mudanças na graduação dos novos profissionais. Cien Saude Colet. 2010;15(3):757--62.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB