Posição SUBJP: o caso dos sujeitos locativos no português brasileiro

Lívia de Mello Reis, Sandra Quarezemin

Resumo


O Português Brasileiro licencia casos em que a primeira posição pode ser preenchida por sintagmas locativos não argumentais, como (1) Naquela loja do shopping vende/vendem roupas baratas. Dessa forma, o principal objetivo é investigar a estrutura sintática de construções com PP locativo e DP locativo pré-verbais, como (2) [Na escola]PPloc aceita/aceitam cartão de crédito e (3) [A escola]DPloc aceita cartão de crédito. Nossa hipótese é que os constituintes locativos em PB, PPloc e DPloc, ocupam a mesma posição no middlefield (domínio flexional), posição Spec,SubjP, embora a motivação para sua subida seja diferente, conforme mostrado em dados do italiano por Cardinaletti (2004). Quanto à metodologia, foi realizada uma análise de dados, retirados de estudos preliminares. Foi possível verificar que as construções com locativos, de fato, não apresentam a mesma estrutura sintática, embora ambos configurem como sujeitos da predicação na posição Spec,SubjP.

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.31513/linguistica.2019.v15n3a28377


Palavras-chave


Sujeitos Locativos; Português Brasileiro; Abordagem Cartográfica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.31513/linguistica.2019.v15n3a28377

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: