O genitivo de posse em português: um exercício de análise em semântica cognitiva

Jorge Luiz Ferreira Lisboa Júnior

Resumo


O presente estudo dedica-se a análise da estrutura semântica e da polissemia do genitivo de posse em português. Tendo em vista análises da posse genitiva em termos de metáfora conceptual (NIKIFORIDOU, 1991; LANGACKER 1991) e da mereologia estrutural (LYONS, 1980), consideramos o problema da insuficiência de tais argumentos para a descrição da polissemia da posse. Como alternativa teórica e descritiva, postula-se que as construções de genitivo correspondam a padrões metonímicos associados a domínios de contiguidade (PEIRSMAN & GEERAERTS, 2006), seja via transformação entre esquemas imagéticos de experiências contíguas, seja pelo mapeamento metafórico entre domínios de contiguidade.

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.31513/linguistica.2019.v15n2a21413


Palavras-chave


genitivo, posse, metonímia, contiguidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31513/linguistica.2019.v15n2a21413

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: