Aquisição de estruturas possessivas: posse inalienável e quantificadores no português brasileiro

Fernanda Mendes

Resumo


Aprofundou-se a análise sintático-semântica de estruturas possessivas inalienáveis apresentada em Mendes (2015), observando, em dados de aquisição do português brasileiro, o seu comportamento em estruturas quantificadas por todo(a), todos(as) os(as) e cada, já que parece haver uma distribuição complementar entre as interpretações disponíveis relativas à combinação entre os quantificadores que encabeçam o sintagma possuidor e os elementos que acompanham o sintagma possuído. De acordo com Lopes (2014) e Algave (2009), estruturas possessivas inalienáveis quantificadas apresentariam, na presença do determinante definido, uma preferência pela interpretação distributiva atrelada a uma leitura inalienável e, na presença do pronome possessivo, uma interpretação variante.

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.31513/linguistica.2018.v14n3a21402


Palavras-chave


posse inalienável; quantificadores; aquisição da linguagem; hipótese inatista; português brasileiro.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: