O jogo como estratégia de investigação e reeducação alimentar de crianças com obesidade/ A game as a strategy for food research and reeducation of children with obesity

Lucy Talita da Silva, Maria Regina Pontes Luz Riccioppo, Lucieny Almohalha

Resumo


A obesidade tornou-se um dos mais graves problemas de saúde pública e sua alta incidência está presente em todas as faixas etárias. O objetivo desta pesquisa foi investigar os hábitos e promover a reeducação alimentar de crianças de 7 a 11 anos por meio do brincar através de um jogo de tabuleiro. Foi uma pesquisa descritiva exploratória, onde 10 crianças foram convidadas a participar de um jogo de tabuleiro sobre alimentação num ambulatório de obesidade infantil da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Além do jogo, utilizaram-se como instrumentos dois roteiros semi-estruturados, um para crianças, visando identificar seus hábitos alimentares, e outro para seus responsáveis legais, para verificar o perfil socioeconômico. A partir da análise dos questionários e da explanação do brincar, investigaram-se os hábitos alimentares e notou-se fatores de risco contribuintes para obesidade e doenças crônicas. Através do brincar foi possível promover o conhecimento das propriedades nutricionais dos alimentos e da necessidade de mudanças alimentares para se obter hábitos mais saudáveis.

 

Abstract: Obesity has become one of the most serious public health problems and its high incidence is present in all age groups. This research investigated dietary habits and promote alimentary reeducation of children aged 7 to 11 years. It was a descriptive exploratory research in which 10 children were invited to participate in a board game about food in an obesity outpatient service for children in the Federal University of Triângulo Mineiro. Besides the board game, it was used two semi-structured questionnaires, one of that was applied to children and cover their eating habits and the other one with their legal guardians regarding their socioeconomics profile. Throughout analyses of data, it was verified the participant’s eating habits and it was noted the diversity of risk condition for obesity and chronic disease associated with it. From the analyses of the board game, it was possible to promote knowledge about the nutritional properties of food and the need for changes in eating habits to achieve a healthier nutrition.

Key words: Occupational Therapy; childhood obesity; games and play; food education.

 

Resumen: La obesidad se ha convertido en uno de los problemas de salud pública más graves y su alta incidencia está presente en todos los grupos de edad. El objetivo de esta investigación fue investigar los hábitos y promover la reeducación alimentaria de niños de 7 a 11 años jugando un juego de mesa. Fue una investigación exploratoria descriptiva, donde 10 niños fueron invitados a participar de un juego de mesa sobre alimentos en el atendimiento ambulatorio de obesidad infantil de la Universidad Federal de Triangulo Mineiro. Además del juego, se utilizaron dos guiones semiestructurados, uno para los niños esperando que identifiquen sus hábitos alimenticios y otro para sus tutores legales, para verificar el perfil socioeconómico. A partir del análisis de los cuestionarios y de la explicación del juego, se investigaron los hábitos alimenticios y se observaron los factores de riesgo que contribuyen para la obesidad y las enfermedades crónicas. A través del juego fue posible promover el conocimiento de las propiedades nutricionales de los alimentos y de la necesidad de cambios en la alimentación para obtener hábitos más saludables.

Palabras clave: Terapia ocupacional; obesidad infantil; juegos y juguetes; Educación alimentaria.


Palavras-chave


Terapia Ocupacional; obesidade infantil; jogos e brinquedos; educação alimentar.

Texto completo:

PDF

Referências


Ceolin P, Dakazem L, Laranjeira L, Alvarenga M. Avaliação do estado nutricional e hábitos alimentares de pré-escolares e escolares da escola modelo do centro universitário adventista de São Paulo – UNASP. Rev. Bras. de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2008; 2: 522-38.

Brasil, Comunicação Social. POF 2008-2009: desnutrição cai e peso das crianças brasileiras ultrapassa padrão internacional. [periódico online]. 2011 [acesso em 23 jun. 2011]. Disponível em:http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1699&id pagina=1.

Scorzoni N, Araújo RCT. Obesidade infanto-juvenil de causas exógenas: estudo de caso na perspectiva da terapia ocupacional. Rev. de Iniciação Científica da FFC. 2009; 9: 269-84.

De Sá AG et al. Sobrepeso e obesidade entre crianças em idade escolar. Nutr. clín.diet. hosp. 2017; 37(4):167-171. DOI: 10.12873/374godinho.

Gurnani M, Birken C, Hamilton J. Childhood Obesity: Causes, Consequences, and Management. Pediatr Clin North Am. 2015 Aug; 62(4):821-40.

Soares LD, Petroski EL. Prevalência, fatores etiológicos e Tratamento da obesidade infantil. Rev. Bras. de Cineantropometria & Desempenho Humano. 2003; 5(1): 63-74.

Viana V. Psicologia, saúde e nutrição: Contributo para o estudo do comportamento alimentar. Rev. Análise Psicológica. 2002; 4: 611-24.

Miranda et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade infantil em instituições de ensino: públicas vs. Privadas. Rev Bras Med Esporte. 2015; 21(2):104-107.

Mello ED, Luft VC, Meyer, F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? J Pediatr. 2004; 80 (3): 173-80.

Cruz SH et al. Problemas de comportamento e excesso de peso em pré-escolares do sul do Brasil. J Bras Psiquiatr. 2017; 66(1):29-37.

Henriques P et al. Políticas de Saúde e de Segurança Alimentar e Nutricional: desafios para o controle da obesidade infantil. Ciência & Saúde Coletiva. 2018; 23 (12):4143-4152.

World Health Organization (WHO). Report of the commission on ending childhood obesity. Washington: WHO; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 160 p.: il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Pinto RP et al. Análise dos fatores associados ao excesso de peso em escolares. Rev Paul Pediatr. 2016;34(4):460-468.

Munguba MCS. Terapia Ocupacional em ação interdisciplinar: jogos educativonutricionais na prevenção da obesidade infantil [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2008.

American Occupational Therapy Association, AOTA. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo - 3ª ed. traduzida. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2015; 26:1-49.

Pinheiro MFG, Gomes CL. Abordagens do brincar em cursos de graduação na área da saúde: educação física, fisioterapia e terapia ocupacional. Movimento, Porto Alegre. 2016; 22(2): 555-566.

Rezende M. Estamos Brincando? Reflexões sobre a Prática da Terapia Ocupacional. Anais do 10° Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional: contextos, territórios e diversidades. 15 a 18 de maio de 2007; Goiânia (GO).

Ferland F. O brincar e a Terapia Ocupacional. In: FERLAND F. O modelo Lúdico: o brincar, a criança com deficiência e a terapia ocupacional. 3.ed. São Paulo: Roca; 2006. p. 35-41.

Guidetti M. As avaliações psicológicas. In: Tourrette C, Guidetti M. Introdução à Psicologia do Desenvolvimento: do nascimento à adolescência. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 210-46.

Testa WL, Poeta LS, Duarte Mf. Exercício físico com atividades recreativas: uma alternativa para o tratamento da obesidade infantil. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2017; 11(62): 49-55.

Pimenta APA, Palma A. Perfil epidemiológico da obesidade em crianças: relação entre televisão, atividade física e obesidade. Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília, 2001; 9(4): 19-24.

Eskenai et al. Fatores socioeconômicos associados a obesidade infantil em escolas do município de Carapicuíba (SP, Brasil). R. Bras ci saúde. 2018; 22(3):243-254.

Triches RM, Giugliani ERJ. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev Saúde Pública. 2005; 39(4): 541-7.

Bergamasco JS, Briosch J, Lemes PN, Mendes A, Simões GA, Viebig RF. Promoção de atividade física na infância como forma de prevenção de futuras doenças crônicas. Rev. Digital Buenos Aires [periódico online]. 2008. [acesso em 24 maio. 2011]. 121: 1p.

Maia EG et al. Hábito de assistir à televisão e sua relação com a alimentação: resultados do período de 2006 a 2014 em capitais brasileiras. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2016; 32(9):e00104515.

Piaget J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009; p. 121-34.

Tourrette C. O desenvolvimento das crianças em idade escolar. In: Tourrete C, Guidetti M. Introdução à Psicologia do Desenvolvimento: do nascimento à adolescência. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 127-85.

Munguba MC, Silva CAB. Percepções de crianças sobre a sua aprendizagem de conceitos nutricionais mediante atividades lúdicas. Anais do 10° Congresso Brasileiro de Terapia

Ocupacional: contextos, territórios e diversidades. 15 a 18 de maio de 2007; Goiânia (GO).




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto27133

Apontamentos



Direitos autorais 2020 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB