Sujeitos de referência definida e arbitrária: aspectos conservadores e inovadores na escrita padrão

Maria Eugênia Lamoglia Duarte

Resumo


O texto compara resultados obtidos para a representação do sujeito pronominal de 3ª pessoa e do sujeito indeterminado na língua escrita veiculada em jornais cariocas com os obtidos para a fala culta e popular. No que diz respeito ao sujeito referencial, a escrita se revela como uma gramática inovadora, que já incorpora os sujeitos referenciais plenos, sem, contudo reproduzir os mesmos índices da fala. Em relação aos sujeitos indeterminados, a escrita mostra uma gramática mais conservadora, que recupera formas de indeterminação se, o uso expressivo do pronome nós, que mantém o nível de formalidade desejado sem envolver a complexidade do clítico. Os resultados trazem evidências para a hipótese levantada por KATO (2005), para quem a gramática do letrado seria fixada de forma diferente da nuclear, mas com acesso a um conhecimento periférico à Gramática Universal.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Linguítica 

é membro das seguintes associações:

Abec CrossRef

 

e está indexada nas seguintes bases de dados/catálogos/diretórios: