Concepção e utilização da tecnologia assistva por profissionais da área da saúde/Conceptions and practices regarding the assistive technology for health professionals

Bruna Roberta de Souza, Gerusa Ferreira Lourenço, David dos Santos Calheiros

Resumo


A partir da problemática quanto à concepção de Tecnologia Assistiva e da necessidade do conhecimento dessa área por parte dos profissionais para sua correta implementação, o objetivo deste estudo foi identificar as concepções e as práticas relativas à Tecnologia Assistiva dos profissionais da saúde que compunham a equipe técnica de um serviço-escola situado em uma Universidade pública do interior paulista, visando o seu uso mais efetivo. Participaram do estudo um terapeuta ocupacional, dois fisioterapeutas, um fonoaudiólogo e um psicólogo. Os dados foram coletados por meio de uma ficha de cadastro do participante e de um roteiro de entrevista semiestruturado. Os resultados encontrados foram organizados em sete categorias de análise e indicaram que a maioria dos técnicos considera a Tecnologia Assistiva como recursos e equipamentos que auxiliam o paciente a realizar determinada tarefa ou atividade. Poucos afirmaram que utilizavam a Tecnologia Assistiva em sua prática clínica, e apontaram a necessidade de formação mais específica para os profissionais da área. Conclui-se que esses resultados trouxeram informações importantes a respeito da inserção da temática Tecnologia Assistiva em serviços direcionados à população com deficiência, uma vez que há demanda específica de formação inicial e continuada dos profissionais técnicos presentes nessa instituição.

 

From the problematic about of conceiving assistive technology and the need for knowledge of it by the professionals for its right implementation, the purpose of this study was to identify the conceptions and practices regarding the Assistive Technology for health professionals which made up the technical team of a School Service located in a public university in the interior of São Paulo, aiming its correct implementation. The participants of study were one occupational therapist, two physiotherapists and one psychologist. The data were collected through a registration form of participants and a semi-structured interview guide. The results were organized in seven different categories of analysis and indicated that most of the technicians consider Assistive Technology as resources and equipment that help the patient to perform a certain task or activity. Few said they used Assistive Technology in their clinical practice, referring that more specific training is should for the professionals from this field. It is concluded that these results provided important information about the inclusion need of Assistive technology services for the population with disability, once that there is specific demand of initial and continuing training for professional technicians from that institution.

Keywords: People with Disabilities; Rehabilitation; Assistive technology.

 

A partir de la problemática cuanto la concepción de la Tecnología Asistiva y la necesidad de conocimiento en esta área por profesionales para su correcta ejecución, el objetivo de este estudio fue identificar los conceptos y prácticas relacionadas a la Tecnología Asistiva de profesionales del área de la salud que componen el equipo técnico de un centro de formación ubicado en una universidad pública en el interior de la provincia de São Paulo.Visando su utilización más efectiva Los participantes del estudio fueron uno terapeuta ocupacional, dos fisioterapeutas, uno fonoaudiólogo y uno psicólogo. Los datos fueron recolectados por un formulario de registro de los participantes y una hoja de ruta semiestructurada. Los resultados fueron organizados en siete categorías de análisis e indicaron que la mayoría de los profesionales considera la Tecnología Asistiva como recursos y equipos que ayudan el paciente a realizar una tarea o actividad en particular. Pocos afirman que se utilicen de Tecnología Asistiva en su práctica clínica, y apuntan la necesidad de una formación más específica para los profesionales del área. Se concluye que los resultados proporcionaron informaciones importantes acerca de la inclusión de la Tecnología Asistiva en servicios de asistencia a la población con discapacidad, una vez que hay demandas específicas de formación inicial y continuada de los profesionales técnicos presentes en esta institución.

Palabras clave: Personas con discapacidad; Rehabilitación; Tecnología asistiva.


Palavras-chave


Pessoas com Deficiência; Reabilitação; Tecnologia Assistiva; Terapia ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ROCHA, EF; CASTIGLIONI, MC. Reflexões sobre recursos tecnológicos: ajudas técnicas, tecnologia assistiva, tecnologia de assistência e tecnologia de apoio. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 2005; 16(3): 97-104.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD; 2012.

VARELA, RCB; OLIVER, FC. A utilização de tecnologia assistiva na vida cotidiana de crianças com deficiência. Ciência e Saúde Coletiva. 2013; 18(6): 1773-1784.

CRUZ, DMC; EMMEL, MLG. Associação entre papéis ocupacionais, independência, tecnologia assistiva e poder aquisitivo em sujeitos com deficiência física. Revista Latino Americana de Enfermagem. 2013; 21(2): 484-491.

PELOSI, MB. O papel do terapeuta ocupacional na tecnologia assistiva. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. 2005; 13(1): 39-45.

PELOSI, MB; NUNES, LR. Formação em serviço de profissionais da saúde na área de tecnologia assistiva: o papel do terapeuta ocupacional. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano. 2009; 19(3): 435-444.

ALVES, ACJ. Tecnologia Assistiva: identificação de modelos e proposição de um método de implementação de recursos. [Dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2013.

BRASIL. Ata da III Reunião do Comitê de Ajudas Técnicas. Brasília, DF: Comitê de Ajudas Técnicas; 2007. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/corde/comite.asp. Acesso em 19 de fevereiro de 2016.

CARO, CC; FARIA, PSP; BOMBARDA, TB; PALHARES, MS. Dispensação de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção (OPM) no Departamento Regional de Saúde da 3ª Região do Estado de São Paulo. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. 2014. 22(3): 521-529.

LARANJEIRA, FO. Perfil de utilização de órteses e meios auxiliares de locomoção no âmbito do Sistema Único de Saúde. Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Ciências). - Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2005.

BERSCH, R. Tecnologia assistiva ou tecnologia de reabilitação? In: Anais do 1. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA ASSISTIVA; 2014 jun 03-05; Campinas, Brasil. Campinas: Centro Nacional de Referência em Tecnologia Assistiva - CTI Renato Archer; 2014. p. 45-50.

GALVÃO FILHO, TAA. Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, GJC; SOBRAL, MN, organizadores. Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. Porto Alegre: Redes Editora; 2009. p. 207-235.

ALVES, ACJ; EMMEL, MLG; MATSUKURA, TS. Formação e prática do terapeuta ocupacional que utiliza tecnologia assistiva como recurso terapêutico. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 2012; 23(1): 24-33.

SCHERER, MJ. Living in the state of stuck: how assistive technology impacts the lives of people with disabilities. Manchester: Brookline Books; 2005.

COOK, AM; HUSSEY, SM. Assistive technologies: principals and practice. St. Louis: Mosby; 2002.

BRASIL. Resolução nº 466, de 12 de Dezembro de 2012. Brasília, DF: Conselho Nacional de Saúde; 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 19 de fevereiro de 2016

BARDIN L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 1977.

MELLO, MAF. A Tecnologia Assistiva no Brasil. In: Anais do 1. FÓRUM DE TECNOLOGIA ASSISTIVA E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA DEFICIENTE; 2006 mar 30 a abr 01; Belém, Brasil. Belém: Universidade Estadual do Pará; 2006. p. 05-10.

SHUSTER, NE. Addressing assistive technology needs in special education. The American Journal of Occupational Therapy. 1993; 47(11): 993-997.

MARINS, SCF; EMMEL, MLG. Formação do terapeuta ocupacional: acessibilidade e tecnologias. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. 2011; 19(1): 37-52.

RIBEIRO, MA. Design Universal. In: CAVALCANTI, A; GALVÃO, C, organizadores. Terapia Ocupacional: fundamentação e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007. p. 417-419.

SOUZA, ACA; CRUZ, DMC; ALVES, ACJ; AGOSTINI, R. Tecnología Asistida en Brasil: reflexiones. Revista TOG. 2010; 7(12): 1-12.

BERSCH, RCR. Design de um serviço de tecnologia assistiva em escolas públicas. [Dissertação] Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO

Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO
Departamento de Terapia Ocupacional - Faculdade de Medicina - UFRJ
Prédio do CCS - Bloco K, Sala 17
Rua Prof. Rodolpho Paulo Rocco, s/n - Cidade Universitária - Ilha do Fundão - Rio de Janeiro – RJ, Brasil. CEP: 21910-590
Tel: 55 (21) 3938-6506

Contato: revisbrato@gmail.com